@matildadjerf

Falar da síndrome do impostor (“SI”) é falar de todos aqueles que sentem que não merecem as oportunidades que ganharam e construíram, para as quais trabalharam e são competentes. É falar de todos aqueles que carregam um medo de terrível de errar, mesmo quando fazem tudo certo, e que vivem na ansiedade mortífera de falhar, sem razão aparente. Vários estudos indicam que 70% das pessoas sofreram com SI em um ou mais momentos da sua vida.

Afinal, em que consiste este síndrome?

A Síndrome do Impostor é uma experiência interna caracterizada por um conjunto de crenças e pensamentos que impedem as pessoas de assimilar suas conquistas, elogios e sucessos, apesar de haver evidências em contrário. Eles tendem a minimizar e minar seu próprio sucesso.

Esta síndrome ficou conhecida e referenciada na literatura científica no final da década de 1970 pelas psicólogas clínicas Pauline Clance e Suzanne Imes quando observaram diferentes personalidades da área do cinema, incapazes de aceitar seu sucesso, atribuindo as suas realizações à sorte, ao invés de reconhecer a sua habilidade, temendo ser uma fraude.

As principais características da SI são crenças, pensamentos ou sentimentos, tais como:
• Os outros têm uma visão exagerada de si e das suas capacidades.
• “Você inevitavelmente irá dececionar todo o mundo”.
• A sua capacidade de fazer algo nega o seu valor.
• Medo exagerado de errar, associado a sintomas de ansiedade (exemplo: serei demitido do meu emprego se não fizer X; ou não conseguirei a promoção porque cheguei a uma reunião cinco minutos atrasado).
• Acha que tudo o que conquistou se deve à sorte;

É importante notar que cada pessoa experimenta a síndrome do impostor de maneira diferente e com intensidade variável.

Existem também diferentes tipos de “impostores”:
• O perfeccionista: procuram sempre que as coisas saiam “perfeitamente”. A sua principal preocupação é “como” algo é feito. Um pequeno erro ou defeito é suficiente para classificá-lo como um fracasso e leva a sentimentos de vergonha e culpa.
• O especialista: procuram saber tudo. A sua principal preocupação é sobre “o que” e “quanto” eles sabem ou podem fazer. Diante da menor falta de conhecimento sobre algo, eles se sentem um fracasso.
• O solista: são as pessoas que precisam de fazer as coisas sozinhos, sem ajuda de ninguém. A sua principal preocupação é “quem” completa o trabalho. Se alguém os ajuda, eles interpretam isso como um sinal da sua fraqueza e fracasso.
• O génio natural: todos aqueles que visam alcançar seus objetivos de forma rápida e sem esforço. Eles começam a duvidar de si mesmos e ficam muito envergonhados quando as coisas começam a ficar difíceis, ou não conseguem na primeira tentativa.
• O Super Homem / A Super Mulher: são as pessoas que baseiam o seu sucesso em quantos papéis diferentes eles podem desempenhar. Precisa ser um bom pai/mãe, filho, companheiro, chefe, irmão e/ou amigo, entre outros. Eles sempre trabalham mais e não tiram dias de folga. Se eles não podem desempenhar nenhum dos muitos papéis perfeitamente, eles se sentem uma fraude completa

Durante a nossa vida, seja no âmbito profissional ou pessoal, existem várias razões pelas quais experimentamos a SI, tais como:
• Situações de Transição ou mudança (Um novo emprego, um novo papel ou uma mudança na sua vida pessoal, como se tornar pai ou mãe, pode desencadear ou aumentar esses sentimentos. Todos esses eventos nos empurram para fora da nossa zona de conforto.)
• Normas tradicionais de género (exemplo: Há menos mulheres do que homens em cargos de chefia. Apesar dos avanços neste campo, o sucesso da mulher na carreira é comparado ao impacto que isso poderá ter na sua família, o que não acontece com os homens. Esses tipos de mensagens conflitantes impedem as mulheres de assumirem posições de sucesso.)
• Minorias (situações em que é o único com determinada opinião ou em determinado contexto: exemplo – trabalhar numa equipa onde é a única pessoa de cor diferente.)

Isso pode fazê-lo sentir como se não pertencesse, apesar das suas qualificações e conquistas. Pode parecer que representa não apenas a si mesmo, mas um grupo social, aumentando a pressão. Chegados a este ponto cabe perguntar: Síndrome do impostor, será que eu tenho? Considere as seguintes questões:

• Sinto que as oportunidades que tive até agora se devem à sorte?
• Quando tenho novos desafios, duvido da minha capacidade de enfrentá-los?
• Estou desmotivado para novas oportunidades?
• Acho que as coisas que foram bem no passado vão dar errado agora?
• Preocupa-me que as pessoas descubram que sou uma fraude?
• Comparo-me com outras pessoas?
• Não estou satisfeito com as coisas que faço?
• Acho que não mereço o sucesso que tive?

Se respondeu “Sim” a várias perguntas, é provável se sinta um impostor na sua própria história de vida e conquistas. Para combater a SI é importante questionar e reformular pensamentos:

• Esse pensamento é realmente verdadeiro?
• O que estou a sentir está relacionado a uma situação específica? Por quê?
• Como este pensamento me ajuda ou me atrapalha?
• Existe uma maneira alternativa de olhar para a situação?

Reconheça seus sucessos. Da próxima vez que o parabenizarem ou elogiarem tente dizer obrigado com um sorriso, já será uma grande mudança. E, se algum dos seus esforços não tiver dado certo ou o resultado esperado, pense sempre no que pode aprender com esta situação. O seu esforço também deve ser comemorado e
reconhecido.

Palavras-chave

Assine a ACTIVA e receba uma fabulosa OFERTA da LIERAC. ASSINE AQUI

Mais no portal