o diagnóstico da anemia e da deficiência de ferro é muito fácil de fazer: basta uma pequena análise de sangue
Foto Pexels/ Karolina Grabowska

Foi em 2016 que, na sequência da realização do estudo EMPIRE, se ficou a saber que a anemia afetava cerca de 2 em cada 10 portugueses, um valor muito superior ao estimado. Seis anos depois, esta continua a ser um problema de saúde pública e não tem sido por falta de divulgação.

Ao longo dos últimos seis anos, o Anemia Working Group Portugal (AWGP) manteve, tal como lhe competia, a sua missão de divulgação e de alerta. Conseguiu até levar o assunto à Assembleia da República que, em outubro de 2021, recomendou a instituição do Dia Nacional da Anemia (26 de novembro). Mas, por força da pandemia, o tema acabou por ficar para segundo plano. Agora, é hora de voltar novamente as atenções para o que continua a ser um grande problema de saúde pública.

É preciso reforçar a sensibilização dos profissionais de saúde e da população para o problema da anemia. É preciso alertar para a sua elevada prevalência na população adulta e colocar, no foco da prática clínica, a importância de diagnosticar precocemente a anemia e a deficiência de ferro, sobretudo nas populações mais vulneráveis, como é o caso das mulheres, das grávidas e dos idosos.

É ainda preciso que se façam mais iniciativas de rastreio e não há razões que justifiquem que assim não seja. É que o diagnóstico da anemia e da deficiência de ferro é muito fácil de fazer: basta uma pequena análise de sangue, que nem sequer é dispendiosa.

Finalmente, é preciso sensibilizar a população em geral, já que, na minha opinião, os portugueses não são suficientemente conhecedores dos sintomas e sinais da anemia e da deficiência de ferro e não os identificam eficazmente. O problema, aqui, é a literacia em saúde, ou a falta dela, sendo necessário mais investimento nesta área.

Até porque estes sinais e sintomas instalam-se, muitas vezes, de modo subtil e progressivo e, por essa razão, não geram sintomatologia suficientemente evidente para que o próprio a identifique. Porém, quando a pessoa se sente debilitada, com fraqueza generalizada, por vezes associando o seu problema a uma eventual depressão, se cansa com demasiada facilidade, tem dificuldades de concentração diariamente no seu trabalho, nota o seu cabelo e unhas quebradiças ou, no caso das mulheres, tem perdas menstruais demasiado abundantes ou inabituais, deve procurar o seu médico, porque pode estar presente uma situação de anemia ou de deficiência de ferro.

E, quando não tratada, a anemia tem implicações diretas na situação de saúde de um doente devido aos sinais e sintomas que ocasiona, mas também pode complicar situações de doença preexistente, como doenças cardíacas ou pode implicar riscos acrescidos de hospitalização e tratamento de um doente cirúrgico.

O primeiro passo é então o do diagnóstico precoce, através da realização de uma simples análise de sangue. Depois, são duas as formas para abordar o problema: tratar a anemia (o mais frequente é administrar ferro) e diagnosticar a sua causa, já que o tratamento depende da causa e existe uma grande diversidade de causas possíveis.

Finalmente, importa ainda referir o PBM (Patient Blood Management), um conceito extremamente simples, mas que tem revelado uma curiosa complexidade na sua implementação. É preciso assumir que o sangue de cada doente é tão precioso, que se devem tomar todas as medidas para a sua preservação e tentar evitar uma transfusão. Porquê? Porque isso vai traduzir-se em tratamentos organizados, com menos riscos e com cuidados de saúde menores, com tempo de qualidade de internamento hospitalar mais curtos e outros ganhos para o doente e para o sistema de saúde, que poupa recursos, poupa sangue e poupa muito dinheiro.

E para isto muito contribui a correção atempada da anemia. Segundo números da Comissão Europeia, em 2017, na União Europeia, 20 a 40% das cirurgias major eram efetuadas em doentes com anemia não corrigida, o que significa que várias oportunidades para a corrigir foram desaproveitadas desde o diagnóstico inicial até ao bloco operatório. O que podemos fazer? Começar por corrigir a anemia logo no início; organizar os cuidados entre os médicos assistentes na comunidade e os serviços hospitalares, para que todos se empenhem em tratar cada um em particular, no sentido de não ser operado em situação de anemia. É preciso que a Patologia Clínica (Laboratório), a Imuno-hemoterapia, a Anestesiologia e as especialidades Cirúrgicas e Médicas se organizem em torno deste princípio. É preciso que as direções clínicas liderem este processo e que as administrações incentivem a implementação destas práticas.

João Mairos, presidente do Anemia Working Group Portugal

Os textos nesta secção refletem a opinião pessoal dos autores. Não representam a ACTIVA nem espelham o seu posicionamento editorial.

