@lisadanielle__

O crescente número de casos confirmados de SARS-CoV-2 em Portugal e a escassez de estudos conclusivos sobre a doença, têm causado alguma incerteza e insegurança nas gestantes e em todos os que procuram constituir família. Será que a gravidez deixa as mulheres mais suscetíveis ao vírus? A verdade é não há ainda evidências concludentes que digam que as mulheres grávidas sejam mais vulneráveis à infeção pelo COVID-19 e às suas complicações do que a população em geral, e estudos publicados (a grande maioria em mulheres infetadas no 2º e 3º trimestre) apontam para uma evolução mais ou menos favorável da gestação.

Contudo, há peritos e entidades de saúde que afirmam que, no caso das gestantes, poderá haver um risco maior de infeção devido a alterações fisiológicas e imunológicas induzidas pela gravidez, e embora os conhecimentos sobre este vírus sejam limitados, por exemplo, a entidade americana CDC (“Centers for Disease Control and Prevention”) sugere que as mulheres grávidas com COVID-19 são mais propensas a serem hospitalizadas e têm maior risco de internamento em unidades de cuidados intensivos e de receberem ventilação assistida, do que as mulheres não grávidas. O risco de morte é semelhante nos dois grupos.

Há casos de transmissão do vírus para o feto durante a gestação? Embora considerada pouco provável, foram já descritas na literatura várias situações de transmissão vertical do vírus, entre a grávida e o feto e muito presumivelmente no futuro mais irão ser descritas. No entanto a experiência na maioria dos casos em todo o mundo, é a de que os recém-nascidos de grávidas infetadas têm um bom prognóstico e seu estado de saúde não difere muito dos nascidos de grávidas não infetadas.

Neste momento, ainda não há verdades inquestionáveis, nem o seu contrário, e são poucos os estudos comparativos. Na realidade todas as medidas são fundamentadas numa quantidade ainda pequena de trabalhos científicos que apresentam um limitado número de casos e por outro lado, baseiam-se na opinião de alguns especialistas.

Toda a equipa da AVA Clinic-Lisboa está focada na Saúde e na futura gravidez de quem nos visita e procura. Para se viável manter os tratamentos e o dia a dia na clínica o mais seguro possível, tivemos de introduzir algumas alterações nos procedimentos, mas para a maioria das pessoas o ciclo de tratamento é, mais ou menos, semelhante ao que era efetuado anteriormente à pandemia. Estamos sempre focados na segurança das pessoas e na manutenção das taxas de sucesso dos tratamentos, sendo que a nossa prioridade será sempre a obtenção de recém-nascidos saudáveis e famílias felizes. Sempre que alguma paciente tenha uma necessidade médica particular, o tratamento é personalizado e adaptado ao caso.

A forma que escolhemos para viabilizar o tratamento dos pacientes é basicamente semelhante ao processo que temos vindo a desenvolver nas últimas duas décadas. Continuamos a tentar ser uma extensão das suas casas, recebendo-os da forma mais profissional e confortável possível, propondo-nos a tratá-los com celeridade e adequada proteção. No caso de pacientes que já tinham tratamentos em curso, que tiveram de ser interrompidos, concretizámos formas de os avisar, informar e convidar a continuar a sua viagem de fertilidade connosco.

Como referi anteriormente neste período de pandemia, tiveram que ser introduzidas algumas alterações aos protocolos utilizados nos tratamentos e assim, antes do início e a meio dos mesmos, todos os intervenientes têm que responder por escrito a um questionário para o COVID-19. No dia anterior a qualquer deslocação à clínica, é efetuado também pela equipa de enfermagem, normalmente por via telefónica, um pequeno rastreio dos sintomas e sinais relacionados com esta infeção.

