George Floyd. Ahmaud Arbery. Breonna Taylor. Diferentes nomes, com algo em comum – todos foram assassinados injustamente devido à cor da pele. De acordo com a presidente da American Psychological Association (APA), Sandra Shullman:

O racismo está associado a várias consequências psicológicas, incluindo a depressão, a ansiedade, e outras sérias – por vezes, debilitantes – condições, incluindo distúrbio de stress pós-traumático e distúrbios de abuso de substâncias. Além disto, o stress causado pelo racismo pode contribuir para o desenvolvimento de doenças cardiovasculares e outras doenças físicas“.

Em 2016, investigadores da Manchester University analisaram como o racismo sistémico poderia impactar a saúde mental. E os resultados, publicados no American Journal of Public Health, mostraram que pessoas de minorias que sofreram incidentes de racismo de forma repetida tinham bastantes mais probabilidades de sofrer problemas como depressão ou ansiedade.

Dos tópicos analisados, aquele que mostrou ter um impacto negativo mais forte na saúde mental foi o sentimento de insegurança e evitar certos espaços ou situações, por causa da etnia. E o simples facto de se assistir a atitudes racistas pode afetar-noster um impacto negativo “em segundo plano”. De acordo com uma das autoras do estudo, Laia Bécares:

A consciência da discriminação racial vivida por outros pode continuar a afetar a saúde mental de pessoas que pertencem a minorias étnicas“.

O “The Depression Project“, iniciativa de promoção da saúde mental, aproveitou o momento triste que vivemos – mas durante o qual temos também comprovado que, de facto, a união faz a força, e temos mais motivos para acreditar que algo pode mudar para melhor – para partilhar alguns dos sintomas que pessoas afetadas pelo racismo podem registar.

Sentir-se desconectado/só; duvidar; pouca esperança; aumento do ‘modo de sobrevivência’; diminuição da confiança; preocupação; sentimento de impotência; aumento do risco de depressão e ansiedade; trauma; questionamento existencial; pânico“, são aqueles mencionados.

Para Nelson Lopes, psicólogo, terapeuta familiar e formador multicultural, “o racismo é mais do que mero preconceito. Racismo é a institucionalização, a internalização do processo social de preconceito, de modo a que as estruturas sociais se tornaram fundadas nesses mesmos valores. Valores como a primazia do homem branco sobre outros grupos. E não é exclusivamente o racismo, também o sexismo é intrinsecamente institucional“.

Além disto, acrescenta o especialista:

existem ainda as micro-agressões, pequenos e subtis cortes, muitas vezes que os próprios perpetradores não se apercebem do grau de agressão ou objectificação do outro. São frases como ‘É negro, mas é muito inteligente!’, ‘lápis cor-de-pele’, ‘Mas sou preto ou quê?!’ ou ‘Não faças judiarias!’, que podem ser confundidas com elogios, simples nomes de coisas, ou expressões antigas, sem nada de mal ou discriminação… mas todas elas vão subtilmente entranhando a ideia no nosso subconsciente de que não ser branco é errado, inferior, indigno”.

De acordo com Lopes, ao receber constantemente informação que dita que o valor da sua vida é inferior, a vítima de racismo começa a desenvolver “sentimentos de auto desvalorização, ou de desvalorização da sua própria comunidade e cultura, isolamento, diminuição da auto estima e da auto eficácia, letargia, crise identitária, depressão“, entre outros.

Mais ainda, pode-se assistir a casos de revolta: “deixam de sentir que podem confiar no sistema ou na sociedade para os proteger e desenvolvem comportamentos mais disruptivos, na linha da revolta com figuras de autoridade, economia paralela, descrédito pelos valores veiculados pela sua comunidade, disrupção do núcleo familiar, gravidez adolescente, abandono escolar, isolamento social das comunidades“.

Para Nelson, o grande problema não está nos elementos abertamente racistas e facilmente identificáveis, mas sim nos “subtilmente racistas, de tal forma incutidos na nossa mente social, que não é clara nem automática a sua associação ao racismo. Assim, toda a população aprende a não dar muito significado a determinados actos ou expressões, pois estes passam despercebidos como sendo não relacionados com o racismo“.

Por fim, o psicólogo refere que o racista é qualquer “pessoa que não está disposta a analisar os seus privilégios pessoais, e a perceber que estes vieram da opressão de uma faixa da população. O não fazer nada para perceber as origens do seu privilégio, é silenciosamente apoiar o sistema que sustenta esses privilégios“. E cabe a cada um de nós parar de olhar para o lado.

Porque é hora de mudar – e porque a mudança não tem lugar onde não existe tolerância -, há que, primeiro, ter vontade de aprender. Depois, questionar, agir, e, sempre que possível, ensinar. Há que, acima de tudo, transmitir conhecimentos sem apontar o dedo. Porque é verdade o que dizem -sempre que o fazemos, temos muitos mais virados para nós.

