@elinorcarucci

Nenhum de nós tinha alguma vez sentido na pele os efeitos devastadores de uma pandemia. Esta, provocada pela COVID-19, tem sido especialmente perturbadora, pela rapidez com que se espalha pelo mundo e pela variabilidade dos efeitos provocados nos infetados, que ficam sem quaisquer queixas significativas, ou ficam a bater às portas da morte! Esta imprevisibilidade das consequências da infeção pela SARS-Cov, permite que seja dado crédito às alarvidades pronunciadas pelos políticos populistas, mesmo com a dolorosa verdade de caminharmos para os três milhões de mortos!

A saúde é um bem precioso, reconhecido por qualquer um. Sem ela, ficamos frágeis e, num ápice, deixamos de dar valor às coisas materiais, fazemos promessas mentais de bom comportamento e ajoelhamo-nos perante quem nos possa ajudar a sair daquele aperto. No auge da pandemia, havia milhares de doentes infetados nos hospitais, outros em casa a rezarem para não piorarem e muitos milhões, ainda saudáveis, com o pânico de poderem sucumbir no dia seguinte. Na primeira vaga, o País ficou petrificado e incrédulo. Quase todos tememos pela nossa saúde, talvez irremediavelmente perdida, se já tínhamos alguma doença prévia, ou sujeitos à roleta russa do destino que a COVID nos trouxesse.

Não me surpreende que as palmas de agradecimento aos profissionais de saúde se tenham calado muito antes da acalmia dos números da pandemia. Aliás, nalguns casos, assistiu-se a um crescente sentimento de revolta contra os especialistas que recomendavam alguma contenção na velocidade do desconfinamento, enquanto o Sistema Nacional de Saúde não retomasse a sua capacidade de tratar os doentes COVID e os não COVID. Embora triste, pelo contraste tão evidente de atitudes, é compreensível o silêncio das varandas. A manutenção dos gestos de gratidão, durante um grande período de tempo, acaba por cansar. Ainda mais quando os problemas económicos se vêm juntar e são postas em causa necessidades básicas há muito consideradas resolvidas!  Mas, o reconhecimento e o respeito pelo trabalho abnegado dos profissionais de saúde deveria manter-se.

O respeito que temos por alguém, por um princípio ou por uma Instituição é um sentimento nobre, civilizado e democrático! Nestes tempos conturbados, espero que tenhamos aprendido a ter respeito pela nossa saúde. Nunca foi tão evidente que a defesa da nossa saúde individual contribui para a saúde coletiva. Procurar não ficar doente, numa altura em que os hospitais estão em colapso, é inteligente para o próprio e a melhor forma de respeitar os outros, em que também se incluem os médicos e os enfermeiros e a restante equipa de saúde.

No dia 7 de abril, Dia Mundial da Saúde, lembremos a importância de preservarmos a nossa saúde, respeitando-nos a nós próprios e aos outros, fazendo disso uma norma de vida!

Palavras-chave

Relacionados

Diz Quem Sabe

A relação entre a COVID-19 e o AVC

Os doentes com AVC e COVID-19, em comparação com os doentes com AVC sem COVID-19, são mais jovens.

Diz Quem Sabe

As sequelas invisíveis da pandemia

Um artigo de opinião assinado pela Dra. Andreia Almeida, especialista em medicina funcional, sobre o impacto da pandemia na saúde mental.

Diz Quem Sabe

Desconfinar: 5 dicas para gerir a ansiedade

"Dúvidas, receios, o stress de ter de gerir tudo de novo, as saudades e o aperto no coração ao deixar os filhos na escola. Sentir tudo faz parte do processo"

Mais no portal

Moda

Fomos espreitar as propostas da Primark e estes são os nossos 10 acessórios preferidos

Os acessórios must-have para os dias de calor

Moda

Quem disse que não há lugar para fatos num armário de primavera?

Dos tons neutros aos mais vibrantes; das silhuetas justas às oversized, é impossível resistir a estes 10 conjuntos coordenados.

Beleza

Cabelos: três tendências inspiradas nas Deusas do Olimpo

Confira as sugestões Jean Louis David.

Lifestyle

Aos fins de semana, há 'brunch' na Doca de Santo

Com vista para o Tejo.

Moda

Uns ténis para quem não tem medo de brilhar debaixo dos holofotes

Os novos ténis da marca Puma em colaboração com Dua Lipa

Celebridades

Harry aterra no Reino Unido sem Meghan e reencontra-se com o irmão

A propósito do funeral do avô, Philip.

Moda

Estas cinco combinações de cores são a definição de luxo

Quer dar mais cor ao seu guarda-roupa? Então, inspire-se nestes visuais que encontram equilíbrio em apostas inesperadas.

Moda

Parfois: 10 artigos imperdíveis em promoção

Confira as sugestões que selecionámos.

Saúde

Um beijo, três consequências para a saúde oral

O Dia do Beijo celebra-se anualmente a 13 de abril, e Portugal não foge aos festejos. Aqui ficam três consequências (boas e más) deste gesto de carinho na saúde oral.

Body Shaper

A receita caseira que combate três grandes preocupações estéticas das mulheres

No novo episódio da rubrica Body Shaper, partilho uma massagem que ajuda a eliminar a celulite, a má circulação e a retenção de líquidos.

Saúde

CDC declara racismo ameaça à saúde pública

A agência americana focou-se no impacto deste a nível físico e emocional.