“It’s a Man’s Man’s Man’s World”, cantava James Brown em 1966. O mundo vivia uma segunda onda do movimento feminista, na qual mulheres reivindicavam o direito à igualdade de géneros e o fim da discriminação. Neste mesmo ano, em Portugal, o voto feminino ainda era restrito a mulheres com alto nível de escolaridade ou chefes de família; as carreiras de magistratura, diplomacia, militar e polícia eram proibidas e o código civil, apesar de consagrar a igualdade entre os cônjuges, ainda determinava que a mulher precisava de autorização do marido para firmar um contrato, administrar uma propriedade privada e até para viajar para o exterior. 

Também em 1966, Portugal já tinha visto o primeiro filme realizado por uma mulher – Bárbara Virgínia, com “Três Dias sem Deus”, de 1946; a primeira doutorada em Portugal – Elza Paxeco doutorou-se em 1938 na Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa; a primeira mulher a exercer funções de polícia – Ermelinda Mendes foi alistada em 1930 apesar de não ser permitida a ascensão na carreira; a primeira mulher a ir contra o código civil e tornar-se advogada –Regina Quintanilha conseguiu autorização do presidente do Supremo Tribunal de Justiça para exercer a profissão restrita para homens em 1913. Mulheres retratadas em “As Primeiras: Pioneiras Portuguesas num mundo de Homens”, um livro que é quase como uma enciclopédia  de histórias que podem ter ficado esquecidas para muitas pessoas. 

Bárbara Virgínia – a primeira realizadora de cinema portuguesa

São 59 mini biografias de mulheres que ousaram ir contra a frase de James Brown. Dentro de duas ou três páginas, Luísa de Paiva Boléo e M. Margarida Pereira-Muller escrevem de forma direta quem foram e o que fizeram cada uma destas figuras. “Queríamos um livro fácil de ler, intimista, e que atraísse um grupo etário o mais amplo possível”, explica Margarida. Luísa completa, “Vai ser lido e consultado, queremos que seja uma referência. Se há dúvida, vão saber através deste livro.” 

O livro retrata, por exemplo, a história de Carolina Beatriz Ângelo, a primeira mulher a votar em Portugal, em 1911, apesar de o voto feminino só ser concedido em 1931. “A lei eleitoral da jovem República Portuguesa concedia o voto a todos os chefes de família que soubessem ler e escrever. Não especificava se os chefes de família eram homens ou mulheres. Carolina Ângelo lutou por esse direito, pois era viúva, mãe e sabia ler e escrever. Conseguiu votar mas… dois anos depois a lei foi alterada para que só homens o pudessem fazer! O poder masculino sentiu-se verdadeiramente ameaçado e tratou logo de travar as mulheres”, explica Maria Margarida. 

Carolina Beatriz Ângelo com os seus colegas do Curso Médico-Cirúrgico, em 1902.

Ao ler as 59 biografias percebe-se que são muitas as áreas em que as mulheres só tiveram destaque no século XX. “Pelo menos para o caso de Portugal, com a Constituição de 1976, todas as carreiras proibidas foram abertas às mulheres.Com o acesso ao ensino sem limitações, o direito de votar e com a sua tenacidade vão ganhando o seu espaço no mundo ocidental”, diz Luísa, que completa: “Na lei portuguesa, foi nos inícios da década de 1990 que os empregadores são obrigados a colocar nos pedidos de emprego M/F, e então sim foram abertas muitas possibilidades às mulheres de escolher a sua profissão. Mas ainda em 2019 há muitas profissões onde os homens dificilmente admitem mulheres.”

Mesmo assim, recorda a autora, o livro também traz histórias de mulheres que, ao contrário do que se pensa, não “lutaram” mas foram convidadas a assumirem cargos importantes. “Posso exemplificar com Maria de Lourdes Pintasilgo (primeira primeira-ministra portuguesa), que foi convidada, e as Procuradora Geral da República (Joana Marques Vidal) e Provedora de Justiça (Lúcia Amaral). Veja o currículo que tinham para assumirem os cargos e, no caso das duas primeiras, a eficiência nos resultados no fim dos mandatos.”

