Como é que os portugueses vivem a sexualidade nos dias que correm? A LELO, uma marca sueca de brinquedos eróticos de luxo, conduziu recentemente um estudo que levanta o véu sobre os hábitos da população nacional relativamente ao uso de brinquedos no quarto.

Para começar, de acordo com os resultados, a maioria dos inquiridos (66.13%) consideram que a sua vida sexual se manteve igual durante o último confinamento. Já 15.63% acreditam que melhorou, 10.42% relatam que piorou e 7.82% afirmam que foi inexistente.

No que diz respeito a brinquedos eróticos, 75.42% dos participantes revelam que estes contribuíram para melhorar a satisfação com a vida sexual, sendo que as preferências recaem sobre o Estimulador de Clitóris (27.73%), seguido do Masturbador (20.17%) e do Estimulador Duplo para o clitóris e para o ponto G (17.65%). 

A empresa descobriu ainda que 40.68% dos voluntários usam estes objetos quando estão acompanhados e 25.42% quando estão sozinhos. Os restantes 33.90% têm essas experiências tanto quando estão sozinhos como quando têm companhia.

Um tabu antigo – mas com menos força

Entre os inquiridos, 79.66% considera que o tema “brinquedos eróticos” ainda é considerado tabu, apesar de menos do que antigamente. Um tabu que não intimida os portugueses, uma vez que 71.19% admite não ter receio de que os brinquedos sexuais os substituam nas relações sexuais com os parceiros. Apenas 8.47% mostram alguma apreensão, sendo que 3.39% confessam ter esse medo e 16.95% afirmam que isso nem lhes passa pela cabeça.

À pergunta “Se o seu parceiro/a lhe oferecesse um brinquedo erótico, o que pensaria?”, mais de metade (51.69%) dos participantes responderam que isso seria sinónimo de inovar nas relações sexuais ou que interpretariam a sugestão como um desejo de que desfrutassem ao máximo da sexualidade, seja com um parceiro ou sozinhos (40.68%). Somente 7.63% indicaram que encarariam a proposta como um sinal de que o parceiro está descontente com a relação.

“Assim como outros aspetos da vida, a vida sexual de cada indivíduo pode ser melhorada, quer seja a solo ou com  companheiros. O uso de brinquedos sexuais começa a deixar de ser um tabu, mas ainda existe alguma vergonha em assumir que são ferramentas importantes para melhorar os momentos mais íntimos e aumentar a confiança em explorar mais o corpo e a própria conexão entre os casais. O facto de uma grande percentagem ter indicado que o uso de objetos eróticos melhorou a sua vida sexual é já um excelente passo para a desmistificação deste tema”, concluem os especialistas da LELO.

Palavras-chave

Leia 6 meses GRÁTIS

Este verão assine a ACTIVA, CARAS, CARAS DECORAÇÃO, entre outras publicações do grupo Trust in News, por 1 ano e receba 6 meses de leitura grátis. Conheça todas as opções, incluindo as versões digitais. ASSINAR

Relacionados

Comportamento

Gouinage: o sexo sem penetração que usa todos os sentidos

É possível atingir o clímax só com toques, carícias e tudo o que envolve os preliminares.

Comportamento

As mulheres usam quatro técnicas específicas para aumentar o prazer durante o sexo

Um estudo recente pretende disponibilizar uma linguagem clara e que empodere as mulheres para tornarem o ato sexual mais satisfatório.

Comportamento

9 coisas que acontecem ao corpo (e à mente) quando deixamos de fazer sexo

Do estado de espírito ao risco de doenças, a falta de sexo pode afetar tanto o bem-estar físico quanto o emocional.

Mais no portal

Moda

Esta tendência de swimwear improvável favorece peitos pequenos

Deixamos esta e outras sugestões para valorizar a área nas suas próximas idas à praia.

Saúde

4 bons motivos para começar a comer mais uvas

A sua saúde agradece.

Comportamento

Eis o que fazer quando se sente tentada a mentir

De acordo com uma psicóloga.

Imagem de Sucesso

Dicas para fazer as melhores compras em época de saldos

Este é o tema do novo episódio da rubrica Imagem de Sucesso.

Lifestyle

Estes casinos estão prestes a reabrir

Saiba quando os poderá visitar.

Mulheres Inspiradoras

Condessa D’Edla: a segunda mulher de D. Fernando II, que era artista e não agradava ao povo

A produção de capa da ACTIVA de agosto, protagonizada por Júlia Palha, foi fotografada num chalet conhecido como o "Chalet da Condessa”. Conheça a história desta mulher fascinante.

Saúde

Levantamento das restrições: um teste à eficácia da vacina para a COVID-19

Um artigo de opinião assinado pela Dra. Laura Brum, virologista dos Laboratórios SYNLAB.

Moda

Estes básicos da H&M prometem 'fazer bonito' em qualquer ocasião

Estas sugestões são bonitas, intemporais e surpreendentemente acessíveis.

Celebridades

Este foi o visual de gala preferido de Kate Winslet

A atriz caracterizou o vestido como "uma escultura bordada".

Saúde

O DIU pode causar queda de cabelo?

Saiba se tem alguma relação.

Comportamento

Psicóloga explica como perceber as diferenças entre amor e luxúria

A luxúria pode levar ao amor, mas eles não são a mesma coisa.

Celebridades

Anna Faris casou-se em segredo

A atriz e Michael Barrett namoram desde 2017.