Nunca se falou tanto em saúde mental como nos dias de hoje, mas estamos perto de acabar com ideias pré-concebidas que já estão enraizadas na sociedade? Ainda não. A complexidade do nosso cérebro merece bem mais atenção do que aquela que lhe damos e temos de cuidar daquela que é a base da saúde.

Uma constipação é uma coisa que todos podemos ter e não acarreta estigma algum. Aliás, o inverno é sinónimo de gripes e constipações e, todos os anos, estamos preparados para elas. Já a depressão, por exemplo, que é considerada ‘a constipação da saúde mental’, por ser uma coisa comum e que todas as pessoas podem ter, está associada a um estigma e até mesmo a um sinal de fraqueza. Assim sendo, muitas pessoas não procuram tratamento.

A  Organização Mundial da Saúde (OMS) revelou que existem 300 milhões de pessoas com depressão em todo o mundo.  Atualmente, Portugal é o quinto país da OCDE que mais consome ansiolíticos e antidepressivos, atingindo já uma taxa que duplica a de países como, por exemplo, a Holanda, Itália e Eslováquia. Não está comprovado que a pandemia veio agravar esta situação, mas nos primeiros três meses do ano foram vendidas mais 400 mil embalagens do que no mesmo período em 2019.

Entre março e junho de 2020 foram vendidas mais de 5 milhões de embalagens de ansiolíticos e antidepressivos do que em 2019. A saúde mental dos Portugueses está deteriorada e “abandonada”.

Sintomas Adormecidos

No que diz respeito ao tratamento, sabe-se que os antidepressivos são vistos como o “elixir” contra a depressão. Ano após ano, o consumo deste tipo de fármaco em Portugal tem tendência a aumentar cada vez mais, mostram dados recentes do Infarmed. Isto indica que andamos a “adormecer” ou a “esconder”  uma doença que, por si só, nos mata lentamente, adormecendo à boleia dos seus sintomas muitas vezes mascarados e camuflados.

Embora os portugueses estejam cada vez mais informados sobre os problemas psicológicos e as suas consequências, pouco se fala e não há muita divulgação acerca dos tratamentos. Prova disso é que quando falamos em depressão, pensamos automaticamente na intervenção medicamentosa. Os medicamentos podem melhorar, sim, a qualidade de vida do paciente, mas não resolvem o problema; apenas o adormecem. Uma realidade que aumenta o risco  de o quadro se tornar crónico e recorrente, porque a causa da patologia não foi tratada. E é aqui que entra o acompanhamento psicológico, de forma a tratar a real causa da patologia de foro psicológico, e não só os sintomas que a patologia provoca.

Caso não exista uma intervenção psicológica atempada e contínua, as consequências a nível da saúde física e mental são graves, podendo haver o desenvolvimento de uma psicose ou outras perturbações mais graves e irreversíveis. É necessário ter em conta que, na maioria dos casos, os problemas psicológicos se manifestam de forma gradual e silenciosa, ao ponto de a pessoa não assumir que tem um problema para resolver, sendo, muitas vezes, aqueles que lhes são próximos a darem o primeiro sinal de alerta ao paciente.

A realidade que vivemos hoje leva-nos a tomar cuidados e medidas reforçadas de cuidados médicos. No entanto, não podemos descurar os cuidados de saúde mental. Nesse sentido, deixo-lhe três “regras de sobrevivência”:

  1. Peça ajuda, nomeadamente, psicológica. Lembre-se de que o primeiro passo para que possa melhorar a sua condição é aceitá-la, olhá-la de frente e erguer-se perante ela;
  2. Procurar manter sempre a calma e, por muito difícil que seja, substituir os seus pensamentos negativos por pensamentos positivos;
  3. Não se isole!

Palavras-chave

Relacionados

Saúde

A verdade sobre o impacto do aleitamento materno na saúde mental

Neste artigo, a Dra. Marisa Marques explora a relação entre o aleitamento materno e a saúde mental. Um tema pertinente, tendo em conta que a Semana Mundial do Aleitamento Materno é comemorada em 120 países no início de agosto.

Comportamento

Saiba como preservar a saúde mental das crianças num regresso às aulas diferente

Marta Assis Loureiro, psicóloga clínica presente na Doctorino, aconselha pais e filhos para um regresso escolar dentro da normalidade possível.

Comportamento

"Doomscrolling". Pelo bem da sua saúde mental, está na hora de parar

Parece o título de um filme de ação dos anos 1980, mas é um termo bem atual e faz referência a uma consequência da pandemia.

Mais no portal

Diz Quem Sabe

O guia para criar uma selva urbana em casa

Um artigo de opinião assinado por José Luís Velasco, product manager da Gardenia, sobre os novos hábitos que se cultivaram e enraizaram em tempos de confinamento.

Celebridades

Oprah nem sempre foi Oprah: este é o nome verdadeiro da apresentadora americana

Estamos chocadas!

Comportamento

Como ser mais vulnerável num relacionamento (mesmo que isso a assuste)

O medo da rejeição faz-nos levantar a guarda e, por conseguinte, perdemos coisas boas como a intimidade e a conexão.

Lifestyle

Catarina Alves, arquiteta e designer de interiores, partilha cinco dicas para quando estamos a pensar decorar a nossa casa

A fundadora da CATE, Catarina Alves, partilhou connosco alguns conselhos bem úteis na altura de pensar em decorar a sua casa.

Comportamento

Os principais motivos para ex-casais terem recaídas íntimas logo após o término

Algo muito comum, principalmente logo após o término.

Moda

Que sapatos usar com calças de ganga flare? Temos a resposta

Inspire-se nestes 12 "looks" de influencers internacionais.

Celebridades

Conheça a luxuosa nova mansão de Dwayne Johnson

Faça uma visita guiada à nova propriedade do conhecido ator.

Moda

Vestidos indispensáveis para um verão boho-chic

Estas seis sugestões são a cara da nova temporada.

#ActivaEmCasa

Estes exercícios prometem deixar as suas pernas e abdominais "on fire"

Aqui fica mais um circuito de treino completamente gratuito, preparado e exemplificado por Susana Carromeu, coach do CrossFit Cais.

Beauty Spot

8 eyeliners coloridos para alegrar qualquer maquilhagem

Este é o tema da rubrica Beauty Spot desta semana.