Palavras-chave

Mais no portal

Mais Notícias

Conheça as empresas distinguidas nas 1000 PME

Conheça as empresas distinguidas nas 1000 PME

Arte nas paredes? 20 pósteres para ter em casa

Arte nas paredes? 20 pósteres para ter em casa

Em “Flor Sem Tempo”: Diana maltrata Catarina porque está feita com Luís

Em “Flor Sem Tempo”: Diana maltrata Catarina porque está feita com Luís

Vicaima antecipa as principais tendências para 2023

Vicaima antecipa as principais tendências para 2023

Sofá e pufe Loop, é mesmo divertido sentar

Sofá e pufe Loop, é mesmo divertido sentar

Leão (da Peugeot) cada vez mais verde

Leão (da Peugeot) cada vez mais verde

Cenoura-brava: dormir e jantar sem sair do lugar

Cenoura-brava: dormir e jantar sem sair do lugar

Maison Sisley, em Lisboa: A arte do bem-estar

Maison Sisley, em Lisboa: A arte do bem-estar

Homem do Leme: Anna

Homem do Leme: Anna

Duas leituras visuais para pensar os extremos dias de hoje

Duas leituras visuais para pensar os extremos dias de hoje

Georgina Rodriguez diverte-se com os filhos no deserto

Georgina Rodriguez diverte-se com os filhos no deserto

Maior avião elétrico e a hidrogénio voa durante dez minutos no Reino Unido

Maior avião elétrico e a hidrogénio voa durante dez minutos no Reino Unido

Enfermeiros da Madeira lamentam falta de resposta sobre compensações

Enfermeiros da Madeira lamentam falta de resposta sobre compensações

Daniel Oliveira e Andreia Rodrigues aproveitam fim de semana com as filhas na neve

Daniel Oliveira e Andreia Rodrigues aproveitam fim de semana com as filhas na neve

Vencedores dos passatempos da edição n.º 223

Vencedores dos passatempos da edição n.º 223

Receita de Bifes de couve-flor com puré de ervilhas, por Maria de Oliveira Dias

Receita de Bifes de couve-flor com puré de ervilhas, por Maria de Oliveira Dias

Em “Flor Sem Tempo”: Leonor ameaça voltar a Vila Santa e vingar-se

Em “Flor Sem Tempo”: Leonor ameaça voltar a Vila Santa e vingar-se

Saiba como participar no casting para os novos “Morangos com Açúcar”

Saiba como participar no casting para os novos “Morangos com Açúcar”

Já começou a campanha eleitoral de 'Miúdos a Votos'!

Já começou a campanha eleitoral de 'Miúdos a Votos'!

Shakespeare musical no Trindade

Shakespeare musical no Trindade

Governo admite problemas na operação da Transtejo/Soflusa mas diz estar a resolver questão

Governo admite problemas na operação da Transtejo/Soflusa mas diz estar a resolver questão

Que Brasil é esse?, questiona Jonathas de Andrade em

Que Brasil é esse?, questiona Jonathas de Andrade em "Olho-Faísca", no MAAT

Quando a arte desaparece

Quando a arte desaparece

Lisboa começa a produzir unicórnios a partir de… hoje

Lisboa começa a produzir unicórnios a partir de… hoje

Canon EOS R50 e R8: Duas novas câmaras para os que procuram evoluir na fotografia

Canon EOS R50 e R8: Duas novas câmaras para os que procuram evoluir na fotografia

Governo estuda benefícios para empresas que desincentivem uso de transporte individual

Governo estuda benefícios para empresas que desincentivem uso de transporte individual

Paixão pela tauromaquia leva Victoria Federica de Marichalar a receber prémio:

Paixão pela tauromaquia leva Victoria Federica de Marichalar a receber prémio: "É uma bonita herança que recebi da minha família"

O sismo de 1969 em Lisboa contado das primeiras páginas dos jornais da época

O sismo de 1969 em Lisboa contado das primeiras páginas dos jornais da época

Afinal, há mais vida a sobreviver na escuridão dos oceanos do que se pensava

Afinal, há mais vida a sobreviver na escuridão dos oceanos do que se pensava

Cabaz de bens alimentares essenciais custa 30% do salário mínimo

Cabaz de bens alimentares essenciais custa 30% do salário mínimo

Dead Space em análise: O bom filho à casa torna

Dead Space em análise: O bom filho à casa torna

Conheça 26 modelos de mesas de apoio

Conheça 26 modelos de mesas de apoio

Portugal precisa de uma limpeza

Portugal precisa de uma limpeza

Exposição prolongada a poluição do ar associada a maior probabilidade de depressão e ansiedade

Exposição prolongada a poluição do ar associada a maior probabilidade de depressão e ansiedade

Cartazes de apelo ao voto

Cartazes de apelo ao voto

Teletrabalho vai ser alargado a pais com filhos com doença oncológica

Teletrabalho vai ser alargado a pais com filhos com doença oncológica

População de coruja-das-torres em Portugal alvo de primeiro censo nacional

População de coruja-das-torres em Portugal alvo de primeiro censo nacional

Na reta final da gravidez, Júlia Belard partilha nova foto da barriga

Na reta final da gravidez, Júlia Belard partilha nova foto da barriga

Inteligência Artificial consegue prever eficácia de quimioterapia contra cancro da mama

Inteligência Artificial consegue prever eficácia de quimioterapia contra cancro da mama

A coleção vibrante primavera-verão 2023 de Alexis Mabille desfila em Paris

A coleção vibrante primavera-verão 2023 de Alexis Mabille desfila em Paris

Para evento em Alicante, Letizia recupera vestido que estreou há um ano em Viena

Para evento em Alicante, Letizia recupera vestido que estreou há um ano em Viena

Tesla Model S Plaid em teste: Mostrar quem manda

Tesla Model S Plaid em teste: Mostrar quem manda