Sarah Nicole Landry é uma mulher inspiradora. A escritora e autora do blogue de lifestyle The Birds Papaya é conhecida pela forma crua como documentou a jornada pela qual passou até conseguir libertar-se da prisão da imagem.

Aos 25 anos, após dar à luz três meninas, a jovem pesava mais de 100kg. No processo para emagrecer, fez do Instagram uma espécie de diário, onde partilhava angústias, medos e sentimentos de auto-sabotagem. Mas esse não era o fator diferencial. Cada publicação foi (e continua a ser) cuidadosamente selecionada para empoderar outras mulheres e não há estrias, flacidez ou ‘furinhos’ de celulite que fiquem por mostrar. Afinal de contas, são marcas que as gravidezes e o excesso de peso podem deixar e que não desaparecem magicamente. 

“Ninguém estava a mostrar isso no meu feed”, contou ao “The Sun”, admitindo que se sentia bastante  insegura e isolada nas suas ‘imperfeições’. “Parei de seguir as contas que faziam com que eu me sentisse mal e a olhar para as positivas. Isso ajudou-se a ser menos crítica e mudou a minha mentalidade. O meu corpo é assim por um motivo. Antes, ser menos do que perfeita era aterrorizante, mas agora já não é”. 

Ao não se sentir representada, a influencer natural de Ontario, no Canadá, decidiu tornar-se uma voz ativa na luta contra a imposição do corpo perfeito – e o resultado é verdadeiramente belo.

A cultura das dietas

“É fácil pensar que seria óbvio”, escreveu a blogger, fazendo referência ao facto de a magreza não ser sinónimo de uma uma boa saúde geral. Mas para a influenciadora digital  não era – tal como acontece com muitas outras mulheres. E é exatamente essa mentalidade que pretende mudar.

Por exemplo, em fevereiro passado, publicou uma série de imagens do próprio corpo em fases distintas e, como tal, com tamanhos diferentes. As imagens vinham acompanhadas acompanhadas de uma legenda poderosa sobre amor-próprio, aceitação e, não menos importante, os perigos da cultura das dietas.

Gostava que houvesse um aviso em todos os anúncios de dietas que alguma vez vi. Um que me ensinasse sobre os riscos; que me permitisse saber o que as minhas escolhas poderiam acarretar”, começou por escrever.

De seguida, passou a explicar que embora os riscos das dietas pareçam saltar à vista, não fica assim tão claro quão prejudicial podem ser. Aliás, na altura, acreditava que os seus hábitos alimentares eram saudáveis e que quanto mais peso perdesse, mais saudável seria.

“Parecia ser amor-próprio. Parecia ser o meu bilhete para a felicidade. Quando os meus ossos ficaram visíveis, senti-me validada. Quanto mais pequena ficava, mais tinha de documentá-lo. As minhas fotos não eram momentos de orgulho. Elas eram momentos de provar que eu era magra”.

Landry citou dados da Associação Nacional de Distúrbios Alimentares dos Estados Unidos da América, que dizem que 35% das “pessoas normais que seguem dietas começam a fazê-lo de forma patológica e, dessas pessoas, entre 20 e 25% desenvolvem distúrbios alimentares. Estas estatísticas revelam a existência de um elo entre a cultura das dietas e os transtornos alimentares.

“É demasiado comum que os distúrbios alimentares comecem como dietas. É um risco”, afirmou Sarah. “E eu gostava que houvesse um aviso. Gostava que víssemos os transtornos alimentares com a mesma seriedade com que vemos a nicotina, as drogas, o jogo e o álcool”.

Sarah Nicole decidiu partilhar a sua experiência para que outras mulheres possam ver como o desejo de serem magras pode influenciar a saúde mental.

“Quero que saibam que embora eu ainda tenha dificuldades, posso dizer com toda a certeza que é a primeira vez que me sinto tão bem em muito tempo. Algo que esperava sentir quando fosse o mais magra possível. Mas, afinal, chegou quando eu estava disposta a amar-me a sério. A ação em si. Comida. Movimento. Saúde mental”, explicou. “Sinto-me mais bonita e completa do que nunca, e nada disso está relacionado com o meu aspeto físico”.

