Era um desejo antigo que agora foi concretizado. Desde sempre que quis saber qual seria a sensação de estar lá em cima, no céu, e sabia que a experiência mais próxima de voar livremente seria fazer um salto de paraquedas. Então era mesmo isso que tinha de fazer!

Falei com amigos, descobri quem também tinha esta curiosidade e juntos procurámos locais em Portugal onde colocar a vontade em prática. Escolhemos a Escola e Centro de Paraquedismo do Aeródromo de Évora devido à maior proximidade com Lisboa, onde moramos (existem mais escolas em Portugal com este tipo de ofertas e serviços). 

Encarreguei-me de entrar em contacto com a empresa, que muito rapidamente tratou da reserva. Pouco tempo após ter desligado a chamada já estava a receber mail com confirmação da data escolhida, informações do salto escolhido (5 mil metros, o mais alto da lista. Porque se é para ser, que seja o maior!), recomendações e ainda uma lista de segurança.

Antes do salto

Acordar cedo e fazer a viagem até Évora. Apesar de há muito desejar viver esta experiência, não posso negar: estava nervosa! Saber que em poucas horas iria estar em queda livre fazia-me pensar se realmente estava a fazer boas escolhas para a minha integridade física. 

Truques para afastar o nervosismo: ter confiança na empresa (Afinal, fazem isto todos os dias há anos), recordar as pessoas que conheço que já saltaram de paraquedas (Se eles sobreviveram sãos e salvos o mesmo vai acontecer comigo), conversar com quem me acompanhava nesta aventura (O que achaste daquela nova série? Quando vamos experimentar aquele restaurante?) e começar a pensar na cor do fato que iríamos escolher no aeródramo quando chegasse o momento (O amarelo é meu! Mais ninguém escolhe).

Quando nos aproximamos do aeródromo uma surpresa: no céu começamos a ver paraquedas brancos. Um grupo tinha acabado de saltar e estava agora a planar no céu de Évora. O plano torna-se real e ali está a prova de que vai mesmo a acontecer! Risos de nervosismo surgem no carro.

Chegamos à Escola e Centro de Paraquedismo, estacionamos o carro e vamos ao hangar, bem identificado com o logo da empresa. Na recepção, a nossa reserva é confirmada e são entregues formulários para preenchermos (Que entusiasmo ver um secção para contacto de emergência! Mentira). Papéis preenchidos, entregues, valor em falta pago. “Ok. Podem ir agora ter com o instrutor”. Como assim? Sem tempo para respirar fundo? Isso mesmo. 

O primeiro instrutor a que somos apresentados recebe o grupo com boa disposição. Aliás, sente-se um ótimo ambiente em toda a equipa. Indica-nos que temos de guardar os pertences em cacifos, pede para escolhermos o fato que vamos usar na experiência (Já tinha dito: amarelo para mim, por favor) e uns óculos (Azul vai combinar com o fato, não vai?). De seguida, coloca em cada elemento de principiantes (Nós!) o equipamente de segurança que nos vai deixar agarrados aos intrutores que nos vão acompanhar no salto (Nem vou tocar para não estragar!).

É hora do briefing. Outro instrutor chega e explica o que vai acontecer dali para a frente. Passo a passo, fala-nos de cada momento e das (poucas) preocupações que precisamos de ter. Como vamos sair do avião, em que situação abrimos os braços ou como vai ser a aterragem. Alguém tem dúvidas? É hora de ir para o avião!

Já no ar!

Conheço o instrutor que me vai acompanhar. Conversamos sobre expetativas, sobre a experiência que ele tem. Reocrda-me alguns pontos falados no briefing e começa a encaminhar-me para dentro do avião. 

Quando dou por mim, estou sentada num banco comprido onde todas as pessoas que vão saltar se juntam. Além dos meus amigos, vai ainda um casal e um grupo de alunos que se prepara para realizar saltos a solo. O avião descola e começa a subir. Pela janela, observo a paisagem. Ver a altitude a aumentar poderia aumentar o nervosismo, mas a verdade é que me distrai. A vista é linda. 

O instrutor que me acompanha vai falando comigo e pergunta várias vezes como me estou a sentir. “Estou bem”. O avião sobe mais e chega à altitude em que as primeiras pessoas vão saltar. Vou admitir: aqui tive o meu pico de nervosismo e de dúvida. Ver as primeiras pessoas a saírem do avião fez-me sentir o meu próprio estômago a dar uma volta. Eram pessoas que estavam a cair de uma grande altitude, que, de um momento para o outro ficavam sem chão. E eu ia a seguir. 

Digo ao meu instrutor. “Agora sim estou nervosa”. Ela explica-me que é normal, quer ver as primeiras pessoas a saírem nos faz perceber que o salto vai mesmo a acontecer. Depois, fala-me dos anos de experiência que tem, dos muitos saltos que faz diariamente. “Este é o meu sexto de hoje”. Acalmei. Fiquei com a certeza de que as emoções podiam ser fortes, mas que iria ficar tudo bem.