Concomitantemente, 72 a 48 horas antes da colheita de ovócitos ou esperma é feito sempre o teste de diagnóstico para o coronavírus, assim como, no caso de surgirem sintomas suspeitos em qualquer fase do tratamento. Se algum paciente apresentar um teste positivo o seu tratamento terá que ser interrompido. A metodologia que seguimos obriga a uma interrupção, até haver uma recuperação total da infeção por COVID-19 (confirmada pelas entidades de saúde), e a partir desse momento é possível reiniciar o tratamento. Estas medidas, como outras, são tomadas com o objetivo da preservação da segurança, tanto das pessoas, como dos gâmetas (ovócitos e espermatozoides), ou dos embriões. Se após a colheita de ovócitos ou esperma, houver necessidade de repetir o teste de diagnóstico para o COVID-19 e este vier positivo, os gâmetas e os embriões serão criopreservados para posterior utilização, visto que o tratamento terá que ser interrompido de imediato.

No nosso caso e penso que é prática comum na maioria das clínicas privadas e serviços públicos, os cuidados de saúde nesta área da Medicina estão a ser continuados. Hoje em dia com os formatos que temos disponíveis, as consultas, para além de presenciais, podem e devem também ser realizadas via telefone, Skype, Zoom, Google meets, etc. A nossa função é estarmos sempre disponíveis para as pessoas, seja em períodos de adversidade, como o que estamos a viver, ou em tempos mais tranquilos ou de prosperidade.

Embora queiramos estar devidamente sintonizados com todas as mulheres que queiram engravidar no imediato, infelizmente, muita coisa permanece desconhecida sobre o COVID-19. Na minha perspetiva, a decisão de querer engravidar é inteiramente pessoal, mas precisa ser tomada com base no estado de saúde de cada pessoa, nas condições locais, isto é, no estado atual da pandemia em determinada região e deve ser sempre alicerçada numa cuidadosa análise da relação custo-benefício de cada caso concreto.

Palavras-chave

Mais no portal

Mulheres Inspiradoras

Carmo Sousa Lara: "Às vezes, estamos muito agarradas ao reforço negativo"

A nossa primeira Conversa Inspiradora chega no dia 8 de março e é sobre o corpo. O corpo da mulher real. O corpo que ainda é poucas vezes capa de revista.

Imagem de Sucesso

Saiba como escolher os modelos de óculos de sol que mais valorizam o seu rosto

No novo episódio da rubrica Imagem de Sucesso partilho algumas dicas para que escolher eyewear nunca mais seja uma dor de cabeça.

Moda

Os 8 tipos de cuecas que todas as mulheres devem ter

De modelos estilo biquíni as tangas clássicas, estas são as peças nas quais deve investir.

Comportamento

Mais de metade dos portugueses não se veem a viver sem carro

Seis em cada 10 portugueses consideram o automóvel insubstituível, mas em 2017 eram 8 em 10. A descida deve-se à crise pandémica.

Moda

Estas peças elegantes são ótimos investimentos para a primavera

Veja as sugestões que encontrámos nas lojas online da Zara, Mango e H&M.

Mulheres Inspiradoras

Guerra aos filtros: estas influencers mostram a beleza de peles reais

Depois do positivismo corporal, o movimento do "skin positivity" começa a ganhar cada vez mais força nas redes sociais.

Beleza

É suposto deixarmos passar algum tempo entre a aplicação dos produtos de skincare?

Trinta segundos? Sessenta segundos? Zero? Saiba o que dizem os especialistas.

Moda

Irina Shayk mostra como usar a tendência das calças de pele com visual rock 'n roll

A peça de eleição da modelo é de uma marca que as portuguesas conhecem bem.

Saúde

Estudo sugere que grávidas podem transmitir anticorpos contra a COVID-19 aos bebés

Uma investigação publicada recentemente pode ajudar (e muito!) na estratégia de vacinação das grávidas em todo o mundo.

Beleza

O erro que comete sempre que aplica o seu hidratante de rosto favorito

Existe uma forma muito simples de potencializar a eficácia dos produtos de skincare.

Beleza

Qual é o melhor contorno para o seu tipo de rosto?

Esclarecemos todas as dúvidas sobre como adaptar a técnica de maquilhagem aos seus traços.

Moda

Estas malas aparentam ser bem mais dispendiosas do que realmente são

Saiba o que procurar nas lojas para investir em artigos que são facilmente confundidos com peças de alta-costura.