A arte de normalizar

Hoje em dia, Sarah Nicole Landry não sabe quanto pesa e diz não se preocupa muito com isso quando faz refeições. Continua a mostrar o próprio corpo, tal como ele é, numa tentativa de abrir portas para outras mulheres e de mostrar à sociedade que a normalização de tudo o que é considerado ‘fora da caixa’ é o caminho a seguir.

“Eu não quero chegar ao fim da minha vida preocupada com estrias e cicatrizes. Não quero voltar a sentir-me retida”, confessou ao “The Sun”. “Celebrar o positivismo corporal não deve ser um tamanho único. Não apenas plus-size, magras, fitness ou outras. Isto deveria ser para toda a gente”.

Palavras-chave

Relacionados

Vídeos

Como Kady encontrou a sua voz e passou a usá-la para empoderar outras mulheres

"FLAN" é o nome do novo single da artista. Um tema afrosoul que vive das misturas de ritmos africanos com influência do Soul e R&B norte-americanos.

Vídeos

O próximo voo de Isabel Silva: "Sempre tive uma veia de empreendedora"

A apresentadora acaba de lançar um projeto editorial e fala-nos sobre o facto de estar a sentir-se cada vez mais confortável no papel de empresária.

Inspirações

Nyakim Gatwech: A modelo sul-sudanesa que entrou no Guinness por ter a pele mais escura do mundo

Nyakim Gatwech fez daquilo que os outros viam como uma desvantagem o seu cartão de visita.

Mais no portal

Beleza e Saúde

Experimentei um hidratante facial caseiro que só leva um ingrediente

E estou aqui para contar os resultados. Não se deixem enganar pela imagem - garanto que o creme não ficou branco, muito menos tão artístico.

Beleza e Saúde

Esta é a atividade física que nos deixa com mais fome

Estudo concluiu que pessoas que a praticam ingerem mais calorias.

Celebridades

Ariana Grande assume novo namorado

A artista partilhou fotografias bastante explícitas.

Moda

Parfois: a mala do verão a menos de 8 euros

Não há como não adorar os saldos.

Beleza e Saúde

Coronavírus: Casados há 53 anos, morreram de mãos dadas, no mesmo dia

Falamos de um casal do Texas, de 80 e 79 anos, internados por pouco mais de uma semana.

Beleza e Saúde

O mundo é um lugar estranho, portanto experimentei fazer Reiki — e acabei em lágrimas

Aqui, a cura faz-se pelas mãos e, mesmo sem toques, é impossível não nos sentirmos tocados por esta experiência libertadora.

Lifestyle

Livro da semana: "Uma Gaiola de Ouro", uma história que é um grito feminista

Um livro de Camilla Läckberg, publicado pela Suma de Letras.

Inspirações

10 inventoras negras que tornaram as nossas vidas bem mais fáceis

Sem o espírito de inovação e de empreendedorismo de cada uma destas mulheres, estas 10 invenções poderiam nunca ter existido.

Lifestyle

Vídeo viral mostra como picar um dente de alho em 10 segundos

Quer a cozinha seja ou não o seu forte, esta técnica promete facilitar o processo.

Lifestyle

4 dicas de poupança financeira para mulheres empreendedoras

No primeiro episódio da rubrica Finanças de A a Z, deixo algumas sugestões para criar um negócio e potenciar o seu crescimento.

Celebridades

Em tempos de pandemia, foi assim que Khloé Kardashian celebrou o aniversário

O evento teve direito a máscaras personalizadas - mas não só.

Inspirações

Normalizar corpos normais: o movimento que se tornou viral

Pessoas de todo o mundo têm partilhado imagens dos respetivos corpos, de modo a provar que é normal sermos diferentes.

€2,95 por edição 20% desconto  

Papel