Pexels

A palavra pandemia invadiu as nossas casas nos últimos tempos. Passou a fazer parte do nosso vocabulário e até os mais pequeninos a reconhecem. Percebemos, da pior forma, o impacto de uma pandemia nas nossas vidas. Mudou a forma como víamos a vida, a saúde e a doença. Restabeleceu prioridades. Subjugou conceitos dados por inquestionáveis, como liberdade ou sociabilização. Gastou recursos. Roubou vidas. Consumiu-nos tempo e anos de vida… E desfocou-nos de outros problemas…

Agora que todos percebemos a força da palavra pandemia, está na altura de olharmos para outra pandemia. Não menos importante, não menos valorizável, e seguramente com elevado impacto em termos de morbilidade e mortalidade: A OBESIDADE. Ou, se quisermos ser mais abrangentes, em duas pandemias gémeas que eventualmente serão o espetro de um contínuo fisiopatológico: A DIABESIDADE (Diabetes & Obesidade).

Está na altura de nos voltarmos a focar nos verdadeiros problemas de saúde pública que teimamos em (fingir) ignorar…. Sob pena de chegarmos tarde demais. Está por isso na altura de, de forma séria e responsável, avaliar a dimensão do problema e elaborar estratégias de intervenção eficazes.

Deixo-vos as premissas:

  • A prevalência da obesidade aumentou em todo o mundo nos últimos 50 anos, atingindo níveis de pandemia. Em 2020, 650 milhões de pessoas viviam com obesidade. Em Portugal, de acordo com o Inquérito nacional de Alimentação e Atividade Física, que recolheu informações no período de 2015-2016, cerca de 6 em cada 10 portugueses têm excesso de peso ou obesidade (34,8% e 22,3% respetivamente). Estima-se que estes números tenham aumentado significativamente nos últimos anos, e que continuem a aumentar drasticamente. E é de salientar que aumenta proporcionalmente com a idade e inversamente com o nível socioeconómico.
  • A obesidade é uma DOENÇA CRÓNICA. É fundamental mudar o “mindset” da sociedade em geral (e dos profissionais de saúde também…), que estigmatiza estes indivíduos. É um erro acreditar que chamar obeso é um insulto à sua dignidade. A obesidade é uma doença crónica, muito complexa e multifatorial. A gordura corporal anormal ou excessiva (adiposidade) compromete a saúde, aumentando o risco de complicações a longo prazo e reduzindo a esperança de vida. Não é – apenas – um problema estético e não resulta – apenas – do excesso de ingestão alimentar.
  • A obesidade aumenta substancialmente o risco de doenças como diabetes mellitus tipo 2, hipertensão, enfarte agudo do miocárdio, acidente vascular cerebral, demência, osteoartrite, apneia obstrutiva do sono e vários tipos de cancro. E está, como tal, associada a elevada morbilidade e mortalidade. É difícil encontrar qualquer patologia que não seja mais prevalente no indivíduo obeso, ou cuja obesidade não a agrave. A Covid 19 mostrou-nos isso mesmo, com as elevadas taxas de mortalidade nestes doentes.
  • Para além da sua dimensão clínica a obesidade tem ainda grandes repercussões de dimensão económica e social. Para além do impacto direto nos custos de Saúde, está ainda associada ao desemprego e à diminuição da produtividade, e assume contornos de flagelo social.
  • Existem atualmente instrumentos e tratamentos farmacológicos de provada eficácia e segurança. Porém, por não serem comparticipados, o seu acesso é limitado a quem os pode pagar, e praticamente vedado aos setores mais desfavorecidos da sociedade, precisamente os mais afetados, onde é maior a incidência da doença.

Com tanta premissa, fica a mensagem:

A obesidade é uma das doenças mais prevalentes, mais subvalorizadas, menos diagnosticadas e menos tratadas da atualidade. Mais que um problema de saúde pública, é um problema prioritário de saúde pública!

Para o enfrentar são requeridas estratégias de prevenção, mas também de tratamento, em abordagens que combinem intervenções individuais com mudanças sociais e políticas. Abordagens que têm de envolver profissionais de saúde, mas também a sociedade civil e, naturalmente, os decisores políticos. Mas tem de ser JÁ, porque já deveria ter sido ontem!

Até quando vamos ignorar?

Palavras-chave

Assine a ACTIVA

Deixe-se inspirar, assine a ACTIVA, na sua versão em papel ou digital, a partir de €2,00 a edição. Saiba tudo aqui ASSINAR

Mais no portal

Comportamento

3 motivos para o sexo (por vezes) causar apego emocional

Eis a explicação de uma especialista, mestre em Sexologia.

Saúde

Os testes de ovulação valem mesmo a pena quando se tenta engravidar?

Esta é uma das formas de identificar o período fértil.

Beleza

O que há de novo na maquilhagem que vale a pena descobrir

Para os olhos, lábios e uma pele imaculada.

Celebridades

Ryan Reynolds afasta-se dos ecrãs

O ator anunciou uma pausa na carreira.

Beleza

Saiba como combater e prevenir a queda de cabelo sazonal

Um problema que é muito comum nesta altura do ano.

Beleza

7 passos para cuidar da pele antes de dormir

Uma rotina tão importante quanto a matinal.

Moda

4 peças em cabedal que são must-haves para o outono

E como usá-las.

Saúde

iMM-Laço Hub nasce como uma nova esperança na luta contra o cancro da mama

Com um laboratório focado na investigação em cancro da mama metastático e uma equipa especializada.

Moda

The Bra Stories: uma campanha pela luta contra o cancro da mama

Assinada pela C&A.

Moda

Andreia Dinis lança marca de roupa

Sugar n’Spice Concept é o novo projeto online da ariz.

Lifestyle

Neste hotel, a reserva de duas noites equivale à oferta da terceira

Aproveite uns dias relaxantes no campo.

Moda

À conversa com Diego Sebastian, criador da campanha 'Family Portraits' da Mango

Uma campanha não são apenas fotos bonitas dos produtos de uma marca. A mensagem é muito mais importante porque a forma como nos relacionamos com o mundo é essencialmente emocional. Daí ser curioso conversar com o homem que se esconde por detrás de uma das mais bem sucedidas campanhas da marca espanhola.