@kaleycuoco

Ora mal, esta é uma rubrica de bem-estar, é certo. Mas nenhum compromisso ou projeto a longo prazo vem sem alguns altos e baixos. E este artigo insere-se neste último grupo. Porquê? Porque tenho tido demasiado tempo com os meus pensamentos – o que se traduz em menos tempo dedicado a algo que me faça realmente bem.

Dei por mim a pensar no quanto mudei desde o ano passado. E sei que não sou a única, por algumas conversas que tenho tido. Mas é, de facto, impressionante, como a nossa motivação e atitude perante os desafios pode dar uma volta tão grande em “apenas” 365 dias, mais coisa, menos coisa.

Durante o primeiro confinamento, experimentei receitas novas, consegui a minha melhor rotina e forma física desde há muito tempo, vi séries, vi filmes, li, fiz vídeos para o TikTok (chamem-lhe terapia, se quiserem) e, sobretudo, quase não dei pelo tempo passar. Desta vez, dediquei-me afincadamente a dar conversa ao que a minha mente tem para dizer.

Acreditem, não é extremamente agradável. Se já sou ansiosa por natureza, este segundo confinamento – e a aparente ausência de uma data para podermos voltar a beber um café de máquina – fez-me regredir. Rotina de exercício? Receitas novas? Filmes? Parece que nada é o que era – ou melhor, tudo está igual, menos a minha motivação.

Culpo os dias sem sol, o frio, a tragédia de novos casos de covid-19 a que assistimos no início do ano e culpo-me a mim. Mas não demasiado – afinal, ninguém é de ferro. E está tudo bem em cair de vez em quando, desde que não nos deixemos ficar por lá demasiado tempo.

Para quê todo este discurso? Em parte, para me motivar – afinal, estou a descrever uma pessoa que não reconheço e da qual não gosto assim tanto -, mas também, e sobretudo, para reforçar o facto de termos o direito a não estar bem, a aceitá-lo e, assim que estivermos prontas, a voltar à luta.

Um conselho de amiga: escrevam sobre o que sentem. Eu acabei de o fazer e não poderia ter levado uma maior chapada. Temos de começar por algum lado, quando se trata de qualquer mudança. Um pequeno passo ainda é um passo e deve ser valorizado. Este foi o meu.

Aquilo que vivemos não vai ser alterado da noite para o dia mas, pelo menos, já conseguimos ver uma pequena luz ao fundo do túnel. E se nada mais funcionar, que essa seja a nossa motivação. Que venha a primavera e, com ela, a vontade de sermos melhores para nós, por nós.

Palavras-chave

Mais no portal

Beauty Spot

As melhores técnicas e produtos para fazer sardas falsas

A rubrica Beauty Spot desta semana é dedicada a esta tendência divertida, que combina na perfeição com visuais mais naturais de maquilhagem.

É só uma sugestão

Falar de Livros: "D.A.D. - Desempregado, Artista, Dona de Casa" é um retrato humorista da vida de um pai

Um livro de Alexandre Esgaio publicado pela Suma de Letras.

Moda

Olivia Wilde elege sobretudo acessível para se proteger do frio em Londres

Não sabíamos que precisávamos de um sobretudo azul... até vermos um dos visuais mais recentes da atriz.

Comportamento

3 formas de manter a conta bancária emocional do seu relacionamento com saldo positivo

Este conceito está diretamente relacionado com a forma como os casais gerem discussões de conflito.

#ActivaEmCasa

Braços e pernas: cinco exercícios para maior definição muscular

Aqui fica mais um circuito de treino completamente gratuito, preparado e exemplificado por Susana Carromeu, coach do CrossFit Cais.

Beleza

Cabelo: Os produtos que temos de experimentar

Conhece as novidades mais recentes? Para fortalecer, dar brilhou ou obter o styling perfeito.

Moda

Inspire-se no que há de novo nestas marcas de moda populares

A nova estação traz muitas novidades e estas marcas dão o mote para o que vamos querer usar nos dias quentes.

Exclusivo
Beleza

Bárbara Corby: "Considero que a beleza vem de dentro"

A influencer é o novo rosto da Vichy em Portugal, depois de ter sido embaixadora digita da marca durante algum tempo. Em conversa com a ACTIVA falou sobre o novo papel e a a relação que tem com o mundo da beleza.

Imagem de Sucesso

Como usar o cinto para modernizar looks e valorizar a silhueta

Quer seja fino, grosso, de metal ou de couro, o cinto pode ser um grande aliado para no que toca ao styling.

Mulheres Inspiradoras

Joana Pessoa: um novo fado

É fadista desde os 15 anos, mas isso está longe de resumir a sua vida. Estivemos à conversa sobre escolhas, caminhos, filhos, divórcio, destino, amor, velhice, para voltarmos ao fado e fecharmos o círculo. Levei-lhe quase quatro horas de vida. É o que dá conversar com uma das mulheres mais interessantes que já entrevistei.

Comportamento

Existem quatro tipos de vinculação num relacionamento - saiba qual é o seu

Este tipo de apego é construído na infância e pode acabar por ter repercussões na vida adulta.