@amebeverly

Vivemos numa época de grandes lutas e mudanças. Ou, pelo menos, pequenos grandes passos para as atingir. Desde as preocupações ambientais à luta pela igualdade de género, é inegável o destaque dado a tantos temas que, durante muito tempo, apenas eram debatidos à mesa (e não em todas as mesas).

Neste sentido, é impossível ignorar a importância das redes sociais. Termos acesso praticamente ilimitado a plataformas como o Instagram, o Twitter, o Facebook – entre tantas outras – tanto pesa para o lado bom como para o lado mau da balança. Mas, no que toca aos assuntos que realmente importam, são, sem dúvida, uma das melhores (se não “a melhor”) formas de atingir grandes audiências.

Isto para dizer que são, sobretudo, as gerações mais jovens que fazem parte destas lutas – até porque acompanharam o aparecimento e crescimento de muitas destas plataformas. Ainda assim, continuam, em muitos temas – desde o emprego às relações -, a ser vistos como “crianças” e, frequentemente, “irresponsáveis” (de uma forma muito geral, claro, mas acontece).

Ora, a verdade é que não me choca absolutamente nada que um recente estudo realizado na América tenha mostrado que os casais mais jovens que sobem ao altar têm permanecido casados. Philip N. Cohen mostrou que as taxas de divórcio entre os mais novos são baixas – contra as expectativas de todos aqueles que, com certeza, os acharam “irresponsáveis” por dizer o “sim” tão cedo.

A explicação parece-me simples: a nossa geração assistiu à dominância dos divórcios entre os pais ou os tios. Tivemos tempo de perceber aquilo que não queríamos que acontecesse connosco. Por outro lado, e novamente, as redes sociais. O acesso a estas – e também a aplicações de encontros – permite-nos ir percebendo aquilo de que gostamos e aquilo que, definitivamente, não é para nós.

Conseguimos, hoje, conversar com alguém sem nunca ter estado presencialmente com a pessoa – e, depois, decidir se gostaríamos de a conhecer melhor ou não. Conseguimos marcar um encontro com alguém – e, depois, decidir se o queremos repetir ou não. Conseguimos, no fundo, de forma mais facilitada do que nunca, definir aquilo que pretendemos numa relação.

E isto leva-me à minha conclusão: quando os mais jovens escolhem manter uma relação com alguém, quando se comprometem, já tiveram, na maioria dos casos, experiências que as levaram a definir o tipo de relação que querem. Acredito que, quando fazemos um compromisso assim, é porque vemos no outro o potencial de nos tornar melhores, de nos fazer pessoas mais felizes.

Os ditos millenials sabem que ninguém é perfeito – mas também sabem que, para qualquer relação dar certo, é preciso aprender a navegar entre as águas mais agitadas, em vez de deixar o barco afundar. Somos mais resilientes, conscientes e responsáveis do que muitos mais velhos nos querem fazer parecer. Uma vez mais, generalizo – mas porque acredito verdadeiramente que somos uma maioria (ou então tenho a sorte de conhecer os millenials mais terra à terra de todos os millenials).

A nossa luta é constante – queremos provar que somos mais, que somos capazes, que não somos assim tão inconscientes e que podemos mudar o mundo aos poucos. Mas nem sempre nos dão o devido crédito. O lado bom é que evitamos aceitar um não e continuamos a lutar pelo que queremos e acreditamos. Que venham mais estudos, pesquisas que provem aquilo que valemos. Para já, estamos a vingar nas relações. E então?

Palavras-chave

Mais no portal

Beleza

Saiba como conseguir pestanas de boneca sem usar extensões

Estes três truques vão deixá-las longas e volumosas.

Saúde

Os motivos para os vinhos naturais não causarem ressacas tão severas

Saiba se esta é a opção que faz mais sentido para si.

Comportamento

6 padrões de pensamento que pioram a ansiedade (e como combatê-los)

Aqui ficam as recomendações de um especialista.

Moda

20 vestidos de verão abaixo dos 50 euros que seguem as últimas tendências

Não há como falhar com estes modelos no seu armário cápsula de verão.

Saúde

É normal perder o apetite durante a menstruação? A resposta de uma especialista

A explicação resume-se a três pontos.

Comportamento

5 sinais de que está num relacionamento com potencial para dar certo

De acordo com um psicólogo, estas são as características de casais com relações bem-sucedidas a longo prazo.

Body Shaper

Os tratamentos caseiros indispensáveis em qualquer 'operação biquíni'

O novo episódio da rubrica Body Shaper conta com três sugestões muito simples e eficazes.

Moda

É possível recriar o estilo de Katie Holmes por menos de 30 euros

A atriz usou um top em crochê que tem um preço bastante acessível e ainda está disponível na loja online da marca.

Beleza

"Pre-poo": os grandes benefícios deste tratamento para cabelos crespos

E para todos os tipos de caracóis, que estão sempre sedentos de hidratação.

#VozActiva

Isabela Valadeiro: "Se não salvarmos os oceanos, não há futuro"

A nossa protagonista de julho fala sobre a relação com o mar e da necessidade de preservarmosos oceanos no #VozActiva deste mês.

Moda

Descobrimos onde pode comprar um casaco desportivo igualzinho ao de Bella Hadid

A modelo rendeu-se a uma criação que custa menos de 50 euros.

Comportamento

5 hábitos de bons ouvintes - e como eles podem melhorar relações

Pode parecer simples e intuitivo mas ouvir (mesmo) outra pessoa requer um esforço sincero e muita prática.