As vidas e os legados da Dra. Jane Elliott e do Dr. Martin Luther King, Jr. estão inextricavelmente ligados.

No dia 4 de abril de 1968, King foi assassinado por um atirador quando estava na varanda do seu quarto num hotel em Memphis, Tennessee. As repercussões desse dia fatídico foram sentidas um pouco por todo o mundo, mas foram as 24 horas seguintes que mudaram a vida de Elliott para sempre.

Em homenagem ao líder do movimento dos direitos civis nos Estados Unidos, a professora branca, que lecionava numa cidade habitada apenas por caucasianos, no estado do Iowa, planeou uma atividade para fazer com que os seus alunos da terceira classe sentissem na pele o que era o preconceito, a discriminação e o racismo. 

Naquilo que se tornou conhecido como o exercício “blue eyes, brown eyes”, Elliott dividiu a turma em dois grupos, com base numa característica sobre a qual as crianças não tinham controlo: a cor dos olhos. Os alunos com olhos azuis foram colocados num grupo, e os alunos com olhos castanhos no outro. Os membros de ambos os grupos foram tratados de acordo com a cor dos olhos.

No primeiro dia, a educadora convenceu os alunos com olhos castanhos de que eram “melhores”, “mais inteligentes” e “superiores” aos colegas com olhos azuis e, consequentemente, tinham direito a privilégios como, por exemplo, passar mais tempo no recreio e ter acesso a uma fonte de água. No dia seguinte, inverteu os papéis. 

Elliott ficou espefacta com os resultados. “Vi crianças maravilhosas e atenciosas a transformarem-se em crianças da terceira classe desagradáveis, cruéis e discriminadoras”, contou num documentário do canal PBS, sobre o seu trabalho, intitulado “A Class Divided”. Durante décadas, repetiu a experiência com crianças do primeiro ciclo, alunos universitários e adultos inseridos no mercado de trabalho de todo o mundo, encontrando consistentemente participantes que se viravam uns contra os outros apenas pela cor dos olhos.

Regresso ao passado

Em 2020, tal como acontecia em 1968, Jane Elliott acredita que “as pessoas brancas continuam a sentir, a pensar e a falar da mesma forma racista até passarem, de alguma forma, pelo mesmo tipo de tratamento com que as pessoas de minorias étnicas vivem todos os dias”.

No final da década de 1960, o exercício foi considerado controverso, em parte, porque forçava os brancos a sentirem (apenas por umas horas) uma fração da dor que aflige os negros. Por exemplo, não era incomum que participantes caucasianos, que provavelmente nunca tinham sido vítimas de discriminação aberta pela cor da pele, abandonassem a experiência com acessos de raiva e, por vezes, até mesmo com lágrimas nos olhos. Imagine-se, tal era o nível de humilhação e de impotência.

Regra geral, a dinâmica demonstrava que embora os comportamentos discriminatórios e racistas possam ser aprendidos, eles também podem ser desaprendidos.

O assassinato de George Floyd, em abril passado, fez ressurgir clipes antigos do “blue eyes, brown eyes”, catapultando a educadora novamente para a ribalta que ocupava há 52 anos. Contudo, apesar de ser universalmente reconhecida como a criadora da famosa atividade, Jane é rápida a refutar esta ideia. Em vez disso, diz apenas que a adaptou.

“Não criei o exercício. Aprendi-o com Adolf Hitler”, conta ao site OprahMag.com. “Um dos critérios para ele decidir quem ia para a câmara de gás era a cor dos olhos. Se tivesses um bom nome alemão, mas tivesses olhos castanhos, eles certificavam-se de que ias para a câmara de gás, porque pensavam que podias ser um judeu a fazer-se passar por ariano. Eles mataram centenas de pessoas somente com base na cor dos olhos”.

Quem fala na realidade americana, bem como em todas as suas nuances, também poderia falar noutros casos de discriminação que nos são bem mais próximos. Em Portugal, entre outros exemplos, tivemos o caso Marega e o das instituições de ensino vandalizadas com mensagens racistas e xenófobas – se não foram escritas por pessoas racistas, certamente foram ideia de alguém que pretendia adensar o clima de tensão racial no País.

Particularmente relevante nos dias que correm, a experiência popularizada por Elliott é uma representação palpável da discriminação em ação. E mais de cinco décadas depois, a professora ainda é uma força a ser reconhecida na luta antirracista. Afinal de contas, parece que ainda temos muito a aprender com ela.

Palavras-chave

Relacionados

Comportamento

Como é que o racismo afeta a saúde mental

Psicólogo explica como a vítima deste "preconceito institucionalizado" interioriza o discurso racista e como todos podemos ser, mesmo sem nos apercebermos, "agentes do racismo".

Lifestyle

6 filmes que abordam o tema do racismo para ver no fim de semana

Acima de tudo, importa estarmos devidamente informados.

Lifestyle

8 podcasts sobre injustiça racial que valem a pena ouvir

Para que o movimento antirracista não perca o fôlego, é importante continuar a ler, ouvir, ver e aprender.

Mais no portal

Beleza e Saúde

COVID-19: usar duas máscaras protege-nos mais?

Algumas pessoas adotaram este método. Mas será que é necessário?

Lifestyle

Assine 9 revistas por apenas €9,90 por mês e garanta boa informação, em sua casa

Beleza e Saúde

Esperam-se menos nascimentos em 2021

Entenda o motivo.

Imagem de Sucesso

O fator essencial para construir uma Imagem de Sucesso em 2021

No novo episódio da rubrica Imagem de Sucesso, explico-vos como podem comunicar de forma assertiva através da vossa imagem e, assim, conquistar objetivos no novo ano.

Comportamento

Este truque curioso pode aliviar o stress durante o confinamento

Só precisa de um telemóvel ou computador - e deixá-lo fazer magia.

Moda

A psicologia por trás das cores românticas que vão estar em alta na primavera

Não só explicamos a origem da popularidade, como deixamos algumas sugestões de visuais para os dias mais quentes.

Beleza e Saúde

Pode haver uma inesperada cura para a acne

Pelo menos, para um dos tipos do problema. Saiba qual.

Moda

Revelado o próximo nome da alta-costura que irá colaborar com a H&M

Todos os anos, a gigante sueca lança uma coleção de edição limitada, que é fruto da colaboração com um estilista ou marca de renome.

Beleza e Saúde

3 acessórios para o cabelo que as mulheres nórdicas adoram

Estas sugestões são perfeitas para ter sempre no nécessaire e transformam qualquer visual num instante.

Beleza e Saúde

Saiba como manter um estilo de vida saudável em regime de teletrabalho

Aqui ficam seis sugestões para continuar a cuidar da sua saúde física e mental no novo confinamento.

15 Perguntas A...

Tânia Ribas de Oliveira: "O meu estilo é casual, confortável e descontraído"

Lançámos questionários com 15 perguntas a várias celebridades sobre temas como, por exemplo, estilo pessoal e rotinas de beleza. A apresentadora da RTP foi a primeira a aceitar o desafio.