O fim de uma relação vem acompanhado de uma montanha-russa de emoções, com altos e baixos num curto período de tempo, que pode ser para lá de confuso. Assim sendo, não é surpresa que muitos casais tenham ‘recaídas’ no processo de separação.

Contudo, por vezes, é difícil explicar por que o fazemos. Um grupo de investigadores publicou um estudo na revista científica “Evolutionary Psychology”, que inclui dois estudos sobre como homens e mulheres diferem nas respetivas abordagens ao ‘sexo de separação’ — que surge definido como ter uma relação sexual com um ex nas duas semanas seguintes (ou antes) ao término  — e como se sentem quando tudo acaba.

Entenda as diferenças entre géneros

O primeiro estudo inquiriu 212 estudantes universitários sobre como se sentiam depois de terem ‘recaídas’. Em geral, as mulheres sentiam-se melhores em relação ao relacionamento, mas piores consigo mesmas. Já os homens sentiam-se melhor em relação a si próprios.

“Isto deve-se ao facto de as mulheres serem mais propensas do que os homens a expressar arrependimento por terem um encontro sexual casual, conforme documentado por estudos anteriores”, explica o Dr. T. Joel Wade, professor de Psicologia na Universidade de Bucknell University e co-autor do artigo, ao site Insider.

O segundo estudo pediu a um grupo de 292 estudantes universitários que escolhessem numa lista o que os motivou a ter sexo durante uma separação e classificar as razões. Segundo Wade, eles tendiam a fazê-lo por “motivos hedonistas” como, por exemplo, “quererem sentir-se bem, a oportunidade surgiu, tinham saudades de sexo e vontade de satisfazer necessidades”. Elas, por sua vez, tinham explicações mais relacionadas com o foro emocional.

Falta de representatividade

Uma das limitações dos dados foram os grupos amostrais usados para ambos os estudos. Tanto um como o outro era composto maioritariamente por pessoas brancas e heterossexuais. De acordo com Wade, uma das maiores questões por responder prende-se com as motivações de outras comunidades.

“Os dados não falar pelos indivíduos LGBTQ+, e os estudos nessa área têm de ser mais aprofundados. Penso que estudar esse comportamento pós-separação em pessoas ‘queer’ será uma via de investigação frutífera.”

Palavras-chave

Assine a ACTIVA

Deixe-se inspirar, assine a ACTIVA, na sua versão em papel ou digital, a partir de €2,00 a edição. Saiba tudo aqui ASSINAR

Relacionados

Comportamento

9 coisas que acontecem ao corpo (e à mente) quando deixamos de fazer sexo

Do estado de espírito ao risco de doenças, a falta de sexo pode afetar tanto o bem-estar físico quanto o emocional.

Lifestyle

Estudo revela quais são as músicas no Spotify mais escolhidas para o sexo

Estes são os temas mais escolhidos pelos casais para os momentos mais quentes.

Lifestyle

Eis o motivo pelo qual o sexo é mais prazeroso quando tem a bexiga cheia

Nunca reparou? Está na hora de experimentar. E esta é a explicação.

Mais no portal

Moda

Mafalda Carvalho mostra os desfiles (e as emoções) do último dia de Portugal Fashion

Veja tudo o que aconteceu na Alfândega do Porto.

Lifestyle

A Pizzaria Luzzo é uma das pérolas da Graça

Da comida ao ambiente, tudo é pensado para proporcionar refeições (e momentos) super agradáveis.

Lifestyle

Esta câmara trendy foi concebida para tirar selfies

Ela permite tirar, imprimir e partilhar fotografias em movimento. Um sonho para a Geração Z.

Beleza

5 cortes de cabelo clássicos que nunca saem de moda

Em equipa que ganha não se mexe.

Moda

Bailarinas: como usar estes sapatos clássicos de formas contemporâneas

Inspire-se nestas estrelas das redes sociais para adicionar estes sapatos versáteis e elegantes aos seus próximos visuais de outono.

Saúde

Cuidados a ter com a saúde íntima feminina quando as temperaturas descem

Eis as dicas de um ginecologista e obstetra dos hábitos a adotar nesta altura do ano.

Comportamento

Advogada elege as 5 razões mais comuns para o divórcio

Curiosamente, a traição não é uma delas.

Moda

Be The Change: tecidos reciclados e produção responsável com o selo de qualidade Tezenis

Uma coleção de ‘underwear’ bonita, sustentável e mais amiga do ambiente.

Diz Quem Sabe

Pele sensível e pele sensibilizada: entenda as diferenças

E saiba quais os cuidados a ter.

Saúde

Como os cuidados para bebés podem aliar-se à sustentabilidade

Opções para os pais que procuram produtos que causem o menor impacto possível no meio ambiente.

Saúde

A dor crónica não é um problema individual – é um problema de saúde pública

Um artigo de opinião assinado por um grupo de especialistas da Escola de Medicina da Universidade do Minho, a propósito do Dia Nacional da Luta Contra a Dor (15 de outubro).