“It’s a Man’s Man’s Man’s World”, cantava James Brown em 1966. O mundo vivia uma segunda onda do movimento feminista, na qual mulheres reivindicavam o direito à igualdade de géneros e o fim da discriminação. Neste mesmo ano, em Portugal, o voto feminino ainda era restrito a mulheres com alto nível de escolaridade ou chefes de família; as carreiras de magistratura, diplomacia, militar e polícia eram proibidas e o código civil, apesar de consagrar a igualdade entre os cônjuges, ainda determinava que a mulher precisava de autorização do marido para firmar um contrato, administrar uma propriedade privada e até para viajar para o exterior. 

Também em 1966, Portugal já tinha visto o primeiro filme realizado por uma mulher – Bárbara Virgínia, com “Três Dias sem Deus”, de 1946; a primeira doutorada em Portugal – Elza Paxeco doutorou-se em 1938 na Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa; a primeira mulher a exercer funções de polícia – Ermelinda Mendes foi alistada em 1930 apesar de não ser permitida a ascensão na carreira; a primeira mulher a ir contra o código civil e tornar-se advogada –Regina Quintanilha conseguiu autorização do presidente do Supremo Tribunal de Justiça para exercer a profissão restrita para homens em 1913. Mulheres retratadas em “As Primeiras: Pioneiras Portuguesas num mundo de Homens”, um livro que é quase como uma enciclopédia  de histórias que podem ter ficado esquecidas para muitas pessoas. 

Bárbara Virgínia – a primeira realizadora de cinema portuguesa

São 59 mini biografias de mulheres que ousaram ir contra a frase de James Brown. Dentro de duas ou três páginas, Luísa de Paiva Boléo e M. Margarida Pereira-Muller escrevem de forma direta quem foram e o que fizeram cada uma destas figuras. “Queríamos um livro fácil de ler, intimista, e que atraísse um grupo etário o mais amplo possível”, explica Margarida. Luísa completa, “Vai ser lido e consultado, queremos que seja uma referência. Se há dúvida, vão saber através deste livro.” 

O livro retrata, por exemplo, a história de Carolina Beatriz Ângelo, a primeira mulher a votar em Portugal, em 1911, apesar de o voto feminino só ser concedido em 1931. “A lei eleitoral da jovem República Portuguesa concedia o voto a todos os chefes de família que soubessem ler e escrever. Não especificava se os chefes de família eram homens ou mulheres. Carolina Ângelo lutou por esse direito, pois era viúva, mãe e sabia ler e escrever. Conseguiu votar mas… dois anos depois a lei foi alterada para que só homens o pudessem fazer! O poder masculino sentiu-se verdadeiramente ameaçado e tratou logo de travar as mulheres”, explica Maria Margarida. 

Carolina Beatriz Ângelo com os seus colegas do Curso Médico-Cirúrgico, em 1902.

Ao ler as 59 biografias percebe-se que são muitas as áreas em que as mulheres só tiveram destaque no século XX. “Pelo menos para o caso de Portugal, com a Constituição de 1976, todas as carreiras proibidas foram abertas às mulheres.Com o acesso ao ensino sem limitações, o direito de votar e com a sua tenacidade vão ganhando o seu espaço no mundo ocidental”, diz Luísa, que completa: “Na lei portuguesa, foi nos inícios da década de 1990 que os empregadores são obrigados a colocar nos pedidos de emprego M/F, e então sim foram abertas muitas possibilidades às mulheres de escolher a sua profissão. Mas ainda em 2019 há muitas profissões onde os homens dificilmente admitem mulheres.”

Mesmo assim, recorda a autora, o livro também traz histórias de mulheres que, ao contrário do que se pensa, não “lutaram” mas foram convidadas a assumirem cargos importantes. “Posso exemplificar com Maria de Lourdes Pintasilgo (primeira primeira-ministra portuguesa), que foi convidada, e as Procuradora Geral da República (Joana Marques Vidal) e Provedora de Justiça (Lúcia Amaral). Veja o currículo que tinham para assumirem os cargos e, no caso das duas primeiras, a eficiência nos resultados no fim dos mandatos.”

