@lupus_and.i

Comemora-se hoje o Dia Mundial de Lúpus. Para a Maria, a Liliana, a Alice, o Ricardo, a Marlene, a Alexandra, a Raquel e tantos outros é mais um dia com a doença. Cada um tem uma história para contar sobre o fardo da doença nas suas vidas, ora mais suave, ora deveras pesado, um lúpus, um lupinhos ou um lupão. Carregam-no na casa, no emprego, nas aulas, nas férias, em todo o lado, todo o tempo, e as pessoas da casa às vezes até esquecem, os amigos talvez nem adivinhem e os colegas não sabem e pior….

Maria, andas mais preguiçosa nestes últimos tempos…

Eles não sabem que mesmo quando a doença não aparece na face, é o cansaço, muito cansaço, que só é minorado com uma grande força interior. Os médicos preocupam-se muito, e bem,  com os órgãos muito importantes, como o rim, mas até se esquecem, ou fingem que se esquecem, de nos falar do cansaço. Talvez não tenham, ainda, meios para nos acudir. Eu sei que já tive um cansaço enorme e foi vencido com o tratamento que fiz mas, há o outro cansaço, às vezes dizem que é fibromialgia. Vejo que os médicos ficam atrapalhados por não terem nomes para os nossos diferentes cansaços. Ah, se houvesse uma “Clínica do Cansaço” eficaz e honesta…

 Tem havido novidades muito importantes na área dos medicamentos para o Lupus Eritematoso Sistémico (LES). Como sabem há um Lúpus que se manifesta apenas na pele enquanto o LES pode atingir qualquer órgão. Após a aprovação do primeiro medicamento há meia dúzia de anos, o mesmo foi agora aprovado para o atingimento renal do lúpus, enquanto outro aguarda aprovação e alguns estão em avaliação em ensaios clínicos.

“Sabes , hoje o meu médico do lúpus propôs-me para participar num ensaio clínico e eu não sei que faça”, disse a Liliana para o seu amigo Carlos, um jovem médico.  Trouxe aqui uns papéis para ler mas continuo muito confusa. Fala em muitos riscos e a mim parece que me estão a querer fazer de cobaia, que dizes? Sabes os medicamentos não aparecem do acaso, é preciso muita investigação sobre as alterações no nosso corpo que levam à doença e depois mais investigação para criar moléculas que tentem corrigir o que está mal, depois mais investigação para ver o efeito em animais com doenças parecidas com as nossas e só depois alguns desses fármacos chegam aos ensaios clínicos nos humanos. E todo este processo é vigiado pelas autoridades competentes para minimizar os riscos. É o único caminho para termos novos medicamentos para o lúpus, não se podem inventar do nada. E riscos, Liliana, é o que vivemos todos os dias, não há vida sem riscos:  mesmo atravessando na passadeira, com luz verde para o peão é possível, e tem acontecido, sermos atropelados…

Lembro-me uma vez de um doente com um LES e com quem tinha uma grande empatia, condição essencial para o sucesso na luta contra a doença. Um dia abria ele já a porta da consulta para sair quando volta para trás e me pergunta “ doutor quando é que me cura?” Não estava a ser agressivo ou irónico, simplesmente perguntava como se perguntasse sobre a data da próxima consulta, e eu não caí porque estava sentado! Para mim era tão óbvio que não temos cura para o lúpus, assim como para a diabetes, a hipertensão e tantas e tantas outras doenças crónicas, que não me passava pela cabeça falar de cura aos meus doentes. Não os podia enganar. Então, atrasando irremediavelmente as consultas seguintes, convidei-o a sentar e expliquei-lhe como se fosse a primeira consulta o que podíamos esperar do lúpus e o que eu, a medicina atual, lhe podia oferecer. Não a cura (mas será mesmo que não devemos pensar, ambicionar, sonhar? Não é o sonho que comanda a vida?!), mas o controlo da doença de tal forma que o doente possa viver uma vida normal em qualidade e com a mesma esperança de vida como qualquer outra pessoa sem lúpus. É isso que devemos lutar por alcançar, o médico ( e todo o sistema de saúde) e o doente juntos.

Oh pá, dizia o Ricardo para a Maria na associação de doentes com Lupus, isto de ter uma doença de mulheres chateou-me bem quando me disseram pela primeira vez. Mas já estou bem, larguei devagarinho a cortisona e até estou a esquecer-me de tomar o Plaquinol, é amargo que se farta! Olha, olha, cuidado Ricardo, o meu médico costuma dizer que o Plaquinol é amargo mas não fura o estomago como alguns outros bem docinhos. E está sempre a dizer que o Plaquinol é o nosso melhor seguro de saúde, porque acalma o lupus e melhora a nossa qualidade de vida. Só temos de vigiar alguns efeitos que podem acontecer, como nos olhos. Por isso não pares de tomá-lo!

Pois é verdade, alguns doentes lúpicos param a medicação sem indicação do médico e podem arranjar problemas sérios, evitáveis. Lembro a cortisona que não pode ser parada de repente, o Plaquinol e outros. Se não sabe sobre o assunto peça ao médico ou à enfermeira/o da consulta de doenças autoimunes, de reumatologia, ou nefrologia que lhe fale sobre isto e que lhe dê algum folheto sobre o assunto.

Bom dia do Lupus Raquel e todos vós, doentes e famílias.

