o diagnóstico da anemia e da deficiência de ferro é muito fácil de fazer: basta uma pequena análise de sangue
Foto Pexels/ Karolina Grabowska

Foi em 2016 que, na sequência da realização do estudo EMPIRE, se ficou a saber que a anemia afetava cerca de 2 em cada 10 portugueses, um valor muito superior ao estimado. Seis anos depois, esta continua a ser um problema de saúde pública e não tem sido por falta de divulgação.

Ao longo dos últimos seis anos, o Anemia Working Group Portugal (AWGP) manteve, tal como lhe competia, a sua missão de divulgação e de alerta. Conseguiu até levar o assunto à Assembleia da República que, em outubro de 2021, recomendou a instituição do Dia Nacional da Anemia (26 de novembro). Mas, por força da pandemia, o tema acabou por ficar para segundo plano. Agora, é hora de voltar novamente as atenções para o que continua a ser um grande problema de saúde pública.

É preciso reforçar a sensibilização dos profissionais de saúde e da população para o problema da anemia. É preciso alertar para a sua elevada prevalência na população adulta e colocar, no foco da prática clínica, a importância de diagnosticar precocemente a anemia e a deficiência de ferro, sobretudo nas populações mais vulneráveis, como é o caso das mulheres, das grávidas e dos idosos.

É ainda preciso que se façam mais iniciativas de rastreio e não há razões que justifiquem que assim não seja. É que o diagnóstico da anemia e da deficiência de ferro é muito fácil de fazer: basta uma pequena análise de sangue, que nem sequer é dispendiosa.

Finalmente, é preciso sensibilizar a população em geral, já que, na minha opinião, os portugueses não são suficientemente conhecedores dos sintomas e sinais da anemia e da deficiência de ferro e não os identificam eficazmente. O problema, aqui, é a literacia em saúde, ou a falta dela, sendo necessário mais investimento nesta área.

Até porque estes sinais e sintomas instalam-se, muitas vezes, de modo subtil e progressivo e, por essa razão, não geram sintomatologia suficientemente evidente para que o próprio a identifique. Porém, quando a pessoa se sente debilitada, com fraqueza generalizada, por vezes associando o seu problema a uma eventual depressão, se cansa com demasiada facilidade, tem dificuldades de concentração diariamente no seu trabalho, nota o seu cabelo e unhas quebradiças ou, no caso das mulheres, tem perdas menstruais demasiado abundantes ou inabituais, deve procurar o seu médico, porque pode estar presente uma situação de anemia ou de deficiência de ferro.

E, quando não tratada, a anemia tem implicações diretas na situação de saúde de um doente devido aos sinais e sintomas que ocasiona, mas também pode complicar situações de doença preexistente, como doenças cardíacas ou pode implicar riscos acrescidos de hospitalização e tratamento de um doente cirúrgico.

O primeiro passo é então o do diagnóstico precoce, através da realização de uma simples análise de sangue. Depois, são duas as formas para abordar o problema: tratar a anemia (o mais frequente é administrar ferro) e diagnosticar a sua causa, já que o tratamento depende da causa e existe uma grande diversidade de causas possíveis.

Finalmente, importa ainda referir o PBM (Patient Blood Management), um conceito extremamente simples, mas que tem revelado uma curiosa complexidade na sua implementação. É preciso assumir que o sangue de cada doente é tão precioso, que se devem tomar todas as medidas para a sua preservação e tentar evitar uma transfusão. Porquê? Porque isso vai traduzir-se em tratamentos organizados, com menos riscos e com cuidados de saúde menores, com tempo de qualidade de internamento hospitalar mais curtos e outros ganhos para o doente e para o sistema de saúde, que poupa recursos, poupa sangue e poupa muito dinheiro.

E para isto muito contribui a correção atempada da anemia. Segundo números da Comissão Europeia, em 2017, na União Europeia, 20 a 40% das cirurgias major eram efetuadas em doentes com anemia não corrigida, o que significa que várias oportunidades para a corrigir foram desaproveitadas desde o diagnóstico inicial até ao bloco operatório. O que podemos fazer? Começar por corrigir a anemia logo no início; organizar os cuidados entre os médicos assistentes na comunidade e os serviços hospitalares, para que todos se empenhem em tratar cada um em particular, no sentido de não ser operado em situação de anemia. É preciso que a Patologia Clínica (Laboratório), a Imuno-hemoterapia, a Anestesiologia e as especialidades Cirúrgicas e Médicas se organizem em torno deste princípio. É preciso que as direções clínicas liderem este processo e que as administrações incentivem a implementação destas práticas.

João Mairos, presidente do Anemia Working Group Portugal

Os textos nesta secção refletem a opinião pessoal dos autores. Não representam a ACTIVA nem espelham o seu posicionamento editorial.

