@hedistantonphotography

A pandemia levou-nos a uma realidade que nunca tínhamos vivido ou sentido: o confinamento geral. Uma novidade que criou um sentimento de união em torno do desconhecido. Adaptámo-nos da melhor forma, copiámos outras pessoas, cooperámos e tivemos empatia para com os outros em prol de um bem maior, ou seja, da saúde pública. Desconfinámos lentamente, matámos algumas saudades – sem toque, sem exageros – e alimentámos um pouco a alma.

E, então… eis que nos vemos novamente a confinar.

É  verdade que já não se trata de uma estreia, mas já acusamos cansaço de vivermos sem aquilo que nos caracteriza enquanto humanos (afeto, toque, liberdade, etc.). O recolhimento domiciliário e a impossibilidade de fazermos aquilo que nos apetece faz-nos reavaliar relações, a vida profissional e familiar e os nossos objetivos, sendo que, muitas vezes, começamos a colocar tudo em causa.

É neste seguimento que aproveito para recordar que a mente é uma arma de transformação e é necessária à criação de hábitos que transmitam e recuperem a tranquilidade. A saúde mental torna-se o principal elemento e é importante que consiga aproveitar este tempo que lhe é dado da melhor forma.

Aprenda a desligar e crie tranquilidade

A nossa mente funciona por associações. Rapidamente associamos o que sentimos na primeira fase de confinamento a esta nova fase, mas podemos e devemos criar novas correlações. Sabemos que a comunicação social vai entrar todos os dias em nossa casa, seja com notícias nada positivas, números assustadores de infetados, ou dados preocupantes da economia, e que isso vai fazer disparar a nossa ansiedade, medos e pensamentos tóxicos no dia-a-dia. Por conseguinte, surge medo em relação ao futuro. Temos de ser diretos com a nossa mente: esta é a nossa realidade e não a podemos alterar. Estamos conscientes do que se passa, e de que isto é um ciclo, e esta é a certeza que temos de manter, porque as coisas são mesmo assim. É necessário criarmos a nossa própria tranquilidade.

Sentir-se desmotivado é normal

Neste momento, o segredo é evitar que se torne refém de pensamentos negativos ou tóxicos. Não deixar que estes o controlem e o façam parar ou sofrer. Como podemos fazer isso? Ao viver na realidade do aqui e agora, que não é tão simples quanto escrever sobre ela. Trata-se de um exercício diário; de uma adaptação para controlar o que pensamos e as associações que fazemos. É o não pensar em como vai ser o futuro, pois ninguém o sabe, mas todos o podemos criar.

Manter uma rotina de hábitos saudáveis

Porque não meditar? Quinze minutos ao sol na varanda, ou na janela, serão o suficiente para diminuir o stress e fortalecer a imunidade. Aproveite para ouvir música e dançar, adote um estilo de vida mais saudável – aquele que já está a considerar há algum tempo, mas que ainda não teve tempo de concretizar –, socializar ou procurar atividades criativas online com amigos e família.

Planos para o futuro

 Aproveite esta fase para recuperar sonhos que estavam esquecidos na gaveta por falta de tempo, ou até mesmo de coragem. Agora, com mais tempo livre, pode olhar para eles sem medos e decidir a melhor forma de cumpri-los. 

Aproveite o momento

Como a mente funciona por associações, a fórmula é a criação de novos hábitos. E porque não adaptar a prática de desporto em casa? Também pode ler livros e  experimentar uma nova atividade como, por exemplo, pintar, aprender a tocar um instrumento. Faça da distância física uma aproximação de sentimentos e a mente criará outro tipo de associações sobre estar em casa durante o confinamento.

A mente é a sua melhor arma. Carregue-a e use-a da melhor forma. Um dia, compreenderá que fez parte da História do mundo.

Palavras-chave

Assine a ACTIVA

Deixe-se inspirar, assine a ACTIVA, na sua versão em papel ou digital, a partir de €2,00 a edição. Saiba tudo aqui ASSINAR

Relacionados

Saúde

COVID-19: usar duas máscaras protege-nos mais?

Algumas pessoas adotaram este método. Mas será que é necessário?

Comportamento

Este truque curioso pode aliviar o stress durante o confinamento

Só precisa de um telemóvel ou computador - e deixá-lo fazer magia.

Lifestyle

Transforme a sua casa através do Feng Shui

Nada como uma pequena (ou grande) mudança no primeiro mês do ano.

Mais no portal

Moda

Mafalda Carvalho mostra os desfiles (e as emoções) do último dia de Portugal Fashion

Veja tudo o que aconteceu na Alfândega do Porto.

Lifestyle

A Pizzaria Luzzo é uma das pérolas da Graça

Da comida ao ambiente, tudo é pensado para proporcionar refeições (e momentos) super agradáveis.

Lifestyle

Esta câmara trendy foi concebida para tirar selfies

Ela permite tirar, imprimir e partilhar fotografias em movimento. Um sonho para a Geração Z.

Beleza

5 cortes de cabelo clássicos que nunca saem de moda

Em equipa que ganha não se mexe.

Moda

Bailarinas: como usar estes sapatos clássicos de formas contemporâneas

Inspire-se nestas estrelas das redes sociais para adicionar estes sapatos versáteis e elegantes aos seus próximos visuais de outono.

Saúde

Cuidados a ter com a saúde íntima feminina quando as temperaturas descem

Eis as dicas de um ginecologista e obstetra dos hábitos a adotar nesta altura do ano.

Comportamento

Advogada elege as 5 razões mais comuns para o divórcio

Curiosamente, a traição não é uma delas.

Moda

Be The Change: tecidos reciclados e produção responsável com o selo de qualidade Tezenis

Uma coleção de ‘underwear’ bonita, sustentável e mais amiga do ambiente.

Diz Quem Sabe

Pele sensível e pele sensibilizada: entenda as diferenças

E saiba quais os cuidados a ter.

Saúde

Como os cuidados para bebés podem aliar-se à sustentabilidade

Opções para os pais que procuram produtos que causem o menor impacto possível no meio ambiente.

Saúde

A dor crónica não é um problema individual – é um problema de saúde pública

Um artigo de opinião assinado por um grupo de especialistas da Escola de Medicina da Universidade do Minho, a propósito do Dia Nacional da Luta Contra a Dor (15 de outubro).