Screen20Shot202017-10-0320at201.43.2520PM.png

Reprodução/Instagram

Rachel Nash estava no seu canto quando recebeu uma série de mensagens de um ex-colega, com quem não falava há dois anos.

“Sabes o que me surpreende em ti, Rachel?” começou por escrever. “Sempre que vejo uma fotografia tua, pareces estar mais gorda. E, de alguma forma, mais feia. Mais gorda, até compreendo. Mas como é que ficas mais feia?”

IMG_6401.JPG_0.jpg

D.R.

A enfermeira, de 30 anos, ficou compreensivelmente irritada com as palavras que acabara de ler e, além disso, não percebia o motivo de tanto ódio.

“Primeiro, pensei: ‘A sério? São 8h30 da manhã de uma quarta-feira. Não tens nada melhor para fazer com a tua vida?'” contou à revista ‘Shape’. “Depois, fiquei chateada com o fato de um homem adulto, a quem as pessoas confiam as suas vidas, achar que não há problema em falar com alguém, especialmente uma mulher, dessa forma”.

O homem em questão é um médico com quem Rachel tinha trabalhado no passado e, na altura, ele estava numa relação muito instável com uma das suas amigas.

“Quando eles passavam por fases conturbadas, eu tentava apoiar a minha amiga, o que fez com que ele me passasse a tratar de uma maneira muito hostil. Ele não gostava do fato de eu a encorajar a sair da relação.”

Eventualmente, o casal separou-se e o doutor mudou-se para o Texas. Rachel nunca mais ouviu falar dele… até ao envio das mensagens.

“Não sei o que o levou a dizer-me algo passado tanto tempo. Acredito que ele viu uma das minhas fotografias no Facebook e pensou essa que seria a forma perfeita de me magoar e de ter poder sobre mim, como uma forma de vingança por eu ter apoiado a sua ex-namorada,” explicou. “Se isto me tivesse acontecido mais cedo, quando estava na casa dos 20, teria ficado muito magoada. Mas passei os últimos anos a aprender a ser mais confiante, especialmente graças ao movimento do positivismo corporal e, sinceramente, achei ridículo que ele pensasse que as suas palavras tinham qualquer autoridade sobre a minha beleza e o meu corpo.”

Screen20Shot202017-10-0320at201.44.2620PM.png

Reprodução/Instagram

Em vez de ignorar o sucedido, Rachel respondeu e marcou a sua posição.

“Prefiro mil ser feia por fora do que por dentro (…) Por favor, elimina-me dos teus contactos, uma vez que prefiro não gastar o meu tempo e energia a falar novamente contigo.”

E a resposta não ficou por aí: também o aconselhou a fazer terapia e ameaçou fazer queixa de perseguição à sua entidade patronal. Foi o suficiente para calá-lo de vez.

download_0.jpg

D.R.

Apesar de o médico não ter respondido, Rachel sentiu-se liberada depois de dizer como se sentia. E é por isso que defende que as pessoas devem responder e fazer frente aos bullies.

“Sim, já tive problemas em aceitar o meu corpo no passado, e às vezes ainda tenho. Mas não vou deixar que alguém seja responsável por como me sinto em relação a mim mesma,” afirmou à ‘Shape’. “Defendam-se, porque mais ninguém o vai fazer por vocês.”

Palavras-chave

Já nas bancas!

Assine a ACTIVA e receba o perfume da Carven. Dans Ma Bulle Assine já

Relacionados

O desfecho hilariante da história da mãe que viu um "bebé fantasma" a dormir ao lado do filho

Um relato que começa de forma aterradora, acaba por se revelar bastante cómico.

Armazéns do Chiado celebram 20º aniversário com experiências únicas

O espaço está de parabéns, mas quem ganha prendas é o público.

Kataleya à (auto)descoberta da Índia: o que é que Rishikesh tem?

O sonho da cantora Kataleya de conhecer a a Índia materializou-se, e está a partilhar esta jornada com a ACTIVA. Hoje, fala-nos sobre a cidade de Rishikesh.

Mais no portal

Assine 1 ano (12 edições) por 42€ e receba um perfume Carven

Assine Já!