Palavras-chave

Mais no portal

Mais Notícias

Enfermeiros em Viseu paralisam serviços e marcam nova greve para 24 de fevereiro

Enfermeiros em Viseu paralisam serviços e marcam nova greve para 24 de fevereiro

APA diz que empresa tem 6 meses para reformular projeto da mina de lítio em Montalegre

APA diz que empresa tem 6 meses para reformular projeto da mina de lítio em Montalegre

Agenda para pais e filhos: o que fazer em fevereiro com os seus filhos

Agenda para pais e filhos: o que fazer em fevereiro com os seus filhos

Arcaico: Estas conservas portuguesas são 100% artesanais

Arcaico: Estas conservas portuguesas são 100% artesanais

Downloads cósmicos

Downloads cósmicos

Cabaz de bens alimentares essenciais custa 30% do salário mínimo

Cabaz de bens alimentares essenciais custa 30% do salário mínimo

Moda: Esquiar com estilo

Moda: Esquiar com estilo

Massandra 1949: uma viagem pela História das Guerras

Massandra 1949: uma viagem pela História das Guerras

Três floristas para encher a casa de alegria e bons cheiros

Três floristas para encher a casa de alegria e bons cheiros

Massagens na boca? Aqui se explica o que é e porque as celebridades as adoram

Massagens na boca? Aqui se explica o que é e porque as celebridades as adoram

Fevereiro na CARAS Decoração

Fevereiro na CARAS Decoração

Aquecimento: o decorativo e escultórico radiador Milano

Aquecimento: o decorativo e escultórico radiador Milano

CARAS Decoração de fevereiro: conforto é o novo luxo

CARAS Decoração de fevereiro: conforto é o novo luxo

A 'resposta' de Shakira depois de Piqué publicar a primeira fotografia com a nova namorada, Clara Chía

A 'resposta' de Shakira depois de Piqué publicar a primeira fotografia com a nova namorada, Clara Chía

"Quero explicar que não sou essa pessoa". Ex-comandante do Grupo Wagner da Rússia pede desculpa

Bacia do Barlavento algarvio continua com quantidade de água abaixo da média

Bacia do Barlavento algarvio continua com quantidade de água abaixo da média

Não contem comigo!

Não contem comigo!

M.Ou.Co, no Porto: Um hotel embalado pela música

M.Ou.Co, no Porto: Um hotel embalado pela música

iServices lança campanha de reparações com o mote do dia de São Valentim

iServices lança campanha de reparações com o mote do dia de São Valentim

Paixão pela tauromaquia leva Victoria Federica de Marichalar a receber prémio:

Paixão pela tauromaquia leva Victoria Federica de Marichalar a receber prémio: "É uma bonita herança que recebi da minha família"

Afinal, a princesa Leonor esteve em Espanha para celebrar o aniversário do pai, Felipe VI

Afinal, a princesa Leonor esteve em Espanha para celebrar o aniversário do pai, Felipe VI

Mostramos tudo com estas 20 peças transparentes

Mostramos tudo com estas 20 peças transparentes

Novos casos de cancro em Portugal correspondem a dois terços dos nascimentos anuais - DGS

Novos casos de cancro em Portugal correspondem a dois terços dos nascimentos anuais - DGS

VISÃO Se7e - Com as mãos na massa: A moda da cerâmica e os novos restaurantes italianos

VISÃO Se7e - Com as mãos na massa: A moda da cerâmica e os novos restaurantes italianos

Stéphanie do Mónaco, a 'princesa rebelde', celebra 58 anos

Stéphanie do Mónaco, a 'princesa rebelde', celebra 58 anos

Livros: 7 novidades e um passatempo

Livros: 7 novidades e um passatempo

Nissan mostra protótipo do conceito elétrico Max-Out

Nissan mostra protótipo do conceito elétrico Max-Out

Perímetro abdominal: Mario Kart de Super Nintendo World não é para todos

Perímetro abdominal: Mario Kart de Super Nintendo World não é para todos

YouTuber deixou o seu peixe jogar Switch. Peixe gastou dinheiro na eShop e revelou dados de cartão de crédito

YouTuber deixou o seu peixe jogar Switch. Peixe gastou dinheiro na eShop e revelou dados de cartão de crédito

Leão (da Peugeot) cada vez mais verde

Leão (da Peugeot) cada vez mais verde

“Sou uma mulher trans, sou preta, sou brasileira. Os últimos dias foram assustadores”

“Sou uma mulher trans, sou preta, sou brasileira. Os últimos dias foram assustadores”

Luana Piovani despede-se da novela

Luana Piovani despede-se da novela

A coleção vibrante primavera-verão 2023 de Alexis Mabille desfila em Paris

A coleção vibrante primavera-verão 2023 de Alexis Mabille desfila em Paris

Em “Sangue Oculto”: Júlia e João unem-se para matar Carmo

Em “Sangue Oculto”: Júlia e João unem-se para matar Carmo

Lisboa começa a produzir unicórnios a partir de… hoje

Lisboa começa a produzir unicórnios a partir de… hoje

Fairly Normal: um pé no surf e outro na sala de reuniões

Fairly Normal: um pé no surf e outro na sala de reuniões

Consumo de eletricidade cresce 4,1% em janeiro e renováveis abastecem 88%

Consumo de eletricidade cresce 4,1% em janeiro e renováveis abastecem 88%

Em “Flor Sem Tempo”: Catarina e os irmãos choram a morte da mãe

Em “Flor Sem Tempo”: Catarina e os irmãos choram a morte da mãe

Análise em vídeo ao primeiro 100% elétrico da Toyota, o BZ4X

Análise em vídeo ao primeiro 100% elétrico da Toyota, o BZ4X

Homem do Leme: Anna

Homem do Leme: Anna

VOLT Live: como serão os custos dos carregamentos em 2023

VOLT Live: como serão os custos dos carregamentos em 2023

Vencedores dos passatempos da edição n.º 223

Vencedores dos passatempos da edição n.º 223