Quase uma em cada cinco pessoas que tiveram COVID-19 são diagnosticadas com um transtorno mental, como ansiedade, depressão ou insónias, em até três meses após diagnóstico positivo para o novo coronavírus.

A conclusão é de um estudo conduzido por investigadores da Universidade de Oxford e do NIHR Oxford Health Biomedical Research Center, que também descobriram que as pessoas com condições prévias ligadas à saúde mental tinham uma probabilidade 65% superior de serem diagnosticadas com a doença infecciosa respiratória do que aquelas sem nenhum quadro preeexistente.

“Esta descoberta foi inesperada e ainda precisa de investigação, contudo importa referir que ter um transtorno mental deve ser adicionado à lista de fatores de risco para COVID-19”, afirma Max Taquet, investigador clínico académico do NIHR e um dos autores do estudo, acrescentando que também existe a possibilidade de que o ambiente geral “stressante” da pandemia esteja a desempenhar um papel importante.

Os cálculos foram feitos com base em cerca de 70 milhões de registos de saúde nos Estados Unidos, incluindo mais de 62 mil casos de COVID-19 que não exigiram internamento ou visita às urgências. As informações médicas revelam que a incidência de qualquer transtorno psicológico entre 14 e 90 dias após o teste positivo para o novo coronavírus foi de 18,1%.

Outra descoberta particularmente alarmante foi a duplicação do diagnóstico de demência três meses após o teste positivo para a COVID-19, comparativamente a outras condições de saúde.

Palavras-chave

Assine a ACTIVA

Deixe-se inspirar, assine a ACTIVA, na sua versão em papel ou digital, a partir de €2,00 a edição. Saiba tudo aqui ASSINAR

Relacionados

Saúde

Pfizer afirma que a sua vacina contra a COVID-19 é "90% eficaz"

A farmacêutica prevê que irá conseguir fornecer 50 milhões de doses da vacina em todo o mundo ainda em 2020.

Saúde

Dor de ouvido pode ser sintoma de covid-19

Médicos explicam a ligação.

Saúde

Viver com a demência em tempos de COVID: conselhos para quem cuida

Um artigo de opinião de Teresa Castanho, investigadora na área do Envelhecimento Cognitivo e Demências da Escola de Medicina da Universidade do Minho.

Mais no portal

Moda

Mafalda Carvalho mostra os desfiles (e as emoções) do último dia de Portugal Fashion

Veja tudo o que aconteceu na Alfândega do Porto.

Lifestyle

A Pizzaria Luzzo é uma das pérolas da Graça

Da comida ao ambiente, tudo é pensado para proporcionar refeições (e momentos) super agradáveis.

Lifestyle

Esta câmara trendy foi concebida para tirar selfies

Ela permite tirar, imprimir e partilhar fotografias em movimento. Um sonho para a Geração Z.

Beleza

5 cortes de cabelo clássicos que nunca saem de moda

Em equipa que ganha não se mexe.

Moda

Bailarinas: como usar estes sapatos clássicos de formas contemporâneas

Inspire-se nestas estrelas das redes sociais para adicionar estes sapatos versáteis e elegantes aos seus próximos visuais de outono.

Saúde

Cuidados a ter com a saúde íntima feminina quando as temperaturas descem

Eis as dicas de um ginecologista e obstetra dos hábitos a adotar nesta altura do ano.

Comportamento

Advogada elege as 5 razões mais comuns para o divórcio

Curiosamente, a traição não é uma delas.

Moda

Be The Change: tecidos reciclados e produção responsável com o selo de qualidade Tezenis

Uma coleção de ‘underwear’ bonita, sustentável e mais amiga do ambiente.

Diz Quem Sabe

Pele sensível e pele sensibilizada: entenda as diferenças

E saiba quais os cuidados a ter.

Saúde

Como os cuidados para bebés podem aliar-se à sustentabilidade

Opções para os pais que procuram produtos que causem o menor impacto possível no meio ambiente.

Saúde

A dor crónica não é um problema individual – é um problema de saúde pública

Um artigo de opinião assinado por um grupo de especialistas da Escola de Medicina da Universidade do Minho, a propósito do Dia Nacional da Luta Contra a Dor (15 de outubro).