“They say that it’s a man’s world. But you can’t prove that by me”, cantava Aretha Franklin, em 1967. A história não muda, mas é com exemplos que contrariam o senso comum que o futuro é construído. É no que acredita Luísa: “Pode acontecer haver jovens indecisas quanto a uma profissão não “tradicional” e, quem sabe, encontrar nas Forças Armadas uma carreira. Podem ter como exemplo uma Rosa Ramalho (primeira barrista de renome internacional) na área do artesanato. A partir de uma oficina própria vender a partir da internet. Ou arriscar num desporto radical e serem “outra” Elisabete Jacinto (primeira campeã em ralis todo-o-terreno em camião) em breve?” Maria Margarida complementa, ao lembrar que para educar as meninas para o futuro, é preciso mudar a mentalidade presente: “Mas há ainda um grande caminho a percorrer. Não se nasce menina, nasce-se bebé, criança. Mas infelizmente as famílias e a sociedade ainda moldam as crianças com preconceitos de género, não as deixando florir de acordo com os seus dons.”

“As Primeiras: Pioneiras portuguesas num mundo de homens” – A Esfera dos Livros

Luísa V. de Paiva Boléo: Autora das biografias de D. Maria I, D. Maria II, Marquesa de Alorna Querida Leonor e mais de 50 artigos na imprensa em revistas como Máxima, Notícias Magazine, Revista do Público, Expresso e Visão.

M. Margarida Pereira Muller: Jornalista freelancer, autora de seis livros de contos, 26 livros de gastronomia e 10 biografias.

Palavras-chave

Tempos difíceis exigem a melhor informação

Tempos difíceis exigem a melhor informação É por isso que a Trust in News decidiu oferecer um pack mensal de revistas digitais a um preço simbólico: €9,90 por 9 revistas: VISÃO, VISÃO História, VISÃO Júnior, VISÃO Saúde, Jornal de Letras, Exame, Courrier Internacional,  ACTIVA e Exame Informática. Para ler no seu smartphone, tablet ou computador, facilmente e em sua casa. Está garantida uma boa leitura para toda a família! #euleioemcasa Saiba mais

Mais no portal

Lifestyle

Passou a #BlackOutTuesday. E agora?

Saiba como pode continuar a fazer a diferença na luta antirracista.

Moda

Estes são os dois truques que me ajudam a encontrar o visual perfeito

Conheçam-nos e vejam os cinco 'looks' que recriei com roupa que tinha em casa.

Moda

Steve Madden e Winnie Harlow juntos numa coleção de fazer perder a cabeça

A marca de acessórios juntou-se à famosa modelo internacional para criar uma coleção de sandálias arrojada e cheia de cor.

Inspirações

Quem é Ella Jones? Conheça a nova presidente da Câmara de uma cidade americana marcada pelo racismo

Ella Jones será a primeira pessoa negra a liderar Ferguson, uma cidade que se tornou símbolo de protestos antirracismo em 2014, após a morte de um jovem de 18 anos pela polícia.

Beleza e Saúde

7 coisas que deve desinfetar em casa para evitar ficar doente

Numa altura em que estamos mais conscientes para a importância de higienizar tudo aquilo em que tocamos e o que nos rodeia, saiba por onde deve começar dentro de casa.

Beleza e Saúde

Médicos explicam os riscos de ir à praia durante a pandemia

Embora possa parecer seguro, esta atividade requer alguns cuidados.

Moda

4 tendências de calçado da Mango que queremos já

Reunimos algumas propostas da marca espanhola para quem já está a preparar o regresso ao trabalho.

Celebridades

Esta celebridade acabou de se assumir bissexual

Após se saber, recentemente, que o namoro que vivia há cerca de três anos tinha chegado ao fim.

Beleza e Saúde

Faça este exercício para melhorar a sua vida sexual

Hilaria Baldwin partilhou a demonstração de um exercício simples, que pode ser feito em qualquer lugar e tem benefícios para a vida sexual.

Moda

O vestido que pode levar ao próximo evento especial custa menos de 16 euros

Simplicidade e elegância: os elementos-chave para arrasar.

Lifestyle

As viseiras divertidas que as crianças não se vão importar de usar

Tem a opção 'Pirata' e 'Unicórnio', entre outras.

Inspirações

Paulo Pascoal: "Temos de deixar de ver os negros como 'os outros'"

Falámos com o ator Paulo Pascoal sobre o significado do assassinato de George Floyd, nos Estados Unidos, e o impacto que este teve (e continua a ter) em todo o mundo.

€2,95 por edição 20% desconto  

Papel