@savannasievers

A obesidade e o excesso de peso têm atualmente uma prevalência elevada entre a população ocidental e europeia. Estima-se que cerca de 1 em cada 2 europeus apresenta excesso de peso ou obesidade, o que levanta problemas significativos a nível de saúde pública. O excesso de massa gorda leva ao aparecimento de várias doenças, quer físicas quer psíquicas, como a diabetes mellitus tipo 2, hipertensão arterial, apneia do sono e roncopatia (ressonar intenso), problemas de coluna vertebral, entre outros.

Uma pessoa com índice de massa corporal (IMC – o peso, em kg, dividido pela altura, em metro, ao quadrado) superior a 30 kg/m2 é obesa. Contudo, não é o único critério. O tipo de distribuição da gordura é igualmente importante para o impacto na saúde da pessoa. Por exemplo, o excesso de gordura abdominal é muito mais grave do que o excesso de gordura nas ancas. No entanto, a composição corporal, as percentagens de massa magra, massa gorda e gordura visceral devem também ser tidas em conta. O excesso de peso é considerado a partir de um IMC superior a 25, e já acarreta algum risco para a saúde.

Nas últimas décadas, a humanidade passou de uma vida ativa para uma vida mais sedentária. A energia despendida durante o trabalho diário era muito maior até às décadas de 60 e 70 do século XX. A pandemia da obesidade iniciou-se principalmente a partir da década de 1980, e tem vindo sempre a aumentar.

Mais recentemente, devido aos confinamentos, aumentou a prevalência da obesidade – menor atividade física, mais tempo em casa e com ingestão alimentar/calórica inapropriada, muitas vezes resultante do stress social, familiar e laboral.

Na última década tem havido uma maior procura de ginásios e da prática de atividade física por uma parte da população portuguesa, o que reflete, em parte, uma preocupação relativamente ao problema do excesso de gordura. No entanto, o exercício físico não é alternativo a um cuidado alimentar cuidado. Não é a solução para o problema da obesidade, mas faz parte da solução!

Durante as duas últimas décadas, o tratamento cirúrgico da obesidade tem vindo a crescer exponencialmente. Mas é importante que a pessoa obesa reconheça que a cirurgia bariátrica é uma ajuda para controlar o problema, e tem de estar associada a uma reeducação alimentar e a uma atividade física regular.

As cirurgias bariátricas são o tratamento mais eficaz a médio e longo prazo (5 a 10 anos) da obesidade, desde que sejam entendidas pelo doente como uma ajuda para a necessidade de alteração de estilo de vida. Existem diversas técnicas cirúrgicas que podem ser utilizadas mas que devem ser realizadas por equipas cirúrgicas experientes nestes procedimentos. A título de exemplo, as cirurgias mais realizadas na Unidade Multidisciplinar de Tratamento de Obesidade e Doenças Metabólicas no Hospital CUF Porto são o bypass gástrico em Y de Roux e a gastrectomia vertical/sleeve gástrico. Atualmente, estas cirurgias são realizadas por via laparoscópica, o que permite uma recuperação mais rápida do doente, com retoma da atividade habitual ao final de poucos dias.

No tratamento do doente obeso, e principalmente na recuperação após a cirurgia bariátrica, é muito importante a pessoa manter-se ativa. Habitualmente tem alta hospitalar entre as 12 e as 36 horas após a intervenção cirúrgica e a ida para o domicílio implica que mantenha as suas atividades habituais ligeiras. É importante minimizar a perda de massa muscular, e tal só é conseguido mantendo-se ativo. É encorajada a frequência de ginásio duas vezes por semana a partir da 6ª semana após a cirurgia, com acompanhamento por profissional de exercício físico. Até essa data deve fazer caminhadas de 15 minutos várias vezes por dia, aumentando progressivamente o ritmo de caminhada bem como o tempo e distância.

Em muitos casos, após uma perda de peso eficaz, a pessoa fica com excesso de pele nalgumas partes do corpo como o abdómen, seios, parte interna das coxas, parte interna dos braços, necessitando de uma cirurgia plástica e reconstrutiva. Este é um tratamento multidisciplinar porque implica o acompanhamento da pessoa obesa por várias especialidades – como a cirurgia bariátrica, nutrição, psicologia clínica, medicina interna, endocrinologia, pneumologia, endocrinologia, medicina física e reabilitação, cirurgia plástica e reconstrutiva – para que consiga ter uma boa recuperação do seu estado de saúde e manter o peso adequado.

É importante o doente procurar um centro especializado e diferenciado, com uma equipa multidisciplinar, que englobe diversos tipos de tratamento, implementados de acordo com o índice de massa corporal do doente, permitindo desta forma um acompanhamento individualizado e personalizado às características de cada doente.

Nunca é demais relembrar que o tratamento da obesidade não deve ser adiado! Procure o seu médico!

Palavras-chave

Relacionados

Saúde

O motivo pelo qual o nosso peso flutua de dia para dia

Compreenda este fenómeno que pode ser normal ou não.

Saúde

Os três Ps que deve colocar no prato para emagrecer

De acordo com dois especialistas.

Saúde

Especialistas revelam o passo essencial para conseguir manter o peso perdido

Tão simples, mas igualmente pouco cumprido por muitos.

Mais no portal

Celebridades

Ben Affleck e Jennifer Lopez namoram em público

O casal já não esconde que reatou o namoro.

Lifestyle

Dê uma nova vida à casa de banho com estas 5 ideias

Dicas simples que podem fazer toda a diferença.

Beleza

Eis a tendência de manicure mais arrojada para este verão

Quem se atreve a experimentar?

Saúde

A nossa libido aumenta mesmo durante a ovulação?

Sempre ouvimos dizer que sim. Entenda se é verdade.

Saúde

Este alimento é capaz de reduzir o colesterol quase instantaneamente

Inclua-o na sua alimentação diária.

Saúde

Gravidez: casos leves de Covid-19 não prejudicam o bebé

As informações são reveladas por um recente estudo.

Beleza

Não vai acreditar nesta nova tendência de cores de cabelo

Uma opção para as mais aventureiras.

Moda

7 macacões perfeitos para o verão

De assinatura Zara.

Saúde

5 mitos acerca de pessoas ansiosas

Entenda algumas das características associadas à ansiedade e que não são verdade.

Moda

Verde pastel: estas fotos servem de inspiração para começar a vestir a cor do momento

A cor faz sucesso entre os Millennials e a Geração Z.