O endométrio é o tecido que reveste internamente o útero – quando se encontra fora do útero estamos perante um caso de endometriose. Dados mostram que a endometriose afeta 10 a 15% das mulheres em idade reprodutiva. Das mulheres com endometriose, estima-se que 30 a 50% tenham infertilidade. Das mulheres que apresentam infertilidade, aponta-se que 25 a 50% também tenham endometriose.

Qual é então a relação da endometriose com a infertilidade?

Embora se saiba que a endometriose prejudica a fertilidade, os mecanismos de infertilidade associados à endometriose são incertos e provavelmente dependem, em parte, do estadio da doença. O espectro da doença varia desde a presença mínima de tecido fora do “lugar” (por exemplo, células endometriais de 1 a 5 mm que se encontram no peritoneu pélvico) até à distorção anatómica grave (endometriomas ováricos profundos, aderências pélvicas com a obliteração das relações normais dos órgãos pélvicos). A doença leve parece incitar vias inflamatórias, enquanto a doença avançada causa perturbações anatómicas, além da resposta inflamatória.

Não é claro que a endometriose no estadio I (mínimo) ou II (leve) possa ser causa da infertilidade. É hipotetizado que neste caso a endometriose esteja associada a uma resposta inflamatória que prejudica a função ovárica, peritoneal, tubária e endometrial e leva a perturbações da foliculogénese – ou seja, do processo de formação, crescimento e maturação do folículo (“bolsa” de líquido que contém um óvulo imaturo). A resposta inflamatória pode também interferir com o processo de fertilização e / ou a implantação defeituosas.

Já a endometriose avançada (doença nos estadios III ou IV) está fortemente associada a distorção anatómica e aderências pélvicas. Essas alterações podem prejudicar a libertação ou a captação de ovócitos, alterar a motilidade espermática (capacidade de locomoção do esperma), causar contrações miométricas desordenadas e prejudicar a fertilização e o transporte embrionário, para além dos mecanismos acima referidos para os estadios iniciais.

Numa mulher com endometriose e infértil não investigamos outras causas?

Para mulheres que apresentam endometriose e infertilidade, procedemos a uma avaliação da infertilidade. Não assumimos que a endometriose é a causa da infertilidade.

Mulheres com endometriose: operar ou não operar?

Para mulheres com sintomas sugestivos de endometriose – por exemplo: dor; dismenorreia (dor durante a menstruação); dispareunia (dor intensa na relação sexual e logo após o ato), que não tiveram tratamento cirúrgico primário, recomendamos intervenção por laparoscopia com ablação ou excisão de tecido de endometriose como o primeiro passo na abordagem após a conclusão da avaliação da infertilidade. O tratamento cirúrgico está associado a melhores taxas de gravidez e redução dos sintomas de dor em comparação com a laparoscopia diagnóstica isolada. No entanto, a cirurgia repetida não melhora a fertilidade, embora possa reduzir a dor.

E mulheres inférteis sem sintomas, devem ser operadas?

Para mulheres com endometriose que não apresentam sintomas além da infertilidade, o tratamento cirúrgico para melhorar a fertilidade não é indicado, mesmo que a endometriose não tenha sido removida anteriormente. Como o impacto da endometriose assintomática na fertilidade não é conhecido, os riscos associados à cirurgia não são justificados. Igualmente não se devem operar mulheres com menos de 20 anos de idade com dismenorreia moderada a grave e suspeita clínica precoce de endometriose sem antes tentar aliviar os sintomas com medicação (estroprogestativos ou progestativos isolados).

E que tratamentos usamos?

Em mulheres com endometriose em estadios avançados, o tratamento pode passar por técnicas de procriação medicamente assistida (fertilização in vitro, por exemplo). No caso das mulheres com doença ligeira e abaixo dos 35 anos de idade, é normalmente aconselhada conceção natural, indução da ovulação ou inseminação intra-uterina.

Cada caso deve ser discutido com o ginecologista e respetiva equipa multidisciplinar, procurando a melhor resposta. Importa nesta altura de pandemia sensibilizar as mulheres para que não adiem o diagnóstico e tratamento da endometriose – as unidades de saúde têm disponíveis consultas, exames e tratamentos, garantido segurança dos procedimentos e circuitos.

Gonçalo Rosa Rodrigues é ginecologista-obstetra no Hospital CUF Descobertas e na Clínica CUF Mafra.

Palavras-chave

Mais no portal

Comportamento

4 formas de salvar o planeta entre quatro paredes

A sustentabilidade chegou ao sexo.

Moda

Parfois: 5 colares perfeitos para o verão

Cor não lhes falta!

Comportamento

Os 10 países mais ecológicos do mundo ficam na Europa - mas Portugal não é um deles

Veja em que posição estamos e o que podemos aprender com as nações que dão o exemplo.

Moda

Conheça cinco marcas de moda que estão a mobilizar-se pelo planeta

O resultado são estas coleções, que aliam estilo a consciência ambiental.

Beleza

As novidades de beleza para um estilo de vida mais sustentável e consciente

Para celebrar o Dia da Terra, assinalado anualmente a 22 de abril.

Lifestyle

O segredo de Vanessa Martins para poupar até 5 litros de água por dia em casa

Um pequeno gesto com grandes repercussões.

Mulheres Inspiradoras

Quatro ambientalistas portuguesas que tem mesmo de conhecer

Aqui ficam alguns exemplos de mulheres que renovam diariamente o compromisso de conservação e preservação ambiental.

Saúde

Grávida? Entenda a importância da gestão da ansiedade e do exercício físico

Uma fase de várias mudanças que exige um grande sentido de adaptação.

Moda

Roupa interior e de banho criada a pensar em mulheres que passaram por uma mastectomia

A Mango estreia-se neste tipo de underwear e swimwear específicos, sendo que todos as lucros da venda desta coleção serão doados à associação teta & teta.

#VozActiva

Madalena Brandão: "Ser mãe é uma aprendizagem constante"

No #VozActiva deste mês, a nossa protagonista de capa fala sobre a jornada que é a maternidade. Uma conversa a não perder!

Nas Bancas

A sua Activa ao alcance de um click

Abril águas mil e aquela preguiça de correr debaixo de chuva até ao quiosque para comprar a Activa mais recente? Não stresse. Basta assinar a ACTIVA digital e tem acesso a tudo, sem se molhar.