A morte da mãe e o papel desempenhado pelos tabloides no fim trágico de Diana sempre assombrou Harry. Por isso, quando casou com Meghan, sempre foi conhecida a sua determinação em não consentir que também ela fosse acossada por manchetes sensacionalistas. Meghan não escapou ao fogo cruzado quando se juntou à família real e, dois anos depois do casamento, o filho mais novo do príncipe Carlos tomou a decisão de abandonar o barco. Leia-se: o estatuto especial que lhe vinha de ser considerado um membro sénior da mesma, como títulos, patronatos e um valor que recebia dos contribuintes britânicos. Uma decisão compreensível, face à exposição a que os Duques de Sussex estavam sujeitos.

Daí ser de espantar as contradições em que Harry se lançou desde então, na sua nova vida na Califórnia. O príncipe, que não queria alimentar notícias sobre si e a sua família, é aquele que lança a primeira pedra. Não estou a colocar em causa a veracidade do que foi dito na entrevista de Meghan e Harry a Oprah Winfrey. Nem que a casa real britânica sofre de anacronismo crónico. Porém, no meio de todas as confissões, parece-me que o jogo não foi justo.

Durante o processo de afastamento dos duques da família real – e mesmo antes disso – a família real fez aquilo em que é perita: remeter-se ao silêncio. Esta é uma norma de conduta pela qual se pauta: os assuntos que vão além dos seus deveres reais, são resolvidos (ou não resolvidos) em família. Os tabloides alimentam-se de ‘fontes próximas’, às quais têm de ser dada a merecida desconfiança. Isabel II, Philip, Carlos ou William nada dizem, nada disseram sobre os muitos temas que vieram a praça pública: que Meghan era despótica com os seus funcionários, que maltratara Kate nos preparativos do casamento, que afastara o marido do irmão. Porém, Harry e Meghan, que tomaram a sua decisão em liberdade, sem que fosse seguida por uma demonstração pública de repúdio do resto da família, tomaram a iniciativa de lavar a roupa suja numa entrevista televisiva, a uma megaestrela como Oprah,  frente a uma audiência de 20 milhões de pessoas. Discretos, portanto.

Meghan e Harry comentaram a zanga com Kate, a incompreensão sobre o estado da saúde mental da duquesa, os telefonemas que Carlos deixou de atender ao filho ou as desculpas de Isabel II para não ver o neto. Pior ainda: quando enveredaram por alguns temas graves, não foram claros. Foi referido um comentário racista feito por alguém da família sobre qual seria a cor da pele do filho dos duques, mas Harry negou-se a identificar quem tinha feito tal afirmação. Parece-me que esse silêncio é ainda mais danoso porque levanta suspeitas sobre todos. Caso para dizer, se não fosse para ir até ao fim da sua revelação bombástica, que ficasse calado. O mesmo aconteceu quando se queixaram de que Archie, não tinha recebido o título de príncipe de Isabel II, mas, de forma meio atarantada, disserem desconhecer quais as razões.  Estranho será se os duques não tiverem a sua interpretação dos factos e seria mais coerente terem-na exposto, em vez de deixarem nas entrelinhas que era novamente uma questão de racismo. Incongruente é preocuparem-se com o facto de Archie não ser príncipe, quando optaram por virar as costas a esse mundo.

Meghan e Harry expuseram-se aos olhos de milhões de espetadores durante duas horas, eles, que tinham fugido à devassa da sua vida privada e procurado a ‘normalidade’ na solarenga Califórnia. Tudo numa sucessão de confissões, queixas e lamentos, que nada parecem acrescentar à sua felicidade a não ser o intuito bem claro de prejudicar a família real, ou seja, a família de Harry. Porque, no final, foi isso que acontece e parece-me que o duque de Sussex e a mulher não são assim tão ingénuos ao ponto de não perceberem que seriam os avós do príncipe, o seu pai e o seu irmão o alvo da fúria. A contestação à monarquia deve ser realizada numa base política e democrática. Fazê-lo por causa de quezílias domésticas parece-me desnecessário e mesquinho.

Racismo, preconceito, intolerância são questões imperdoáveis. Porém, se os duques de Sussex – que continuam a usar o título – querem de facto viver uma vida normal, longe dos holofotes, porquê a necessidade de virem a público expor o que se passa na família real? Se for a nossa família a ter atitudes com as quais não compactuamos, podemos agir em consonância com a nossa consciência, mas não precisamos de ir para o meio de estranhos falar desses temas para que todo o mundo saiba. Quer dizer, poder, podemos, mas não fica bem quando somos apologistas da privacidade.

O que Oprah se esqueceu de perguntar a Harry e Meghan é como explicam esta contradição. Eu, pelo menos, gostava de saber a resposta.

Palavras-chave

Mais no portal

Beauty Spot

As melhores técnicas e produtos para fazer sardas falsas

A rubrica Beauty Spot desta semana é dedicada a esta tendência divertida, que combina na perfeição com visuais mais naturais de maquilhagem.

É só uma sugestão

Falar de Livros: "D.A.D. - Desempregado, Artista, Dona de Casa" é um retrato humorista da vida de um pai

Um livro de Alexandre Esgaio publicado pela Suma de Letras.

Moda

Olivia Wilde elege sobretudo acessível para se proteger do frio em Londres

Não sabíamos que precisávamos de um sobretudo azul... até vermos um dos visuais mais recentes da atriz.

Comportamento

3 formas de manter a conta bancária emocional do seu relacionamento com saldo positivo

Este conceito está diretamente relacionado com a forma como os casais gerem discussões de conflito.

#ActivaEmCasa

Braços e pernas: cinco exercícios para maior definição muscular

Aqui fica mais um circuito de treino completamente gratuito, preparado e exemplificado por Susana Carromeu, coach do CrossFit Cais.

Beleza

Cabelo: Os produtos que temos de experimentar

Conhece as novidades mais recentes? Para fortalecer, dar brilhou ou obter o styling perfeito.

Moda

Inspire-se no que há de novo nestas marcas de moda populares

A nova estação traz muitas novidades e estas marcas dão o mote para o que vamos querer usar nos dias quentes.

Exclusivo
Beleza

Bárbara Corby: "Considero que a beleza vem de dentro"

A influencer é o novo rosto da Vichy em Portugal, depois de ter sido embaixadora digita da marca durante algum tempo. Em conversa com a ACTIVA falou sobre o novo papel e a a relação que tem com o mundo da beleza.

Imagem de Sucesso

Como usar o cinto para modernizar looks e valorizar a silhueta

Quer seja fino, grosso, de metal ou de couro, o cinto pode ser um grande aliado para no que toca ao styling.

Mulheres Inspiradoras

Joana Pessoa: um novo fado

É fadista desde os 15 anos, mas isso está longe de resumir a sua vida. Estivemos à conversa sobre escolhas, caminhos, filhos, divórcio, destino, amor, velhice, para voltarmos ao fado e fecharmos o círculo. Levei-lhe quase quatro horas de vida. É o que dá conversar com uma das mulheres mais interessantes que já entrevistei.

Comportamento

Existem quatro tipos de vinculação num relacionamento - saiba qual é o seu

Este tipo de apego é construído na infância e pode acabar por ter repercussões na vida adulta.