Numa altura em que o drama da guerra na Ucrânia marca a atualidade, os adultos tentam processar as notícias avassaladoras que chegam da Europa de Leste. Mas não são os únicos: esta realidade também afeta os mais novos.

Assim sendo, os pais têm de estar prontos para falar com os filhos sobre o conflito armado. Quem o diz é a médica e especialista em parentalidade Deborah Gilboa, sublinhando que o assunto só deve ser abordado se as crianças fizerem perguntas — ou se esta crise implicar diretamente o bem-estar de amigos ou familiares. 

“É melhor envolver crianças dos oito anos para cima”, diz a perita à plataforma TODAY. “Mas, se elas ouvirem falar do tema noutro lugar, é melhor falar com elas em qualquer idade”.

A médica diz ainda que os pais devem tomar algumas decisões antes de falarem com os filhos. “Pense no que quer que eles aprendam. Qual é a mensagem que quer transmitir juntamente com os factos”, recomenda. As mensagens podem consistir em, por exemplo, “A guerra é longe e estamos seguros” ou “A política é realmente muito importante nas vidas das pessoas e temos de votar“.

Eis os conselhos da Dra. Gilboa sobre como é que se explica uma guerra aos mais novos em diferentes faixas etárias:

Infantário — 8 anos

Para as crianças mais novas, Gilboa recomenda dar-lhes informações factuais com, pelo menos, um valor pessoal. A mensagem deve ser curta e clara como, por exemplo: “Há uma guerra longe, onde não há militares portugueses. Estamos seguros, mas é algo sério”.

“Se elas fizerem mais perguntas, responda de forma simples e reforce o seu valor”, acrescenta. Então, se uma criança perguntar “porque é que eles estão a lutar?”, os pais podem dizer “Eles estão a lutar para decidir quem deve estar no poder, mas é longe daqui“.

É primordial que os pais tranquilizem os filhos e mantenham um diálogo aberto. “É muito útil dizer ‘Quando tiveres mais sentimentos sobre o assunto, podes vir falar comigo’. Não ‘se’, mas ‘quando’. O ‘quando’ deixa a porta mais aberta do que o ‘se'”.

Entre os 8 e os 10 anos

Novamente, Gilboa apela a que os pais mantenham a mensagem simples e partilhem uma lição sobre o que é importante para a família. “Pode parecer que na sua vida ou na vida do seu filho a mensagem é sobre segurança ou ser patriota”.

Quando as crianças surpreendem os pais com perguntas sobre a guerra, não há problema se eles não estiverem prontos para abordar a questão. Porém, devem reconhecer que ela foi colocada em cima da mesa e revisitá-la mais tarde. Dizer algo como “Sou a pessoa certa para perguntares isso” ajuda os mais novos a entenderem que os pais são fontes confiáveis.

“Dê espaço a si mesmo para decidir qual é a lição”, aconselha a especialista, acrescentando que embora as perguntas possam apanhar os progenitores de surpresa, também lhes dá uma vantagem: eles sabem o que preocupa a sua prole.“Sabe quais são as respostas que eles procuram”, sublinha.

Estudantes do 2.º e 3.º ciclos

Os pais devem começar por perguntar aos filhos o que é que eles sabem sobre a guerra. Depois, podem responder a perguntas específicas.

“Tendemos a partir do princípio que os nossos filhos se sentem de uma determinada forma e, muitas vezes, estamos errados”, diz a perita. “Isto permite-lhes começar no nível em que estão, em vez de no nível em que pensamos que eles estão”.

Fazer perguntas também permite que os pais instiguem os filhos em relação aos factos. “Podemos corrigir quaisquer ideias erradas”.

Se os pais não souberem a resposta para alguma coisa, devem procurá-la com os filhos. Isto oferece o benefício adicional de mostrar às crianças onde encontrar informações confiáveis ​​e como pensar criticamente sobre as fontes. “Quando os vemos a aprender, fazemos parte do processo e da conversa”.

Estudantes do ensino secundário

Os pais devem começar por perguntar aos adolescentes o que é que eles sabem sobre o conflito atual,  e partilhar o máximo de informação factual possível, sempre com os próprios valores. Mas também devem perguntar-lhes como é que eles se sentem em relação ao assunto e onde consomem informação.

“Os adolescentes sabem o que os adultos pensam sobre o assunto e são influenciados por isso”, diz Gilboa. “Mas também são influenciados por outras pessoas”. Assim sendo, os pais podem ajudá-los a “pensar criticamente sobre onde vão buscar informação e as suas crenças“.

