Estamos a atravessar momentos que (também eles) devem servir para fazer uma análise à nossa capacidade financeira, para percebermos onde e como podemos organizar a nossa vida pessoal de forma a conseguirmos sair desta crise da melhor maneira possível.

É necessário um grau de compromisso, que seja possível cumprir e que torne o assunto da poupança e investimento mais fácil de gerir e concretizar. Se começar já a pensar no assunto vai ver que consegue! O que custa é começar e, para ajudar, deixo-lhe algumas dicas de poupança e investimento que não deve esquecer:

1. Recompense a sua poupança

Quando terminar de concretizar um objetivo de poupança que tenha criado, ou seja, quando conseguir conquistar o valor pretendido que se comprometeu para criar a sua poupança com a finalidade de começar a amealhar para ter um Fundo Maneio, pegue em 5 ou 10% e invista em si. Faça algo que já estava há muito tempo para fazer, mas ainda não tinha conseguido, por exemplo, comprar uma bicicleta, ou fazer uma formação. Mesmo nestes casos, tenha em atenção que as compras online são bem mais em conta e  permitem comparar preços, ajudando também a diversificar o seu investimento e a poder fazer uma gestão do dinheiro mais organizada e orientada, para mais do que uma coisa. Investir em nós é uma das coisas mais importantes a fazer.

2. Evite ir a espaços que convidem ao consumismo

Consumir não é o mesmo que consumismo e, desde logo, é importante perceber a diferença. Consumir significa que estamos a comprar o que verdadeiramente precisamos; consumismo significa que estamos a exceder a capacidade de gerir o nosso próprio dinheiro, gastando acima das possibilidades e, muitas vezes, comprando coisas que não fazem falta. Se evitarmos ir a shoppings fazer compras não caímos na tentação de comprar. Por exemplo, se quiser ir ao cinema, chegue bem perto da hora, para evitar jantar fora ou até mesmo passear no shopping e gastar dinheiro em alguma peça de roupa.

3. Reorganize-se financeiramente

Veja onde está e onde poderia estar se já tivesse começado uma poupança há um ano. Faça as contas de quanto ganhava e quanto ganha atualmente. Caso ainda não tenha nenhuma poupança, está na altura de criar uma. Uma dica extra: pode criar uma poupança com a finalidade de liquidar parcialmente ou totalmente créditos em curso como, por exemplo, um cartão de crédito. Este é um incentivo a gastos acrescidos que, posteriormente, podem transformar-se numa bola de neve – para além de estarmos a utilizar dinheiro que não é nosso.

Aposte na sua organização, para se poder desafiar em diversas formas de concretizar os seus objetivos, investimento tempo e pensando na poupança como aliado e não como problema.

Muitas pessoas referem que não conseguem poupar, mas também não sabem quanto gastam exatamente em despesas fixas e variáveis, nem fazem qualquer tipo de controlo ao que entra e sai na conta à ordem, logo, desta forma é mais difícil chegarmos a uma solução que passe por conseguir poupar algum valor do rendimento do agregado familiar. Quando falamos em família é importante existir sintonia, para que trabalhem todos para o mesmo e juntos consigam alcançar o ou os objetivos comuns, que podem ser por exemplo uma viagem, uma formação, etc.

É importante perceber que, se soubermos onde e como gastamos o nosso dinheiro, é possível definir estratégias de poupança e aprender como colocar o dinheiro a render.

Acompanhe sempre estas e outras dicas aqui na revista ACTIVA e nas redes sociais: Instagram | Facebook | Linkedin

Palavras-chave

Assine a ACTIVA

Deixe-se inspirar, assine a ACTIVA, na sua versão em papel ou digital, a partir de €2,00 a edição. Saiba tudo aqui ASSINAR

Relacionados

Lifestyle

Como reequilibrar as finanças após o período de férias?

Todos os objetivos requerem planeamento e organização, e com as finanças pessoais não é diferente.

Diz Quem Sabe

Como planear da melhor forma a vida financeira a dois?

A gestão das finanças pessoais num casal, deve ser bem coordenada e planeada de acordo com o rendimento do agregado familiar, para não ter surpresas.

Diz Quem Sabe

Saiba como ter umas férias mais 'poupadinhas' neste ano de pandemia

A expressão “Vá para fora cá dentro” nunca fez tanto sentido. Estamos numa altura em que, com esta pandemia é aconselhável não viajar para fora de Portugal, porque podemos e devemos para segurança de todos e para fazer crescer a economia do País, passar férias “cá dentro”.

Mais no portal

Moda

Mafalda Carvalho mostra os desfiles (e as emoções) do último dia de Portugal Fashion

Veja tudo o que aconteceu na Alfândega do Porto.

Lifestyle

A Pizzaria Luzzo é uma das pérolas da Graça

Da comida ao ambiente, tudo é pensado para proporcionar refeições (e momentos) super agradáveis.

Lifestyle

Esta câmara trendy foi concebida para tirar selfies

Ela permite tirar, imprimir e partilhar fotografias em movimento. Um sonho para a Geração Z.

Beleza

5 cortes de cabelo clássicos que nunca saem de moda

Em equipa que ganha não se mexe.

Moda

Bailarinas: como usar estes sapatos clássicos de formas contemporâneas

Inspire-se nestas estrelas das redes sociais para adicionar estes sapatos versáteis e elegantes aos seus próximos visuais de outono.

Saúde

Cuidados a ter com a saúde íntima feminina quando as temperaturas descem

Eis as dicas de um ginecologista e obstetra dos hábitos a adotar nesta altura do ano.

Comportamento

Advogada elege as 5 razões mais comuns para o divórcio

Curiosamente, a traição não é uma delas.

Moda

Be The Change: tecidos reciclados e produção responsável com o selo de qualidade Tezenis

Uma coleção de ‘underwear’ bonita, sustentável e mais amiga do ambiente.

Diz Quem Sabe

Pele sensível e pele sensibilizada: entenda as diferenças

E saiba quais os cuidados a ter.

Saúde

Como os cuidados para bebés podem aliar-se à sustentabilidade

Opções para os pais que procuram produtos que causem o menor impacto possível no meio ambiente.

Saúde

A dor crónica não é um problema individual – é um problema de saúde pública

Um artigo de opinião assinado por um grupo de especialistas da Escola de Medicina da Universidade do Minho, a propósito do Dia Nacional da Luta Contra a Dor (15 de outubro).