@elitedaily

Voltámos a casa. Voltámos às experiências culinárias, às séries sem parar, às conversas por videochamada e às rotinas de exercício físico. Ou não. Este período de confinamento está a ser mais duro do que o outro – talvez por já termos tido um cheirinho de liberdade – e começam a faltar-me as ideias.

Dei por mim a pensar que, lá para finais de março ou inícios de abril de 2020, a motivação era outra. Experimentei várias receitas diferentes, mantive-me fiel ao compromisso de continuar ativa e, no geral, consegui distrair-me mais. Agora, parece que já não me sei distrair tão bem.

Mas se os hobbies me vão falhando, ao mesmo tempo há algo que parece ter um efeito de relaxamento imediato: comprar roupa (que superficial!). Não falo de um vício obsessivo ou de uma prática insustentável. Falo de comprarmos, consoante as nossas possibilidades, peças que saibamos que nos façam sentir bem.

E a verdade é que, se comprei recentemente alguns conjuntos confortáveis para vestir por casa, também escolhi várias peças que sei que não vou usar nos próximos meses. Falo de vestidos, de camisolas exterior-friendly (nem sei se este termo existe), botas ou mesmo calças de ganga.

Foram compras conscientes. Mas porquê? Bom, cada um lida com o stress gerado pelo confinamento de formas bastante diferentes. Eu percebi que ter roupa por estrear me dá alguma segurança – afinal, há-de chegar o dia em que as poderei usar – e um certo entusiasmo – típico de quem quer usar algo novo.

É claro que este é um hábito que pode não funcionar com todos. Mas como em qualquer coisa que façamos, é impossível chegar a todo mundo de igual forma. Se é algo superficial? Talvez. Mas tempos incertos exigem técnicas inusitadas. E esta não nos impede de ler, de ver filmes ou mesmo de investir na nossa formação também.

Por isso, se puderem, comprem aquela peça, mesmo sabendo que só a vão usar daqui a um tempinho. Planeiem como a vão usar e em que circunstâncias. Talvez o tempo custe menos a passar. E, se isto não funcionar, não deixem de procurar algo que vos faça bem.

Consumam cultura, consumam notícias, consumam gastronomia, consumam o que quer que seja que torne a situação que vivemos mais aceitável. Porque cuidar na nossa saúde mental deve ser sempre uma prioridade. Afinal, estamos todos no mesmo barco – e este nem sempre é o mais equilibrado.

Palavras-chave

Assine a ACTIVA

ASSINE AGORA A REVISTA ACTIVA COM OFERTA ISDIN. DEIXE-SE INSPIRAR. Saiba tudo aqui. ASSINAR

Mais no portal

Imagem de Sucesso

Como atualizar o guarda-roupa de acordo com as tendências das passarelas

Este é o tema do novo episódio da rubrica Imagem de Sucesso.

Moda

Cachecóis Maxi: a aposta da Parfois para o inverno

Conheça algumas sugestões da marca.

Saúde

Devemos lavar os dentes antes ou depois do pequeno-almoço?

Entenda qual a prática mais benéfica.

Saúde

4 vilões na alimentação que pioram os sintomas da TPM

Saiba o que evitar nessa altura do mês.

Beleza

Risco ao meio ou de lado? A melhor opção para cada formato de rosto

A forma como reparte o cabelo pode mudar muito o seu visual - num cenário ideal, sempre para melhor. Saiba como valorizar os seus traços.

Lifestyle

Escolas portuguesas ganham um novo brilho este Natal

Graças à Make-A-Wish.

Comportamento

É amor romântico ou platónico? Saiba o que distingue os conceitos

Tendemos a associar a palavra 'relacionamento' a um envolvimento romântico, mas a expressão pode descrever qualquer tipo de ligação interpessoal.

Moda

Os melhores sapatos para usar nos meses de outono e inverno

Inspire-se nestas sugestões.

Beleza

Os melhores vernizes nude para cada tom de pele

Esta é a escolha ideal para quem gosta de estéticas minimalistas.

Moda

Estes visuais provam que as cores neutras estão longe de ser aborrecidas

Inspire-se para os seus "looks" de outono/inverno.

Lifestyle

Esta é a série de animação que pode ajudar os seus filhos a comer melhor

Depois de conquistar mais de meio milhão de alunos nas escolas em Portugal, o projeto de educação para a saúde, Heróis da Fruta, chega agora ao pequeno ecrã