Palavras-chave

Mais no portal

Mais Notícias

Pastelaria Versailles: 100 anos de histórias, sabores e algumas novidades

Pastelaria Versailles: 100 anos de histórias, sabores e algumas novidades

Conheça a história por detrás do beijo de Harry e Meghan, com o qual 'anunciam' a sua nova série

Conheça a história por detrás do beijo de Harry e Meghan, com o qual 'anunciam' a sua nova série

Girl Talk: este País não é para nós

Girl Talk: este País não é para nós

Tutankhamon, Nefertiti e Cleópatra: Do Antigo Egito a faraós superstars, na Fundação Gulbenkian

Tutankhamon, Nefertiti e Cleópatra: Do Antigo Egito a faraós superstars, na Fundação Gulbenkian

PCP diz que PS quis eleições para começar política de constrangimentos para o povo

PCP diz que PS quis eleições para começar política de constrangimentos para o povo

Adepta da Croácia é a “bomba” sexy do Mundial

Adepta da Croácia é a “bomba” sexy do Mundial

Eduardo Carpinteiro Albino e José Carlos Figueiredo vencem Campeonato de Portugal de Novas Energias

Eduardo Carpinteiro Albino e José Carlos Figueiredo vencem Campeonato de Portugal de Novas Energias

Esperança de vida aos 65 anos estimada em 19,30 anos no último triénio

Esperança de vida aos 65 anos estimada em 19,30 anos no último triénio

Ligações felizes em Barcelona

Ligações felizes em Barcelona

Lancia ‘renasce’ como marca 100% elétrica

Lancia ‘renasce’ como marca 100% elétrica

O centenário de José-Augusto França

O centenário de José-Augusto França

Congresso mundial debate em Lisboa

Congresso mundial debate em Lisboa "pandemia" de diabetes que afeta um em cada 10 adultos

Atitude, arrojo e inovação: Recorde os

Atitude, arrojo e inovação: Recorde os "looks" de Letizia na entrega dos prémios Francisco Cerecedo

Ofereça beleza este Natal

Ofereça beleza este Natal

Volta a Portugal em design nos dois apartamentos da Santo Infante

Volta a Portugal em design nos dois apartamentos da Santo Infante

Bully de João Félix agride dirigente da FIFA à cotovelada

Bully de João Félix agride dirigente da FIFA à cotovelada

Kate com vestido alugado e a gargantilha de esmeraldas de Diana

Kate com vestido alugado e a gargantilha de esmeraldas de Diana

Já são conhecidos os resultados finais de um teste de seis meses à semana de quatro dias de trabalho

Já são conhecidos os resultados finais de um teste de seis meses à semana de quatro dias de trabalho

As maiores fortunas de Portugal na capa da EXAME de Dezembro

As maiores fortunas de Portugal na capa da EXAME de Dezembro

Livros: Os melhores de 2022

Livros: Os melhores de 2022

6 podcasts de true crime para detetives de bancada

6 podcasts de true crime para detetives de bancada

JL 1360

JL 1360

Decskill chega aos 500 consultores

Decskill chega aos 500 consultores

12 Mercados de Natal, de Lisboa a Sintra, com sugestões de presentes para toda a família

12 Mercados de Natal, de Lisboa a Sintra, com sugestões de presentes para toda a família

Em “Sangue Oculto”: Beni descobre todas as mentiras de Vanda

Em “Sangue Oculto”: Beni descobre todas as mentiras de Vanda

Esta Iguana move-se no universo das novelas gráficas

Esta Iguana move-se no universo das novelas gráficas

Como cresceu Archie, o filho mais velho do príncipe Harry e de Meghan Markle

Como cresceu Archie, o filho mais velho do príncipe Harry e de Meghan Markle

Manifestação no Campus de Justiça em solidariedade com ativistas em julgamento

Manifestação no Campus de Justiça em solidariedade com ativistas em julgamento

Em “Sangue Oculto”: Beni pede perdão a Teresa

Em “Sangue Oculto”: Beni pede perdão a Teresa

Dyson quer desenvolver máquinas que usam software e conectividade para se autoaperfeiçoarem

Dyson quer desenvolver máquinas que usam software e conectividade para se autoaperfeiçoarem

Mortandade de bivalves na ria Formosa ameaça sustentabilidade da amêijoa

Mortandade de bivalves na ria Formosa ameaça sustentabilidade da amêijoa

VISÃO Júnior de dezembro de 2022

VISÃO Júnior de dezembro de 2022

Natal: Presentes essenciais

Natal: Presentes essenciais

Musk: implantes de chips no cérebro estão a 6 meses de distância. E ele quer um

Musk: implantes de chips no cérebro estão a 6 meses de distância. E ele quer um

Portugueses sem poder de compra para tornar a casa mais eficiente

Portugueses sem poder de compra para tornar a casa mais eficiente

O que as unhas revelam sobre a nossa saúde

O que as unhas revelam sobre a nossa saúde

Moda: Fundo preto

Moda: Fundo preto

Eco-Rally de Lisboa: os elétricos passaram pela capital

Eco-Rally de Lisboa: os elétricos passaram pela capital

E ainda... Saramago

E ainda... Saramago

Passatempos: vê o que podes ganhar este mês!

Passatempos: vê o que podes ganhar este mês!

Criado primeiro centro integrado de Esclerose Múltipla no país

Criado primeiro centro integrado de Esclerose Múltipla no país

Universidade de Évora e Cruz Vermelha testa com sucesso baterias de segunda vida em cenário de catástrofe

Universidade de Évora e Cruz Vermelha testa com sucesso baterias de segunda vida em cenário de catástrofe