“They say that it’s a man’s world. But you can’t prove that by me”, cantava Aretha Franklin, em 1967. A história não muda, mas é com exemplos que contrariam o senso comum que o futuro é construído. É no que acredita Luísa: “Pode acontecer haver jovens indecisas quanto a uma profissão não “tradicional” e, quem sabe, encontrar nas Forças Armadas uma carreira. Podem ter como exemplo uma Rosa Ramalho (primeira barrista de renome internacional) na área do artesanato. A partir de uma oficina própria vender a partir da internet. Ou arriscar num desporto radical e serem “outra” Elisabete Jacinto (primeira campeã em ralis todo-o-terreno em camião) em breve?” Maria Margarida complementa, ao lembrar que para educar as meninas para o futuro, é preciso mudar a mentalidade presente: “Mas há ainda um grande caminho a percorrer. Não se nasce menina, nasce-se bebé, criança. Mas infelizmente as famílias e a sociedade ainda moldam as crianças com preconceitos de género, não as deixando florir de acordo com os seus dons.”

“As Primeiras: Pioneiras portuguesas num mundo de homens” – A Esfera dos Livros

Luísa V. de Paiva Boléo: Autora das biografias de D. Maria I, D. Maria II, Marquesa de Alorna Querida Leonor e mais de 50 artigos na imprensa em revistas como Máxima, Notícias Magazine, Revista do Público, Expresso e Visão.

M. Margarida Pereira Muller: Jornalista freelancer, autora de seis livros de contos, 26 livros de gastronomia e 10 biografias.

Palavras-chave

Mais no portal

Moda

Parfois: 10 malas a menos de 20 euros

Confira algumas das melhores opções para combinar com os seus visuais.

Celebridades

Emily Ratajkowski acusa fotógrafo de a assediar quando tinha 20 anos

Desde que a modelo revelou a história ao mundo, uma outra celebridade diz ter vivido um episódio semelhante com a mesma pessoa.

Lifestyle

Clube do Livro Finanças de A a Z: "A Poupança no Feminino"

No novo episódio da rubrica Finanças de A a Z estreio um espaço mensal onde vou deixar algumas sugestões de livros úteis para a educação financeira de miúdos e graúdos.

Woman washing her hair in shower
Beleza e Saúde

4 motivos pelos quais não devemos lavar o rosto no duche

Dermatologista explica o porquê e ainda deixa algumas dicas.

Lifestyle

Livro da semana: "A Quinta" inspira-se nos sacrifícios que mulheres fazem pelos que mais amam

Um livro de Joanne Ramos, publicado pelas Edições Saída de Emergência.

Beleza e Saúde

Pasta de dentes nas borbulhas: sim ou não?

Será este um mito ou haverá algum fundamento?

Celebridades

Kelly Clarkson diz que o divórcio a apanhou de surpresa

A artista foi casada com Brandon Blackstock durante sete anos.

LONDON, UNITED KINGDOM - NOVEMBER 09: (EMBARGOED FOR PUBLICATION IN UK NEWSPAPERS UNTIL 48 HOURS AFTER CREATE DATE AND TIME) Prince Andrew, Duke of York attends the opening the Francis Crick Institute by Queen Elizabeth II on November 9, 2016 in London, England. The Francis Crick Institute will be a world leading centre of biomedical research. (Photo by Max Mumby/Indigo/Getty Images)
Celebridades

Príncipe André é "viciado em sexo", alega livro

A obra contém testemunhos de várias mulheres que afirmam ter mantido relações com o membro da realeza britânica, através do contacto de Jeffrey Epstein.

Moda

Tezenis lança coleção cápsula inspirada em famosa série da Netflix

Várias peças com um toque de 'nuestros hermanos'.

Moda

Nova marca de moda sustentável chega ao Porto

A aposta é na seda e no tingimento natural.

Inspirações

Alba Batista e a beleza interior: "reflete-se no olhar"

A atriz é a estrela da produção de capa da ACTIVA de setembro.

Beleza e Saúde

Nutrição: 5 mitos que podem estar a arruinar a sua saúde

Saiba como adotar uma dieta mais "descomplicada".