@papayalovin

A automotivação é a capacidade que o ser humano tem de se motivar através de estímulos internos. Esses estímulos estão relacionados com as nossas crenças e valores, quem somos, o que valorizamos e que verdades absolutas temos dentro de nós. Se o que queremos está de acordo com o que somos e acreditamos, ficam reunidas as motivações necessárias para atingir objetivos.

O primeiro passo para o desenvolvimento e conhecimento humano passa pela definição de metas. Isto tem de ser feito de uma forma consciente e, para tal, é necessário que haja um autoconhecimento rigoroso dos nossos valores. Para cada objetivo importa balizar as vantagens e desvantagens, bem como tentar perceber em que medida irá afetar, ou não, as restantes áreas da nossa vida.

Muitas vezes, os nossos valores estão alinhados por uma prioridade que não é benéfica num determinado momento. É de extrema importância conhecermos, em profundidade, o que valorizamos e percebermos se essa ordem está de acordo com aquilo que queremos. Isto porque, se não estiver, inconscientemente, controla os nossos passos e, por vezes, desistimos e desmotivamos sem temos essa consciência.

Quanto às crenças, importa perceber que elas podem ser potenciadoras ou limitantes. Por exemplo, se acreditarmos em algo menos positivo sobre nós próprios, isto vai acabar por condicionar o sucesso de qualquer ação a que nos propusermos. É importante questionarmos as crenças que estão a limitar os nossos objetivos. Caso haja dificuldade, a ajuda profissional desempenha um papel muito importante para que seja possível substituir limites por crenças facilitadoras.

Nos relacionamentos amorosos, é muito habitual que as pessoas se questionem. Contudo, ninguém quer que o plano a dois falhe ou termine. Um relacionamento é uma ligação efetiva com alguém que partilha os mesmos objetivos, gostos e valores. Quando um casal tem os mesmos valores, as prioridades e os objetivos passam a ser os mesmos. E só assim a relação funciona, flui. Só assim é possível valorizar uma relação.

Um casal tem de questionar o que é mais importante no dia a dia, o que valorizam, se estão de acordo com o que cada um quer para a relação. Por exemplo, se um elemento do casal, num determinado momento, passa a valorizar a amizade à relação, inconscientemente está a bloquear o relacionamento, pois os amigos vão estar sempre em primeiro lugar e o relacionamento ficará em segundo plano. O companheiro certamente vai sentir esta energia e, nesse momento, o relacionamento vai começar a ter problemas. E quando isso acontece, há que manter a calma. As nossas emoções alteram as nossas reações. Temos de acreditar que, conscientemente, podemos concentrar-nos, conectar-nos e focar-nos para que tudo comece a fluir em prol da felicidade e do amor, que é a energia mais poderosa do mundo.

Dê atenção ao seu par, valorize a sua relação, namore todos os dias, trabalhem para a relação dar certo, criem hábitos saudáveis…. Só assim terão sucesso. O mundo é vivido segundo os nossos valores e crenças, enquanto a nossa automotivação está relacionada a estes dois fatores – que mexem internamente connosco e são a causa dos nossos estímulos internos que nos permitem arriscar e alcançar os objetivos.

Após este passo importante no desenvolvimento humano, é fácil criar hábitos de sucesso, rotina de alta performance para ajudar a criar o ambiente necessário para conseguir tudo aquilo a que se propõe e que sabe que vai ajudar a mudar a sua vida. Trabalhe o seu desenvolvimento humano, procure alguém para o fazer e concretize. A sua vida vai mudar, o seu futuro será diferente. 

Palavras-chave

Assine a ACTIVA

Deixe-se inspirar, assine a ACTIVA, na sua versão em papel ou digital, a partir de €2,00 a edição. Saiba tudo aqui ASSINAR

Relacionados

Diz Quem Sabe

Desconfinar: 5 dicas para gerir a ansiedade

"Dúvidas, receios, o stress de ter de gerir tudo de novo, as saudades e o aperto no coração ao deixar os filhos na escola. Sentir tudo faz parte do processo"

Diz Quem Sabe

O mindfulness pode ser uma solução muito necessária para as empresas

Um artigo de opinião assinado pela mental coach Joana Freitas, sobre esta filosofia de que tanto se fala nos dias que correm.

Diz Quem Sabe

Telefamília: como conciliar o trabalho com o agregado familiar?

"Os pais têm novos desafios e, por conseguinte, novas rotinas. Além do teletrabalho, têm de ser capazes de gerir as rotinas dos filhos, as aulas (se estiverem em idade escolar), as brincadeiras e as refeições, entre outras atividades". Um artigo de opinião assinado pela mental coach Joana Freitas.

Mais no portal

Moda

Mafalda Carvalho mostra os desfiles (e as emoções) do último dia de Portugal Fashion

Veja tudo o que aconteceu na Alfândega do Porto.

Lifestyle

A Pizzaria Luzzo é uma das pérolas da Graça

Da comida ao ambiente, tudo é pensado para proporcionar refeições (e momentos) super agradáveis.

Lifestyle

Esta câmara trendy foi concebida para tirar selfies

Ela permite tirar, imprimir e partilhar fotografias em movimento. Um sonho para a Geração Z.

Beleza

5 cortes de cabelo clássicos que nunca saem de moda

Em equipa que ganha não se mexe.

Moda

Bailarinas: como usar estes sapatos clássicos de formas contemporâneas

Inspire-se nestas estrelas das redes sociais para adicionar estes sapatos versáteis e elegantes aos seus próximos visuais de outono.

Saúde

Cuidados a ter com a saúde íntima feminina quando as temperaturas descem

Eis as dicas de um ginecologista e obstetra dos hábitos a adotar nesta altura do ano.

Comportamento

Advogada elege as 5 razões mais comuns para o divórcio

Curiosamente, a traição não é uma delas.

Moda

Be The Change: tecidos reciclados e produção responsável com o selo de qualidade Tezenis

Uma coleção de ‘underwear’ bonita, sustentável e mais amiga do ambiente.

Diz Quem Sabe

Pele sensível e pele sensibilizada: entenda as diferenças

E saiba quais os cuidados a ter.

Saúde

Como os cuidados para bebés podem aliar-se à sustentabilidade

Opções para os pais que procuram produtos que causem o menor impacto possível no meio ambiente.

Saúde

A dor crónica não é um problema individual – é um problema de saúde pública

Um artigo de opinião assinado por um grupo de especialistas da Escola de Medicina da Universidade do Minho, a propósito do Dia Nacional da Luta Contra a Dor (15 de outubro).