A inclusão e a diversidade são hoje eixos para a competitividade e atratividade das empresas.

A primeira edição do estudo Diversity at Work do ManpowerGroup revela a realidade da comunidade LGBTQI+ nas empresas e mostra como os trabalhadores ainda têm constrangimentos em abordar o tema da orientação sexual e identidade de género em contexto empresarial: apenas 34% dos profissionais portugueses entrevistados e 41% do universo da comunidade LGBTQI+ sente abertura para revelar a sua orientação sexual no seu entorno laboral.

Este valor coloca Portugal a meio da tabela europeia, já que, em polos opostos, estão a Espanha – 48% dos trabalhadores espanhóis afirmam ter abertura para assumirem a sua orientação sexual em contexto laboral – e a República Checa – com 30% dos inquiridos no estudo a partilhar o seu estatuto com os seus colegas.

A orientação sexual e identidade de género nos processos de recrutamento

Assumir ou não a orientação sexual em contexto de entrevista de emprego é ainda um tema não consensual. Em Portugal, 51,89% do total dos inquiridos, quer sejam ou não pertencentes à comunidade LGBTQI+, acreditam ser mais benéfico para o candidato esconder a orientação sexual ao longo de um processo de recrutamento. Este dado cai, porém, no que diz respeito apenas às respostas dos membros da comunidade, sendo que 41,39% têm a mesma convicção. Esta discrepância parece assim revelar um maior preconceito fora da comunidade LGBTQI+.  

Portugal é o segundo país em que mais pessoas acreditam ser este o caminho benéfico para o candidato, com Itália a chegar aos 65,04% a terem essa posição e 49,56% dos membros da comunidade a concordarem. No entanto, são os portugueses quem mais assume já ter ocultado intencionalmente a sua orientação sexual, durante entrevista de emprego, com um valor de 45,58%.

Ainda em contexto laboral, 23% dos trabalhadores nacionais afirmam já ter sido alvo de discriminação numa entrevista de emprego devido à sua orientação sexual, valor apenas ultrapassado por Espanha, onde esta realidade já foi sentida por 24,63% dos respondentes. No polo oposto está a Suíça, com 11,76% dos seus inquiridos a terem-se sentido, no passado, discriminados durante um processo de recrutamento.

Políticas LGBTQI+ e de diversidade são cada vez mais valorizadas

Questionados sobre se a escolha de novas oportunidades de emprego passa também pelas políticas LGBTQI+ existentes em cada organização, 35,98% dos entrevistados em Portugal assumiu que sim. Este valor, que demonstra a importância deste tema para os candidatos, assume-se como o segundo mais elevado em contexto europeu, apenas ultrapassado por Itália, onde 41,31% coloca estas políticas como prioritárias no seu processo de decisão.

Em relação às políticas existentes nas empresas nacionais, atualmente, 26,67% reconhece haver ações direcionadas às mulheres e 17,88% a pessoas com deficiência. 11,73% refere a implementação de programas destinados a profissionais com diferentes etnias e origens e 8,48% a pessoas de idade superior. No intermédio estão 12,7% dos inquiridos, que dizem existir políticas para inclusão da comunidade LGBTQI+ nas organizações onde trabalham. Por último, 20,3% dizem não existirem quaisquer políticas de diversidade nas organizações onde operam, independentemente do seu tipo.

Comportamentos discriminatórios são uma realidade nas empresas nacionais

O estudo conclui que mais de metade dos entrevistados nacionais – 59,52% -, dizem já ter assistido a comportamentos não inclusivos no seu local de trabalho, tais como piadas sobre a comunidade LGBTQI+. Apesar de elevado, este valor é ultrapassado pela realidade italiana e espanhola, onde 62,57% e 63,69% dos trabalhadores, respetivamente, já assistiram a tais incidentes em contexto laboral.  

Mais de sessenta por cento (60,39%) dos entrevistados nacionais dizem inclusivamente que esse comportamento é, normalmente, realizado pelas próprias lideranças, sendo essa a percentagem a mais elevada, quando comparada com os restantes países em análise.

Por outro lado, quando questionados sobre se já testemunharam algum tipo de discriminação na sua empresa relacionada com a orientação sexual, tal como a diferenciação salarial ou a atribuição de promoções, 29,32% dos inquiridos em Portugal responderam afirmativamente. A identidade de género ou orientação sexual já levaram também a que 11,9% fossem vítimas de violência verbal no seu local de trabalho.

Cerca de vinte por cento (20,24%) dos trabalhadores portugueses avançam ainda que a partilha da sua orientação sexual veio limitar as suas oportunidades de carreira, valor que, mesmo assim, é um dos mais baixos entre as realidades em análise, encontrando-se o contexto italiano (29,92%) como o mais preocupante.

No polo oposto, está uma minoria de 7,14% de trabalhadores nacionais que dizem ter sido promovidos após comunicarem a sua orientação sexual, um dos valores mais baixos do estudo no que se refere a este ponto, com apenas a Suíça a apresentar um valor inferior, de 6,17%.

