Fazer scroll nas redes sociais até se perder a noção do tempo não é necessariamente um fenómeno novo. Mas os contornos atípicos de 2020 alteraram profundamente este ‘pequeno prazer’, bem como os efeitos que ele pode ter no bem-estar geral.

Agora, um fluxo de informações negativas invade constantemente os nossos feeds, quer sejam as últimas atualizações sobre a pandemia ou imagens de injustiças raciais, e este novo hábito de consumo até já tem um nome: doomscrolling”.

❝ Doomscrolling: A tendência de continuar a navegar ou fazer scroll em más notícias, apesar de serem tristes, desanimadoras ou deprimentes.
— Merriam Webster

Pense no “doomscrolling” como ser intolerante à lactose e, mesmo assim, decidir consumir imenso queijo — sabe que não é uma boa ideia, mas não consegue evitar. A grande diferença é que em vez de levar ao desconforto físico, esta escolha pode afetar a saúde mental. “Coloca a mente numa espiral descendente de ansiedade e negativismo, e este ciclo é difícil de quebrar”, explica a psicóloga Nina Vasan à revista “Shape”.

Causas e Consequências

A especialista acrescenta que muitos caem nesta tentação porque, neste momento, passam demasiado tempo em casa e sem as atividades que normalmente os mantêm afastados dos telemóveis e dos computadores ao longo do dia. “As redes sociais parecem ser a única forma de estarmos conectados com o resto do mundo”. Para além disso, há a ‘armadilha’ da informação, visto que estas plataformas oferecem atualizações praticamente em tempo real daquilo que se passa no mundo.

Procuramos mais certeza e controlo numa altura que, para muitas pessoas, é a mais caótica das suas vidas. Há uma sensação de que algo positivo está apenas a um clique de distância, portanto procuramo-lo constantemente. Em vez disso, somos bombardeados com cada vez mais informações negativas”, afirma a Dra. Vasan.

Essa procura incessante pelo controlo acaba por ter um efeito contrário ao pretendido, deixando sentimentos de descontrolo e tristeza. Isto pode ser particularmente problemático para quem já sofre de depressão ou ansiedade. Para reverter este cenário, as recomendações passam por evitar navegar nas redes sociais pela manhã e antes de ir dormir.

“As primeiras horas da manhã, especialmente logo após acordar, dão o mote para o resto do dia, portanto se começar a fazer ‘doomscrolligng’, está a preparar o cérebro para captar mais negatividade”, esclarece a profissional de saúde. “Fazê-lo antes de dormir também é prejudicial, porque a mente é ocupada com conteúdos negativos e torna-se mais difícil adormecer”.

Veja, abaixo, cinco outras formas de quebrar o mau hábito do “doomscrolling”.

Palavras-chave

Leia 6 meses GRÁTIS

Este verão assine a ACTIVA, CARAS, CARAS DECORAÇÃO, entre outras publicações do grupo Trust in News, por 1 ano e receba 6 meses de leitura grátis. Conheça todas as opções, incluindo as versões digitais. ASSINAR

Relacionados

Comportamento

Cinco dicas para ser feliz no mundo pós-pandemia

Especialista em psicologia da Doctorino dá cinco concelhos para cuidar da saúde mental em tempos atípicos.

#CartaBranca

Inteligência Emocional: as 11 questões que mudaram o meu dia

E que, a partir de agora, farão parte de uma rotina que não tinha até então.

Diz Quem Sabe

Não se esqueça de se amar primeiro

Uma lição de autoestima inspirada numa famosa série. “Porque Carry Bradshaw teria sido uma ótima Coach!”.

Mais no portal

Moda

Esta tendência de swimwear improvável favorece peitos pequenos

Deixamos esta e outras sugestões para valorizar a área nas suas próximas idas à praia.

Saúde

4 bons motivos para começar a comer mais uvas

A sua saúde agradece.

Comportamento

Eis o que fazer quando se sente tentada a mentir

De acordo com uma psicóloga.

Imagem de Sucesso

Dicas para fazer as melhores compras em época de saldos

Este é o tema do novo episódio da rubrica Imagem de Sucesso.

Lifestyle

Estes casinos estão prestes a reabrir

Saiba quando os poderá visitar.

Mulheres Inspiradoras

Condessa D’Edla: a segunda mulher de D. Fernando II, que era artista e não agradava ao povo

A produção de capa da ACTIVA de agosto, protagonizada por Júlia Palha, foi fotografada num chalet conhecido como o "Chalet da Condessa”. Conheça a história desta mulher fascinante.

Diz Quem Sabe

Levantamento das restrições: um teste à eficácia da vacina para a COVID-19

Um artigo de opinião assinado pela Dra. Laura Brum, virologista dos Laboratórios SYNLAB.

Moda

Estes básicos da H&M prometem 'fazer bonito' em qualquer ocasião

Estas sugestões são bonitas, intemporais e surpreendentemente acessíveis.

Celebridades

Este foi o visual de gala preferido de Kate Winslet

A atriz caracterizou o vestido como "uma escultura bordada".

Saúde

O DIU pode causar queda de cabelo?

Saiba se tem alguma relação.

Comportamento

Psicóloga explica como perceber as diferenças entre amor e luxúria

A luxúria pode levar ao amor, mas eles não são a mesma coisa.

Celebridades

Anna Faris casou-se em segredo

A atriz e Michael Barrett namoram desde 2017.