Diante do relato de Sofia Arruda sobre o assédio sexual que sofreu, apanhei-me a pensar o que faria se vivesse uma situação parecida. Cheguei à conclusão que provavelmente não denunciaria já – porque teria medo de perder o meu emprego,das críticas que receberia, de ser descredibilizada, do julgamento. Mas também porque um episódio tão flagrante como o descrito pela Sofia e por tantas outras mulheres que vieram a público denunciar o que sofreram, são reflexo de um sistema que faz do assédio algo normal. E talvez é isso que precise mudar primeiro.

Gosto muito do projeto “#That’s Harrassment”, uma série de vídeos produzidos em 2018 realizados por Sigal Avin, da série “Losing Alice”. Nestes filmes curtos de cerca de 5 minutos, situações bastante frequentes são retratadas nos mais diferentes ambientes – um consultório médico, uma sessão fotográfica, uma reunião com um chefe. Situações que já podem ter acontecido a muitas de nós.

Cena da série #That’s Harrasment – Episódio “The Boss”

Arrisco-me dizer que quase todas as mulheres já viveram uma situação de assédio no ambiente de trabalho. Mas não esse assédio descarado – um convite para jantar inapropriado, uma aproximação numa sala de reuniões, uma ameaça no caso de rejeição. É que desde sempre há comportamentos sistemáticos que são minimizados, mascarados como se fossem piada, ou justificados como “é o meu jeito”.

Por exemplo: Não faça piadas sobre os corpos das mulheres; não comente a roupa da sua colega de trabalho – principalmente se o comentário envolver decotes, peças justas ou curtas; não elogie a sua aparência física para além do que diria à sua mãe ou filha; não toque nela quando estiver a falar; não pegue na cintura dela para pedir licença para passar por um corredor; não diga que o escritório está mais bonito com a presença dela; não diga que só vai fazer algo se ela pedir com carinho; não diga piropos. 

“Ela sabe que não estou a falar a sério”

“Estou só a brincar, ela sabe que não estou a falar a sério”. Será que a brincadeira está a divertir os dois? É que pode ser bastante difícil para alguém responder ou negar certas aproximações em ambiente de trabalho, principalmente porque ninguém quer piorar a situação. Já ouvi de muitas amigas e identifico-me: Quando estamos desconfortáveis a nossa primeira reação é quebrar o clima ruim ao mudar de assunto, ou com um sorriso. Se a sua colega não riu da sua piada, fez uma expressão de desagrado ou desconforto quando ouviu o seu elogio, afastou-se no momento em que foi tocada, é porque estes comportamentos não devem ser repetidos. 

Há quem diga que já perguntou se aquilo a incomodava, e ela disse que não. Um chefe chamar uma colaboradora numa sala de reuniões e perguntá-la se acha que está a ser assediada não vale; um colega do mesmo nível hierárquico dizer em público: “Sabes que estou a brincar, certo?” também não vale. 

Cena da série #That’s Harrasment – Episódio “The Coworker”

“Então não posso mais fazer nada que já é assédio?”

Já prevejo pessoas a pensarem: “Então não posso mais fazer nada que já é assédio?”. Mas, afinal, há muitas coisas que podem ser feitas para manter um ambiente de trabalho saudável. Respeitar a sua colega de trabalho; elogiar as suas competências profissionais; ser educado e dizer bom dia, boa tarde, por favor e obrigado; segurar a porta para ela – e deixá-la segurar a porta para os colegas homens também; conversar sobre temas de trabalho e da atualidade (ou privados se a relação assim permitir); tratar as mulheres do escritório como iguais. 

Este novo movimento #metoo em Portugal está a gerar muitas opiniões. Há quem diga que é inútil se os nomes dos assediadores não forem revelados, há quem ache que é um primeiro passo para se transformarem as coisas no país. Sem dúvida que as vítimas são neste momento protagonistas, denunciam para trazer o tema à tona e gerar discussão. Mas os homens e as mulheres em posições de poder, e todos aqueles que são potenciais assediadores, também têm um papel importante. Para estes é tempo de ouvir, refletir e considerar mudar de atitudes.

Palavras-chave

Assine a ACTIVA

Assine a ACTIVA e deixe-se inspirar com a oferta que preparámos a pensar em si. ASSINAR

Relacionados

Sem Filtros

A sua viagem para as Maldivas não é fruto (só) do seu trabalho

Precisamos reconhecer que acreditar que chegámos ao sucesso por mérito é diminuir o trabalho do outro.

Sem Filtros

Aos 15 anos achava que aos 30 teria a vida resolvida. Tenho 29, e agora?

Ser uma millennial é ter os planos constantemente adiados.

Sem Filtros

A personalidade de Ljubomir Stanisic não justifica sexismo na televisão

"Hell's Kitchen" pode ser um bom programa, mas passa do ponto ao promover os comentários machistas do chef.

Mais no portal

Beleza

12 manicures festivas para entrar no espírito de dezembro

Dos metálicos aos clássicos sazonais, aqui ficam 15 ideias de nail art

Moda

Styling: como usar lenços e cachecóis nos meses frios

Aqui ficam algumas ideias.

Saúde

5 sintomas que indicam que tem dormido mal

Segundo um psiquiatra.

Moda

Moda: Maray e B.Simple juntas na mesma loja

E a assinalar a abertura, foi lançada uma coleção cápsula.

Comportamento

6 sinais que indicam que sofre com ansiedade mesmo sem se aperceber

Explicados por um especialista.

Saúde

Este superalimento é um poderoso aliado na recuperação pós-treino

Uma nutricionista explica quais são os principais benefícios.

Lifestyle

Loewe abre a sua primeira Casa em Lisboa

Um espaço em que a moda e a Arte se fundem.

Comportamento

É nisto que as pessoas reparam no estilo pessoal dos outros

Uma especialista explica como ser lembrada pela moda e não pela extravagância.

Beleza

Eyeliner: Três passos para um olho definido na perfeição

Acabaram-se os 'borrões'!

Moda

Formal sem ser aborrecido? A Zara tem o vestido perfeito

De tom verde.

Comportamento

5 formas de lidar com pessoas que a deixam stressada

De acordo com uma professora universitária de Ciências Psicológicas e do Cérebro.

Beleza

7 eyeliners com glitter incríveis para criar maquilhagens festivas

Conheça as nossas sugestões.