@candela.mont

Num artigo para a Psychology Today, o psicoterapeuta Douglas LaBier dissertou acerca daquilo que dita a felicidade de uma relação. Fundamentando o texto com os resultados de um “novo estudo que incluiu mais de 11 mil casais“, revelou algumas descobretas interessantes (e algo inesperadas).

Afinal, porque é que algumas relações que parecem promissoras se dissolvem ao longo do tempo (e vice-versa)? Deste teorias acerca das características individuais de cada membro do casal à forma como comunicam ou resolvem confitos, muito já foi discutido acerca do tema. Agora, surgem novos dados.

De acordo com o referido estudo, o maior preditor da felicidade, intimidade romântica e conexão de uma relação é algo tão básico, mas, muitas vezes, ignorado: “o tipo de relação que o casal cria junto, ao longo do tempo“, escreve Douglas. E o que é que isto quer dizer? No fundo, trata-se do facto de a qualidade da relação construída transcender características pessoais.

O estudo, da Canada’s Western University, “sugere que a pessoa que escolhemos não é, nem de perto, tão importante quanto a relação que construímos“, afirma a autora Samantha Joel. “A dinâmica que constróis com alguém – as normas partilhadas, as piadas privadas, as experiências partilhadas – é muito mais do que as pessoas individuais que fazem parte da relação“, diz.

O estudo identificou alguns traços gerais das relações felizes:

  • sentimento mútuo de compromisso e resposta às necessidades (“sei que ele/ela está lá para mim)
  • nível mútuo de satisfação com a vida sexual
  • sentimento de que o outro está satisfeito com a relação; baixo nível de conflitos

Ora, apesar de o estudo não conseguir mostrar como é que os casais constroem esta dinâmica, pesquisas ao longo do tempo podem ajudar-nos a ter uma ideia.

  • disponibilidade para renunciar a interesses pessoais e saber quando colocar as necessidades do parceiro à frente das nossas
  • sentir-se apreciado e valorizado pelo parceiro
  • quando, em momentos de grande stress, o parceiro se sente compreendido e ouvido – não só através de palavras, mas de gestos que demonstrem empatia

No fundo, não há nenhum “grande segredo”. Há que apenas ter consciência de que ninguém – nem mesmo nós – somos perfeitos, de que nem sempre temos razão e de que uma relação não funciona sem respeito, altruísmo, empatia e, claro, muito amor.

Palavras-chave

Mais no portal

Diz Quem Sabe

O guia para criar uma selva urbana em casa

Um artigo de opinião assinado por José Luís Velasco, product manager da Gardenia, sobre os novos hábitos que se cultivaram e enraizaram em tempos de confinamento.

Celebridades

Oprah nem sempre foi Oprah: este é o nome verdadeiro da apresentadora americana

Estamos chocadas!

Comportamento

Como ser mais vulnerável num relacionamento (mesmo que isso a assuste)

O medo da rejeição faz-nos levantar a guarda e, por conseguinte, perdemos coisas boas como a intimidade e a conexão.

Lifestyle

Catarina Alves, arquiteta e designer de interiores, partilha cinco dicas para quando estamos a pensar decorar a nossa casa

A fundadora da CATE, Catarina Alves, partilhou connosco alguns conselhos bem úteis na altura de pensar em decorar a sua casa.

Comportamento

Os principais motivos para ex-casais terem recaídas íntimas logo após o término

Algo muito comum, principalmente logo após o término.

Moda

Que sapatos usar com calças de ganga flare? Temos a resposta

Inspire-se nestes 12 "looks" de influencers internacionais.

Celebridades

Conheça a luxuosa nova mansão de Dwayne Johnson

Faça uma visita guiada à nova propriedade do conhecido ator.

Moda

Vestidos indispensáveis para um verão boho-chic

Estas seis sugestões são a cara da nova temporada.

#ActivaEmCasa

Estes exercícios prometem deixar as suas pernas e abdominais "on fire"

Aqui fica mais um circuito de treino completamente gratuito, preparado e exemplificado por Susana Carromeu, coach do CrossFit Cais.

Beauty Spot

8 eyeliners coloridos para alegrar qualquer maquilhagem

Este é o tema da rubrica Beauty Spot desta semana.