As famílias viveram nos últimos meses aquilo que foi, provavelmente, a maior “tempestade” e revolução das suas vidas.  

De repente, pais e filhos, foram obrigados a estar em casa, durante 24h durante um período de tempo indeterminado, sob ameaça de um vírus que promete ser assustador e que é tão poderoso que parou o mundo inteiro.  

Impactante toda esta informação. Foi necessário reestruturar os dias, as noites, as formas de estar, de viver, as conversas, o método de trabalho, tudo.  

A resiliência da família foi fortemente colocada em causa e à prova.  

Agora a realidade voltou a mudar e apesar de ainda estarmos aconselhados a ficar em casa, há famílias que se encontram sem outras opções senão (fingir que vão) voltar à normalidade.  

Os “regressos” são sempre motivo para algum stress e ansiedade por parte dos pais, não fosse o ser humano ser tão resistente a mudanças e a alterações de rotina.  

“E agora? Como irá reagir às educadoras? E se apanha o vírus? Vamos sentir muitas saudades um do outro. Será que vai ficar assustado com as máscaras? Tenho muito medo. 

A minha missão é ajudar famílias a viver a parentalidade com menos ansiedades, medos e culpas, como tal, sinto que vos posso ajudar com um conjunto de seis dicas que, de certo, farão a diferença aí em casa. Espero que façam sentido para vocês.  

1 – Decidir com confiança 

É primordial que a nossa decisão de colocar ou não na creche, os timings, as nossas decisões sejam nossas e com base naquilo que sentimos e não naquilo que pessoas fora do nosso círculo familiar nos dizem que será a melhor decisão ou escolha 

Quando decidimos sob o ponto de vista de alguém que está do outro lado, nem sempre tomamos a decisão do coração e da consciência. O que muitas vezes nos leva a ter sentimentos de frustração e culpa.  

Procurem reunir as informações necessárias e tomem a decisão com base naquilo que será o bemestar da vossa família, segundo os vossos olhos e perspetiva 

Uma decisão tomada com confiança é importante para nos sentirmos mais seguros, mais firmes, tranquilos e menos ansiosos.  

2 – Manter a calma  

Esta dica é um mantra diário para todos os dias do ano, incluindo dias muito difíceis (estes principalmente). Isto porque é este estado de relaxamento que nos vai permitir: gerir melhor as nossas emoções, observar com mais clareza, logo tomar melhores decisões.  

Parece uma regra muito básica, mas o que é facto, é que as crianças ficam mais tranquilas se sentirem que os seus pais estão calmos. Isto é um pilar-base para que a família se sinta segura, coesa e firme.  

Como manter a calma em momentos de stress como ir levar o meu filho à escola? Prepare-se que o exercício é muitíssimo simples: respirar fundo, inspirar pelo nariz, expirar pela boca e repetir. Esta prática “cheira a flor, sopra a vela” tem poderes mágicos sobre a nossa mente e estado de espírito e é muito simples, até para fazer em família, com os mais novos.  

3 – Preparar as crianças 

Tão importante quanto respirar é falar com as crianças sobre as novas alterações às suas rotinas, adaptando o discurso a cada idade.  

Esta noção de que a mudança vai acontecer ao contrário do que podemos pensar (que causa ansiedade), pelo contrário, prepara-as.  

A preparação dos mais pequenos funciona como um “calmante natural” potenciando a sua paz interior e serenidade.  

4 – Ser verdadeiro 

Outra dica simples, mas que, por vezes, os adultos tendem a ter alguma dificuldade na comunicação é falar aberta e honestamente com a criança, sem fantasia ou histórias fictícias 

Quanto mais reais somos sobre os factos, mais elas adquirem também mais noção e responsabilidade nelas próprias para se defenderem daquilo que pode representar perigo.  

Uma das melhores formas de garantir a proteção da criança é ser-se honesto e claro sobre a situação, mudança, circunstância para que ela saiba exatamente o que fazer e se sinta segura ao fazê-lo.  

5 – Boas noites de sono 

A privação de sono é uma das causas maiores para a rotura das famílias: caótica, destrutiva e exaustiva para cada membro da família.   