Palavras-chave

Na ACTIVA apresentamos-lhe mulheres e ideias inspiradoras nas mais diversas áreas. Acompanhe-nos, deixe-se inspirar e leia já esta revista. ASSINE AQUI

Relacionados

Mais no portal

Mais Notícias

Inspirações para relaxar

Inspirações para relaxar

Mars Express vai deixar de ter Windows 98

Mars Express vai deixar de ter Windows 98

Oeiras EcoRally: vitória para a dupla espanhola Eneko Conde e Lukas Sergnese

Oeiras EcoRally: vitória para a dupla espanhola Eneko Conde e Lukas Sergnese

A PRIMA gosta das cores de verão da Parfois, dos sabores frescos da Brigadeirando e da nova coleção da Joana Mota Capitão

A PRIMA gosta das cores de verão da Parfois, dos sabores frescos da Brigadeirando e da nova coleção da Joana Mota Capitão

Sony WH-1000XM5: Teste aos melhores auscultadores de sempre na supressão de ruído

Sony WH-1000XM5: Teste aos melhores auscultadores de sempre na supressão de ruído

"Casados à Primeira Vista": Saiba quais casais decidiram dar uma chance ao amor

Como os visuais de Jill Biden e Letizia passaram mensagens

Como os visuais de Jill Biden e Letizia passaram mensagens

Sara Carbonero e Isabel Jiménez trazem a alma mexicana aos nossos 'looks' de verão

Sara Carbonero e Isabel Jiménez trazem a alma mexicana aos nossos 'looks' de verão

JL 1348

JL 1348

GNR resgata 28 cães em Viseu por suspeita de maus tratos

GNR resgata 28 cães em Viseu por suspeita de maus tratos

CARAS Decoração de junho: retiros naturais

CARAS Decoração de junho: retiros naturais

Lisboa depois dos turistas

Lisboa depois dos turistas

EDP antecipa para 2040 a redução em mais de 90% de emissões na cadeia de valor

EDP antecipa para 2040 a redução em mais de 90% de emissões na cadeia de valor

Ecossintonia: quatro atrizes juntas na atitude sustentável

Ecossintonia: quatro atrizes juntas na atitude sustentável

Dez vestidos em malha que vai querer comprar nos saldos

Dez vestidos em malha que vai querer comprar nos saldos

Sugestões confortáveis para aproveitar os dias de sol

Sugestões confortáveis para aproveitar os dias de sol

Diogo Amaral partilha pela primeira vez uma fotografia a exibir a cara de Mateus

Diogo Amaral partilha pela primeira vez uma fotografia a exibir a cara de Mateus

Anda a sentir falhas acentuadas de memória? António Damásio explica porquê

Anda a sentir falhas acentuadas de memória? António Damásio explica porquê

O melhor smartphone para fotografia: iPhone 13 Pro Max vs. Samsung Galaxy S22 Ultra vs. Huawei P50 Pro

O melhor smartphone para fotografia: iPhone 13 Pro Max vs. Samsung Galaxy S22 Ultra vs. Huawei P50 Pro

Fashion Clinic abre 'pop-up store' no Carvalhal

Fashion Clinic abre 'pop-up store' no Carvalhal

Motos elétricas Silence chegam (oficialmente) a Portugal

Motos elétricas Silence chegam (oficialmente) a Portugal

Os Cadernos da Minha Vida: mergulhar no processo criativo de Joana Vasconcelos

Os Cadernos da Minha Vida: mergulhar no processo criativo de Joana Vasconcelos

"Se olharmos para o tempo da União Soviética e para o papel que teve na independência de alguns países africanos, vemos que a kalashnikov é um verdadeiro símbolo de descolonização"

Famosos encerram Rock in Rio Lisboa com muito estilo

Famosos encerram Rock in Rio Lisboa com muito estilo

Princesa Leonor e infanta Sofía no teatro com looks descontraídos

Princesa Leonor e infanta Sofía no teatro com looks descontraídos

Carlão e Linda Martini no

Carlão e Linda Martini no "Música no Jardim do Morro" em Gaia em julho

Kelly Bailey faz topless em Maiorca

Kelly Bailey faz topless em Maiorca

Frederico e Mary da Dinamarca tomam decisão que afeta o futuro dos filhos

Frederico e Mary da Dinamarca tomam decisão que afeta o futuro dos filhos

Oeiras EcoRally em imagens

Oeiras EcoRally em imagens

Quatro meses após ser pai, Jason Derulo separa-se da namorada

Quatro meses após ser pai, Jason Derulo separa-se da namorada

Covid-19: De quanto em quanto tempo podemos ser reinfetados? A resposta já a seguir

Covid-19: De quanto em quanto tempo podemos ser reinfetados? A resposta já a seguir

Raquel André: Uma Língua Portuguesa afiada

Raquel André: Uma Língua Portuguesa afiada

Estas são as dores mais comuns na depressão

Estas são as dores mais comuns na depressão