Os benefícios da diversidade e inclusão nas empresas

A maioria dos inquiridos nacionais – 62,35% – consideram que um dos benefícios de assumirem a sua orientação sexual é o aumento da sua produtividade no seu local de trabalho. Este valor é mesmo o mais elevado do estudo, seguindo-se o de 57,75% dos profissionais da República Checa e de Espanha com 50,18%. Em linha, estão 79,22% de todos os inquiridos portugueses e 81,6% dos respondentes LGBTQI+ que consideram que um ambiente de trabalho diverso é mais produtivo.

À semelhança, 85,16% do total dos inquiridos diz que um ambiente de trabalho mais diverso promove a inovação e novas ideias em contexto laboral, sendo que, quando inquirida a comunidade LGBTQI+ sobre o mesmo tópico, o valor alcança os 85,98%.

Impacto dos novos modelos de trabalho

A análise do ManpowerGroup confirma que os novos modelos de trabalho impactam o grau de inclusão no local de trabalho em geral e, em particular, das pessoas LGBTQI+. Assim, quase metade dos inquiridos (47,8%) afirmam ter experimentado, em diferentes graus, uma maior inclusão dentro da empresa. Contudo, parece que assumir a orientação sexual e identidade de género, com estes novos modelos de trabalho, não será tão fácil para as pessoas LGBTQI+: 39% a nível global e 33% em Portugal pensam que será mais difícil mostrar abertamente a sua orientação sexual ou identidade de género num ambiente remoto ou híbrido.

Conclusões globais sobre a diversidade nas empresas

Em contexto europeu, a maioria dos trabalhadores, 63%, acreditam que assumir a orientação sexual ou identidade de género no local de trabalho leva a uma maior produtividade das pessoas LGBTQI+, tornando-se mais comprometidas e inovadoras face à organização. Também fora da comunidade, a diversidade é indicada como um benefício para todos os funcionários: oito em cada dez europeus pensam que ambientes inclusivos promovem ideias inovadoras e também melhores resultados.

Por outro lado, as políticas inclusivas das empresas parecem já ser a prioridade de um em cada três profissionais europeus, que selecionam as suas ofertas de emprego com base nestes programas.

Estas respostas traduzem uma mensagem clara para os empregadores que, neste momento crítico em termos de escassez de talento (60% em Portugal), têm na defesa de uma política de inclusão uma forte uma alavanca para melhorar a capacidade de atração de talento das suas organizações.

Os dados do estudo foram recolhidos através de quase 4800 respostas em 14 países (Áustria, República Checa, Alemanha, Grécia, Hungria, Israel, Itália, Portugal, Romênia, Eslováquia, Espanha, Suíça, Turquia e Reino Unido).

Palavras-chave

Assine a ACTIVA

Deixe-se inspirar, assine a ACTIVA, na sua versão em papel ou digital, a partir de €2,00 a edição. Saiba tudo aqui ASSINAR

Mais no portal

Moda

Conheça a coleção de outono Parfois

Da roupa aos acessórios.

Lifestyle

Perda gestacional e interrupção voluntária da gravidez: este livro fala de ambas

"Camila, meu amor" conta na primeira pessoa a história de Renata Alves Marvão.

Nas Bancas

ACTIVA de outubro: as mulheres que são forças de mudança

A edição deste mês, com Vera Kolodzig na capa, já está nas bancas!

Celebridades

Kate regressa ao trabalho com abordagem fresca à tendência da alfaiataria

Depois de uma pausa de verão, a duquesa de Cambridge retomou os deveres oficiais com uma visita a oficias da Força Aérea Real.

Celebridades

Sofia Vergara celebra o trigésimo aniversário do filho com festa animada

A atriz foi mãe aos 19 anos e Manolo Gonzalez Vergara é o seu único filho.

Celebridades

O motivo para Morgan Freeman usar uma luva na mão esquerda

Muitos pensam que o ator teve a mão amputada ou que se trata de uma afirmação de moda, mas não é o caso.

Celebridades

Os artistas lusófonos que já se apresentaram na plataforma internacional ColorsxStudios

Carolina Deslandes fez manchetes recentemente ao apresentar o novo single "Eco", que homenageia a fadista Amália através do refrão de "Grito", neste palco global.

Moda

Como usar cabedal com estilo e elegância

Com o aproximar da nova temporada, é altura de tirar estas peças da gaveta.

Beleza

Cabelos: conheça as tendências fortes da nova temporada

Dos cortes aos penteados, estas são algumas das apostas fortes para os meses de outono e inverno.

Comportamento

Psicóloga recomenda estratégia de 7 passos para deixar um parceiro controlador

Neste tipo de dinâmica, uma pessoa domina ou participa na intimidação do parceiro. Pode acontecer a qualquer pessoa.

Moda

Ideias de looks casuais que exigem pouco esforço

Inspire-se nestas sugestões!

Beleza

Cabelos espetados nunca mais! Este acessório veio acabar com o problema da eletricidade estática no nosso cabelo

Há um novo acessório para secador de cabelo que elimina o encrespamento