O Salto

É agora. Como me foi indicado. Começo a deslizar pelo banco, em direção à porta. Faço respirações profundas, olho a direito e procuro os muitos pensamentos que me passam na cabeça. Coloco os joelhos no chão e deixo o instrutor comandar os movimentos. Decido que não vou olhar para baixo, sempre em frente. Mantenho a respiração controlada.

Tal como me tinha sido pedido, assim que estou prestes a sair do avião coloco a cabeça para cima. É então que acontece. De repente já não tenho chão. Estou fora do avião. No ar. 

Uma batida mais forte no coração. A sensação de queda. A velocidade a aumentar. Um grito a formar-se cá dentro mas que não sai. Pressão na zona das mãos, que seguram o arnês (o único ponto que me dá uma sensação de controlo). Atenção à respiração pois de repente surgem dúvidas sobre como se inspira. Um misto de sensações de alerta que duram apenas poucos segundo. Quatro ou cinco segundos. Pois é então que surge algo inesperado: serenidade.

 A sensação de que se está a cair desaparece. Se não fosse o vento forte a bater em todo o corpo nem perceberia que o corpo está em movimento numa velocidade aproximadamente de 200 km/h. “É porque atingimos uma velocidade estável”, explica-me o intrutor já no chão, quando o interrogo sobre essa sensação. É-me permitido abrir os braços. Altura de desfrutar. 

Deixo-me encantar pela sensação de estar no ar, delicio-me com a velocidade, deslumbro-me com a paisagem. Este é sem dúvida um dos momentos altos. O medo já desapareceu, dando lugar a um sentimento de liberdade único. A uma tranquilidade que não imaginava encontrar tão lá em cima e durante uma queda. Foco-me em absorver cada segundo, pois já me tinha sido avisado que termina mais depressa do que se imagina.

Passado sensivelmente um minuto, recebo indicação de que é a altura de abrir o paraquedas. Mãos no arnês e sinto um leve puxão para cima. A queda livre terminou. Estou agora a planar. 

Quando marquei o salto antecipava muito a queda livre, mas não imaginava muito como seria estar com o paraquedas aberto. Deixo o aviso: é muito divertido! O instrutor controla as direções, faz manobras e proporciona momentos mais radicais com voltas e rodopios. Não consigo parar de rir. Vejo o chão a aproximar-se devagarinho, mas parece que tudo está a passar rápido. Quero estar mais tempo no ar.

Recebo indicações de que se vai dar a aterragem. Coloco as pernas e pés como me foi indicado e antecipo o choque com o chão. Mas sabem que mais? Revelou-se muito suave, sem grande impacto. Estou novamente no chão e a vontade é de voltar a entrar no avião e repetir tudo. Não aconteceu nesse dia, mas fica a certeza de que voltará a acontecer. Mas poderá ser ainda mais alto?

Podem ver um resumo (muito resumido) de tudo o que vos contei no vídeo em baixo. 

Palavras-chave

Assine a ACTIVA

Deixe-se inspirar, assine a ACTIVA, na sua versão em papel ou digital, a partir de €2,00 a edição. Saiba tudo aqui ASSINAR

Mais no portal

Comportamento

Porque é que os humanos fazem sexo? Estudo descobre 237 razões

De acordo com os autores, os resultados refutaram muitos estereótipos de género.

Moda

11 formas de usar blazers com calças de ganga neste outono

Inspire-se nestes visuais de influencers.

Activa Brand Studio

Estes são os visuais de Catarina Gouveia perfeitos para estarmos em casa... e fora!

Nas Bancas

A ACTIVA de novembro, com Eunice Muñoz na capa, já nas bancas!

Uma edição especial, que dá a conhecer a história de vida e as histórias do teatro da atriz.

Lifestyle

Sim, é possível fazer uma granola na frigideira

Opte pela versão caseira deste pequeno almoço apreciado por muitos, sem ter de recorrer ao forno. Simples e mais que saboroso!

Lifestyle

A felicidade é já aqui!

Uma escapadinha em família a menos de 30 minutos de Lisboa

Comportamento

As palavras gregas para amor incluem 7 tipos que podemos experienciar

Saiba quais são e no que consiste cada um deles.

Moda

Sweaters e saias: a fórmula mais simples e elegante para os meses de outono/inverno

Inspire-se nesta combinação elegante de peças para o dia a dia.

Comportamento

Saiba o que gemer (ou não) durante o sexo diz sobre si

Porque será que algumas pessoas são mais barulhentas que outras? Descubra a explicação para esta e outras questões e saiba como pode alterar a sua 'performance'.

Mulheres Inspiradoras

Alemã cria anticoncecional masculino inovador

Que funciona através de ultrassom.

Comportamento

Traição emocional: o que é e como saber se está a acontecer no seu relacionamento

Uma especialista explica quando é que amizades com terceiros podem ser ameaçadoras para uma relação amorosa.

Saúde

Afinal, o descafeinado é ou não saudável?

Entenda o processo de eliminação da cafeína e o respetivo nível de segurança.