Afinal, não é a perfeição que define o quão cativante é a personalidade de alguém.
@bentheliem

Entanto seres humanos, estamos praticamente configurados para querermos ser valorizados e apreciados pelos outros. De um ponto de vista evolucionário, a popularidade protege-nos. Fazer parte de um grupo ou clã costumava ser necessário para a nossa sobrevivência e, em muitos sentidos, ainda é. A conexão é uma necessidade humana básica. 

Muitas pessoas pensam que só conseguirão cativar os outros se mostrarem apenas o seu seu melhor lado, se não cometerem erros ou se tiverem sempre a coisa certa a dizer em momentos oportunos. Contudo, a Ciência diz o contrário.

O Efeito Pratfall

Afinal, as pessoas que nunca comentem erros são menos cativantes. 

Um psicólogo social chamado Elliot Aronson conduziu uma experiência na década de 1960, na qual os participantes respondiam a perguntas triviais. Aqueles que cometeram um pequeno erro (ao dizerem que entornaram café sobre o fato que vestiam) foram avaliados como mais populares ​​do que aqueles que não o fizeram. No entanto, isto só se verificava nos casos de pessoas que responderam a muitas perguntas triviais corretamente (e, portanto, foram consideradas “superiores” ou competentes), e não nos casos de pessoas que responderam a um número médio de perguntas corretamente.

Este fenómeno, em que o apelo interpessoal muda depois de um indivíduo cometer um erro, dependendo da competência percebida do mesmo, ficou conhecido como o Efeito Pratfall. Ele não só mostra que é bom ser falível, mas também que isso pode ser útil para nós. A vulnerabilidade é cativante. A vulnerabilidade ajuda-nos a estabelecer conexões com outras pessoas, e é provavelmente por isso que contribui para a popularidade. Quando entendemos de onde alguém vem e nos conectamos com essa pessoa, desenvolvemos um vínculo emocional profundo e, no final das contas, gostamos mais dela.

Palavras-chave

Assine a ACTIVA

Deixe-se inspirar, assine a ACTIVA, na sua versão em papel ou digital, a partir de €2,00 a edição. Saiba tudo aqui ASSINAR

Mais no portal

Comportamento

3 motivos para o sexo (por vezes) causar apego emocional

Eis a explicação de uma especialista, mestre em Sexologia.

Saúde

Os testes de ovulação valem mesmo a pena quando se tenta engravidar?

Esta é uma das formas de identificar o período fértil.

Beleza

O que há de novo na maquilhagem que vale a pena descobrir

Para os olhos, lábios e uma pele imaculada.

Celebridades

Ryan Reynolds afasta-se dos ecrãs

O ator anunciou uma pausa na carreira.

Beleza

Saiba como combater e prevenir a queda de cabelo sazonal

Um problema que é muito comum nesta altura do ano.

Beleza

7 passos para cuidar da pele antes de dormir

Uma rotina tão importante quanto a matinal.

Moda

4 peças em cabedal que são must-haves para o outono

E como usá-las.

Saúde

iMM-Laço Hub nasce como uma nova esperança na luta contra o cancro da mama

Com um laboratório focado na investigação em cancro da mama metastático e uma equipa especializada.

Moda

The Bra Stories: uma campanha pela luta contra o cancro da mama

Assinada pela C&A.

Moda

Andreia Dinis lança marca de roupa

Sugar n’Spice Concept é o novo projeto online da ariz.

Lifestyle

Neste hotel, a reserva de duas noites equivale à oferta da terceira

Aproveite uns dias relaxantes no campo.

Moda

À conversa com Diego Sebastian, criador da campanha 'Family Portraits' da Mango

Uma campanha não são apenas fotos bonitas dos produtos de uma marca. A mensagem é muito mais importante porque a forma como nos relacionamos com o mundo é essencialmente emocional. Daí ser curioso conversar com o homem que se esconde por detrás de uma das mais bem sucedidas campanhas da marca espanhola.