Palavras-chave

Assine a ACTIVA e receba mais 6 meses grátis. Garanta uma boa leitura durante as suas férias e relaxe. Conheça todas as opções e não perca esta oportunidade. ASSINE AQUI

Mais no portal

Mais Notícias

JL 1349

JL 1349

Quando a comida que nos salva também pode ser aquela que nos mata

Quando a comida que nos salva também pode ser aquela que nos mata

7 ideias para este fim de semana, no Grande Porto

7 ideias para este fim de semana, no Grande Porto

Vendas de smartphone na Europa recuam 11%

Vendas de smartphone na Europa recuam 11%

Seca: Câmara de Tondela suspende regas em

Seca: Câmara de Tondela suspende regas em "pequenos espaços" públicos

Exame 460 - Agosto de 2022

Exame 460 - Agosto de 2022

Há uma nova fotografia da filha de Marta Melro e Paulo Vintém

Há uma nova fotografia da filha de Marta Melro e Paulo Vintém

O 'look' de Letizia no festival de cinema de Maiorca

O 'look' de Letizia no festival de cinema de Maiorca

Mês de julho o mais quente dos últimos 92 anos

Mês de julho o mais quente dos últimos 92 anos

Cerca de 33% de 106 artigos analisados por projeto europeu contêm substâncias tóxicas

Cerca de 33% de 106 artigos analisados por projeto europeu contêm substâncias tóxicas

Letizia e Sofía: cumplicidade à vista de todos

Letizia e Sofía: cumplicidade à vista de todos

Vila Real, Bragança e Guarda sob aviso amarelo devido ao calor

Vila Real, Bragança e Guarda sob aviso amarelo devido ao calor

Conduzimos o Nissan Ariya em Estocolmo

Conduzimos o Nissan Ariya em Estocolmo

Espanha: proibido regular o ar condicionado para menos de 27 graus

Espanha: proibido regular o ar condicionado para menos de 27 graus

Tony Carreira visita o pai em dia de aniversário:

Tony Carreira visita o pai em dia de aniversário: "Juntos eternamente nos maus e nos bons momentos"

Investigação: O dono oculto do feudo dos Espírito Santo, a maior herdade vedada do País

Investigação: O dono oculto do feudo dos Espírito Santo, a maior herdade vedada do País

Tony Carreira celebra dia especial ao lado do progenitor

Tony Carreira celebra dia especial ao lado do progenitor

Vítimas de raio na ilha Terceira estáveis e outros com alta hospitalar

Vítimas de raio na ilha Terceira estáveis e outros com alta hospitalar

Princesa Charlotte com 'look' marinheiro

Princesa Charlotte com 'look' marinheiro

Se acha que esta crise é igual às outras, não está a prestar atenção

Se acha que esta crise é igual às outras, não está a prestar atenção

Cata Vassalo e Rita Patrocínio juntas em coleção de joalharia sobre a amizade

Cata Vassalo e Rita Patrocínio juntas em coleção de joalharia sobre a amizade

JL 1350

JL 1350

A internacionalização como meta para os empresários

A internacionalização como meta para os empresários

Terapia do Humor

Terapia do Humor

Monkeypox e varicela: As diferenças entre as duas doenças com sintomas em comum

Monkeypox e varicela: As diferenças entre as duas doenças com sintomas em comum

A Smiley faz 50 anos e está por todo o lado

A Smiley faz 50 anos e está por todo o lado

Os 'truques' que os animais usam para se arrefecerem no verão

Os 'truques' que os animais usam para se arrefecerem no verão

Em

Em "Quero é Viver", Olga e Irene dão à luz no mesmo dia

Jaciara Dias atacada em direto:

Jaciara Dias atacada em direto: "Passa o dia na cozinha, mas não lava a roupa interior"

Conduzimos o Nissan Ariya em Estocolmo

Conduzimos o Nissan Ariya em Estocolmo

"Dias de Sol": sugestões de decoração para aproveitar o verão ao ar livre

Ganha uma consola Nintendo Switch

Ganha uma consola Nintendo Switch

Winamp está de volta

Winamp está de volta

Eduardo Carpinteiro e João Serôdio vencem terceira etapa do Campeonato de Portugal de Novas Energias

Eduardo Carpinteiro e João Serôdio vencem terceira etapa do Campeonato de Portugal de Novas Energias

A diversidade importa

A diversidade importa

Restaurantes a sul: 17 mesas para petiscar, de Sines a Vila Real de Santo António

Restaurantes a sul: 17 mesas para petiscar, de Sines a Vila Real de Santo António

O festival de Almada e os 30 anos de Vila do Conde

O festival de Almada e os 30 anos de Vila do Conde

Valor artístico

Valor artístico

Vencedores do passatempo 'DC Liga dos Super Pets'

Vencedores do passatempo 'DC Liga dos Super Pets'

Os vestidos de verão de Leonor e Sofia

Os vestidos de verão de Leonor e Sofia

VISÃO Se7e: Restaurantes a sul, bons filmes e o melhor tomate do mundo

VISÃO Se7e: Restaurantes a sul, bons filmes e o melhor tomate do mundo

Turista nacional é o primeiro caso de Monkeypox nos Açores

Turista nacional é o primeiro caso de Monkeypox nos Açores