@icewasonline

O momento mais aguardado por todos chegou: vamos desconfiar e, pouco a pouco, regressamos à liberdade. Com isto, é muito natural que sensações como a ansiedade, alguns receios, medos e dúvidas se manifestem e, atenção, tudo isto tem uma razão de ser.

Após a comunicação do plano de desconfinamento, mesmo que faseado, começa um role de emoções e sentimentos. A ansiedade fica em alerta: se, por um lado, podemos matar as saudades de uma série de coisas que gostamos de fazer; por outro lado, a rotina que ja está imposta é novamente alterada. 

O cérebro é reptiliano: acomoda-se e evita a mudança. Inicialmente, podemos sentir que é preferível a continuação da rotina que temos vindo a levar nas últimas semanas, mas a mudança é necessária… E a ansiedade faz parte deste processo.

Mude a Perspetiva

O primeiro passo – e o mais importante –  é tentar não ser muito exigente consigo mesmo. Sentir tudo faz parte do processo: dúvidas, receios, o stress de ter de gerir tudo de novo, as saudades e o aperto no coração ao deixar os filhos na escola, entre outros sentimentos. Todos vamos passar novamente por isso. Não temos de estar sempre preparados para tudo… e está tudo bem! Todos sabemos que as crianças se adaptam com facilidade a novos mundos e realidades, pois não exigem nada ou colocam pressão sobre si mesmas. Então, que façamos o mesmo.

Respeite as suas limitações

Muitas vezes, as pessoas sentem-se ansiosas por pensarem muito no futuro, o que gera medos e faz com que se sofram por antecipação. Concentre-se somente no que pode controlar e não se permita ficar nos  “e se”, “não concordo”, “ acho mal”… Estes pensamentos tiram o foco e provocam emoções negativas. Concentre-se em si mesmo e no que pode fazer para ter um dia a dia mais fácil e tranquilo.

Organize prioridades

Planeie o primeiro fim de semana fora em família, pois já o pode fazer e acredito que seja algo extremamente desejado. Se se sentir insegura, elabore a sua lista de segurança com os comportamentos que, para si, são aceitáveis e partilhe-a com o seu seio familiar. Ainda que se sinta receosa ou preocupada, lembre-se daquilo que a deixa mais motivada em regressar a uma vida sem limitações? As emoções que constam nessa lista são a motivação e a força de querer voltar à liberdade.

Alimente Pensamentos Bons

Continue a cuidar de si. Exprima o que sente com as pessoas em quem mais confia, pois, certamente, todos vão ter sensações similares. Faça exercício físico. Está confirmado que movimentar o corpo ajuda a controlar a ansiedade, além de agir como prevenção e tratamento complementar para transtornos mentais. Pratique uma boa alimentação e, ainda mais importante, prepare-se para um sono reparador e tranquilo.

Procure Ajuda Profissional

É normal que sinta um misto de sentimentos e emoções – é normal ter medo. Se os sintomas persistirem ou desencadearem outros ainda mais intensos, ou se, ainda assim, a nova realidade provocar medos e bloqueios e não conseguir definir objetivos, procure ajuda para ultrapassar esta fase.

O diagnóstico e a terapia são muito importantes, pois, além de serem uma ponte para o autoconhecimento, permitem a introdução de novos caminhos para ultrapassar as adversidades verificadas. O ser humano não gosta de incertezas e, em geral, é muito resistente a mudanças. Vários estudos já realizados afirmam que, muitas vezes, preferimos viver num desconforto que já é conhecido do que ter de gerir novas e incertas realidades.

Até quando vamos deixar que a ansiedade nos limite?

Palavras-chave

Assine a ACTIVA

Deixe-se inspirar, assine a ACTIVA, na sua versão em papel ou digital, a partir de €2,00 a edição. Saiba tudo aqui ASSINAR

Relacionados

Diz Quem Sabe

O mindfulness pode ser uma solução muito necessária para as empresas

Um artigo de opinião assinado pela mental coach Joana Freitas, sobre esta filosofia de que tanto se fala nos dias que correm.

Diz Quem Sabe

Telefamília: como conciliar o trabalho com o agregado familiar?

"Os pais têm novos desafios e, por conseguinte, novas rotinas. Além do teletrabalho, têm de ser capazes de gerir as rotinas dos filhos, as aulas (se estiverem em idade escolar), as brincadeiras e as refeições, entre outras atividades". Um artigo de opinião assinado pela mental coach Joana Freitas.

Diz Quem Sabe

5 estratégias para cuidar da saúde mental durante o novo confinamento

Um artigo de opinião assinado por Joana Freitas, Mental Coach, sobre a importância de cuidar da mente no regresso do dever geral de recolhimento domiciliário.

Mais no portal

Moda

Mafalda Carvalho mostra os desfiles (e as emoções) do último dia de Portugal Fashion

Veja tudo o que aconteceu na Alfândega do Porto.

Lifestyle

A Pizzaria Luzzo é uma das pérolas da Graça

Da comida ao ambiente, tudo é pensado para proporcionar refeições (e momentos) super agradáveis.

Lifestyle

Esta câmara trendy foi concebida para tirar selfies

Ela permite tirar, imprimir e partilhar fotografias em movimento. Um sonho para a Geração Z.

Beleza

5 cortes de cabelo clássicos que nunca saem de moda

Em equipa que ganha não se mexe.

Moda

Bailarinas: como usar estes sapatos clássicos de formas contemporâneas

Inspire-se nestas estrelas das redes sociais para adicionar estes sapatos versáteis e elegantes aos seus próximos visuais de outono.

Saúde

Cuidados a ter com a saúde íntima feminina quando as temperaturas descem

Eis as dicas de um ginecologista e obstetra dos hábitos a adotar nesta altura do ano.

Comportamento

Advogada elege as 5 razões mais comuns para o divórcio

Curiosamente, a traição não é uma delas.

Moda

Be The Change: tecidos reciclados e produção responsável com o selo de qualidade Tezenis

Uma coleção de ‘underwear’ bonita, sustentável e mais amiga do ambiente.

Diz Quem Sabe

Pele sensível e pele sensibilizada: entenda as diferenças

E saiba quais os cuidados a ter.

Saúde

Como os cuidados para bebés podem aliar-se à sustentabilidade

Opções para os pais que procuram produtos que causem o menor impacto possível no meio ambiente.

Saúde

A dor crónica não é um problema individual – é um problema de saúde pública

Um artigo de opinião assinado por um grupo de especialistas da Escola de Medicina da Universidade do Minho, a propósito do Dia Nacional da Luta Contra a Dor (15 de outubro).