Uma criança que não dorme bem, não permite que os pais durmam bem. Quando os pais não dormem bem, têm dificuldade em ser pacientes, em ser tolerantes, em se concentrarem, em tomarem decisões, em se auto acalmarem. Assim como com as crianças.  

Dormir bem é tão essencial como comer bem.  

Esta revela-se numa ferramenta contra quaisquer vírus e bactérias, uma vez que fortalece o nosso sistema imunitário, para além de todas as outras vantagens a nível cognitivo: aumenta a capacidade de concentração, de memorizar; ajuda-nos a regular a ansiedade, assim como o apetite e ainda promove a nossa estabilidade emocional e tranquilidade interior.  

6 – Antecipar irritações  

O regresso a casa depois dos dias passados na escola poderá também tornar-se motivo de ansiedade. Acredito que as crianças chegarão bem cansadas, irritadas, com muito sono e sem paciência, provavelmente sem apetite e precisarão de nós o mais serenos possível para os ajudarmos a lidar com as mudanças e com a gestão das suas emoções – dormir bem é mesmo vital.  

Sugiro que opte por banhos antes do jantar se possível mais demorados, em primeiro lugar como medida de combate ao vírus e depois para promover um relaxamento. Depois dê o jantar mais cedo do que o habitual, promova pequenos diálogos sobre o dia da escola, como correu o que fez. Ficará de imediato com uma ideia de como estará ele ou ela a lidar com estas novas adaptações 

A música é sempre boa aliada nestes momentos. Evite os ecrãs, uma vez que os estimula e satura ainda mais, contribuindo para a sua maior irritabilidade. Depois, e fundamental, prepare o ir para a cama. O dormir como lhe disse e o descansar bem é fundamental. Aproveite para contar uma história calma, a meia luz, procurando dar a tranquilidade daquele momento, antes de dormir.    

Que estas dicas sejam pedras preciosas aí em casa e que ajude a fazer de vocês uma família mais feliz e unida.  

Vai ficar tudo bem.  

Palavras-chave

Mais no portal

Beleza e Saúde

Experimentei um hidratante facial caseiro que só leva um ingrediente

E estou aqui para contar os resultados. Não se deixem enganar pela imagem - garanto que o creme não ficou branco, muito menos tão artístico.

Beleza e Saúde

Esta é a atividade física que nos deixa com mais fome

Estudo concluiu que pessoas que a praticam ingerem mais calorias.

Celebridades

Ariana Grande assume novo namorado

A artista partilhou fotografias bastante explícitas.

Moda

Parfois: a mala do verão a menos de 8 euros

Não há como não adorar os saldos.

Beleza e Saúde

Coronavírus: Casados há 53 anos, morreram de mãos dadas, no mesmo dia

Falamos de um casal do Texas, de 80 e 79 anos, internados por pouco mais de uma semana.

Beleza e Saúde

O mundo é um lugar estranho, portanto experimentei fazer Reiki — e acabei em lágrimas

Aqui, a cura faz-se pelas mãos e, mesmo sem toques, é impossível não nos sentirmos tocados por esta experiência libertadora.

Lifestyle

Livro da semana: "Uma Gaiola de Ouro", uma história que é um grito feminista

Um livro de Camilla Läckberg, publicado pela Suma de Letras.

Inspirações

10 inventoras negras que tornaram as nossas vidas bem mais fáceis

Sem o espírito de inovação e de empreendedorismo de cada uma destas mulheres, estas 10 invenções poderiam nunca ter existido.

Lifestyle

Vídeo viral mostra como picar um dente de alho em 10 segundos

Quer a cozinha seja ou não o seu forte, esta técnica promete facilitar o processo.

Lifestyle

4 dicas de poupança financeira para mulheres empreendedoras

No primeiro episódio da rubrica Finanças de A a Z, deixo algumas sugestões para criar um negócio e potenciar o seu crescimento.

Celebridades

Em tempos de pandemia, foi assim que Khloé Kardashian celebrou o aniversário

O evento teve direito a máscaras personalizadas - mas não só.

Inspirações

Normalizar corpos normais: o movimento que se tornou viral

Pessoas de todo o mundo têm partilhado imagens dos respetivos corpos, de modo a provar que é normal sermos diferentes.

€2,95 por edição 20% desconto  

Papel