@samuelpaulartist

A 31 de maio comemora-se o Dia Mundial Sem Tabaco. Apesar de todos os esforços feitos, por várias décadas, o consumo de tabaco e os seus malefícios mantêm-se como um problema ativo na população, causando a morte a mais de 8 milhões de pessoas por ano. Assim, este deverá ser o Dia Mundial da Luta Contra o Tabaco.

Quando refletimos acerca dos malefícios do tabaco, de imediato, associamo-los ao desenvolvimento de carcinoma do pulmão, eventualmente a doença pulmonar obstrutiva crónica ou infeções respiratórias. De facto, o tabagismo é a principal causa de cancro do pulmão e está provado que a cessação tabágica, após 10 anos, pode reduzir o risco para metade.

No entanto, o tabagismo está também associado a uma pandemia (outra que não a COVID-19), que parece silenciosa, mas é a principal causa de morte em Portugalo acidente vascular cerebral (AVC). Fumar um maço de tabaco por dia aumenta em seis vezes o risco de ter um AVC e duplica o risco de morte em caso de AVC.

Os químicos, contidos em todos os tipos de tabaco, aumentam o risco de AVC isquémico, sobretudo pelo desenvolvimento de doença aterosclerótica, através de vários mecanismos, entre eles:

  • aumento do colesterol “mau” (LDL) e diminuição do colesterol “bom” (HDL);
  • diminuição da oxigenação cerebral, pelo monóxido de carbono;
  • promoção de hipertensão arterial, pela nicotina;
  • alterações da função plaquetar com formação de coágulos sanguíneos.

Estes químicos parecem ter, igualmente, um papel importante na estimulação de episódios de fibrilhação auricular, outra causa importante de AVC isquémico. Para além disto, o tabaco é também um fator de risco importante para o AVC hemorrágico, não só por aumentar em três a 10 vezes o risco de rotura de aneurismas, mas, sobretudo, pela sua associação com hipertensão arterial. Este tipo de AVC, apesar de menos frequente, é o mais letal apresentando uma mortalidade de cerca de 50%.

Felizmente, esta é uma causa prevenível de AVC e quanto mais cedo for tentada a cessação tabágica, maior é o impacto na redução do risco de AVC. Após 8h, os níveis de oxigenação sanguínea normalizam e os níveis de nicotina e monóxido de carbono diminuem em 50%. Após 2-12 semanas, verifica-se uma melhoria no sistema circulatório. Após 2-4 anos, o risco de AVC por rotura aneurismática assemelha-se ao de um não fumador. E, até 15 anos de cessação tabágica, o risco de ter um AVC é semelhante ao de quem nunca fumou.

Os benefícios da cessação tabágica são inegáveis. Procure ajuda para iniciar, hoje, esse caminho. Não queira fazer parte da contabilização anual de doentes com AVC e morte por AVC. O seu cérebro, está nas suas mãos, cigarro a cigarro (a menos).

Palavras-chave

Relacionados

Saúde

Deixar de fumar: celebridades metem as mãos no fogo por este livro

Conheça a obra que, contra todas as expectativas, ajudou estas caras conhecidas a deixar um hábito tão aditivo, quanto prejudicial.

Saúde

É isto que acontece ao corpo quando deixamos de fumar

Não adie uma decisão que pode fazer toda a diferença na sua saúde.

Mais no portal

Celebridades

Ben Affleck e Jennifer Lopez namoram em público

O casal já não esconde que reatou o namoro.

Lifestyle

Dê uma nova vida à casa de banho com estas 5 ideias

Dicas simples que podem fazer toda a diferença.

Beleza

Eis a tendência de manicure mais arrojada para este verão

Quem se atreve a experimentar?

Saúde

A nossa libido aumenta mesmo durante a ovulação?

Sempre ouvimos dizer que sim. Entenda se é verdade.

Saúde

Este alimento é capaz de reduzir o colesterol quase instantaneamente

Inclua-o na sua alimentação diária.

Saúde

Gravidez: casos leves de Covid-19 não prejudicam o bebé

As informações são reveladas por um recente estudo.

Beleza

Não vai acreditar nesta nova tendência de cores de cabelo

Uma opção para as mais aventureiras.

Moda

7 macacões perfeitos para o verão

De assinatura Zara.

Saúde

5 mitos acerca de pessoas ansiosas

Entenda algumas das características associadas à ansiedade e que não são verdade.

Moda

Verde pastel: estas fotos servem de inspiração para começar a vestir a cor do momento

A cor faz sucesso entre os Millennials e a Geração Z.