@papayalovin

A automotivação é a capacidade que o ser humano tem de se motivar através de estímulos internos. Esses estímulos estão relacionados com as nossas crenças e valores, quem somos, o que valorizamos e que verdades absolutas temos dentro de nós. Se o que queremos está de acordo com o que somos e acreditamos, ficam reunidas as motivações necessárias para atingir objetivos.

O primeiro passo para o desenvolvimento e conhecimento humano passa pela definição de metas. Isto tem de ser feito de uma forma consciente e, para tal, é necessário que haja um autoconhecimento rigoroso dos nossos valores. Para cada objetivo importa balizar as vantagens e desvantagens, bem como tentar perceber em que medida irá afetar, ou não, as restantes áreas da nossa vida.

Muitas vezes, os nossos valores estão alinhados por uma prioridade que não é benéfica num determinado momento. É de extrema importância conhecermos, em profundidade, o que valorizamos e percebermos se essa ordem está de acordo com aquilo que queremos. Isto porque, se não estiver, inconscientemente, controla os nossos passos e, por vezes, desistimos e desmotivamos sem temos essa consciência.

Quanto às crenças, importa perceber que elas podem ser potenciadoras ou limitantes. Por exemplo, se acreditarmos em algo menos positivo sobre nós próprios, isto vai acabar por condicionar o sucesso de qualquer ação a que nos propusermos. É importante questionarmos as crenças que estão a limitar os nossos objetivos. Caso haja dificuldade, a ajuda profissional desempenha um papel muito importante para que seja possível substituir limites por crenças facilitadoras.

Nos relacionamentos amorosos, é muito habitual que as pessoas se questionem. Contudo, ninguém quer que o plano a dois falhe ou termine. Um relacionamento é uma ligação efetiva com alguém que partilha os mesmos objetivos, gostos e valores. Quando um casal tem os mesmos valores, as prioridades e os objetivos passam a ser os mesmos. E só assim a relação funciona, flui. Só assim é possível valorizar uma relação.

Um casal tem de questionar o que é mais importante no dia a dia, o que valorizam, se estão de acordo com o que cada um quer para a relação. Por exemplo, se um elemento do casal, num determinado momento, passa a valorizar a amizade à relação, inconscientemente está a bloquear o relacionamento, pois os amigos vão estar sempre em primeiro lugar e o relacionamento ficará em segundo plano. O companheiro certamente vai sentir esta energia e, nesse momento, o relacionamento vai começar a ter problemas. E quando isso acontece, há que manter a calma. As nossas emoções alteram as nossas reações. Temos de acreditar que, conscientemente, podemos concentrar-nos, conectar-nos e focar-nos para que tudo comece a fluir em prol da felicidade e do amor, que é a energia mais poderosa do mundo.

Dê atenção ao seu par, valorize a sua relação, namore todos os dias, trabalhem para a relação dar certo, criem hábitos saudáveis…. Só assim terão sucesso. O mundo é vivido segundo os nossos valores e crenças, enquanto a nossa automotivação está relacionada a estes dois fatores – que mexem internamente connosco e são a causa dos nossos estímulos internos que nos permitem arriscar e alcançar os objetivos.

Após este passo importante no desenvolvimento humano, é fácil criar hábitos de sucesso, rotina de alta performance para ajudar a criar o ambiente necessário para conseguir tudo aquilo a que se propõe e que sabe que vai ajudar a mudar a sua vida. Trabalhe o seu desenvolvimento humano, procure alguém para o fazer e concretize. A sua vida vai mudar, o seu futuro será diferente. 

Palavras-chave

Relacionados

Diz Quem Sabe

Desconfinar: 5 dicas para gerir a ansiedade

"Dúvidas, receios, o stress de ter de gerir tudo de novo, as saudades e o aperto no coração ao deixar os filhos na escola. Sentir tudo faz parte do processo"

Diz Quem Sabe

O mindfulness pode ser uma solução muito necessária para as empresas

Um artigo de opinião assinado pela mental coach Joana Freitas, sobre esta filosofia de que tanto se fala nos dias que correm.

Diz Quem Sabe

Telefamília: como conciliar o trabalho com o agregado familiar?

"Os pais têm novos desafios e, por conseguinte, novas rotinas. Além do teletrabalho, têm de ser capazes de gerir as rotinas dos filhos, as aulas (se estiverem em idade escolar), as brincadeiras e as refeições, entre outras atividades". Um artigo de opinião assinado pela mental coach Joana Freitas.

Mais no portal

Moda

Estas saias prometem fazer furor nas estações quentes

Apresentamos-lhe seis modelos que são ótimos investimentos tanto para a primavera como para o verão de 2021.

Lifestyle

Vamos falar sobre os deliciosos tacos japoneses do FishFish Sushi?

Às quartas-feiras, na compra de três tacos, o restaurante oferece um quarto. Uma oferta literalmente irresistível!

Body Shaper

O derradeiro plano para declarar guerra à celulite e à retenção de líquidos

O novo episódio da rubrica Body Shaper traz-lhe um plano de ataque, sublinhe-se, só com dicas caseiras.

Diz Quem Sabe

Questões a ponderar antes de avançar com uma mudança na vida profissional

A coach Lúcia Palma deixa alguns pontos a ter em conta antes de efetuar qualquer mudança neste campo.

Saúde

Os reajustes necessários para perder peso depois dos 40

Aconselhados por uma especialista.

Beleza

Base demasiado clara? Este truque do TikTok ajuda a resolver o problema

É bastante simples e económico.

Moda

Duvidamos que haja um vestido mais prático do que este

É só vestir e sair porta fora, sem pensar muito no styling.

Comportamento

Os 10 pilares de relacionamentos saudáveis

De acordo com um perito em relações amorosas, existem 10 alicerces de uma parceria que tendem a ser subestimados.

Celebridades

Ex-mulher de Travis Barker alega que o músico teve um caso com Kim Kardashian

Barker é o novo namorado de Kourtney Kardashian.

Diz Quem Sabe

O guia para criar uma selva urbana em casa

Um artigo de opinião assinado por José Luís Velasco, product manager da Gardenia, sobre os novos hábitos que se cultivaram e enraizaram em tempos de confinamento.

Comportamento

Como ser mais vulnerável num relacionamento (mesmo que isso a assuste)

O medo da rejeição faz-nos levantar a guarda e, por conseguinte, perdemos coisas boas como a intimidade e a conexão.

Diz Quem Sabe

O couro cabeludo também precisa de proteção solar

O Dr. Carlos Portinha, coordenador Clínico do Grupo Inspary, explica que o cancro da pele pode ser uma das consequências da exposição do couro cabeludo aos raios solares.