Mitos da mulher no trabalho




Poucas devem ser as mulheres portuguesas que, tendo hoje mais de 50 anos, não ouviram: ‘o lugar das mulheres é em casa a cuidar do marido e dos filhos’. Actualmente, já ninguém estranha (nem desonra nenhuma família) a mulher ter um emprego, mas ainda há preconceitos que teimam em desaparecer da nossa sociedade. Os mais comuns são: não sabem trabalhar em equipa, não aguentam trabalhar sob pressão, são chefes despóticas ou que não sabem impor respeito. Será que têm algum fundamento?



Pedimos a uma consultora e um responsável de empresas de recrutamento, e a uma executiva que nos dessem a sua opinião sobre os preconceitos que ainda minam a vida laboral feminina.





Mito: Têm pouca autoconfiança

Falso



Segundo um estudo levado a cabo pela empresa americana ‘Washington Quality Group’ a imagem profissional que a mulher tem de si própria é inferior à realidade. Já com os homens passa-se precisamente o inverso, estes tendem a sobrevalorizar-se.



Outra opinião tem Margarida Morais, psicóloga, e coordenadora de Marketing de um laboratório farmacêutico internacional: "acho que as mulheres confiam bastante nas capacidades delas, cada vez mais lutam por cargos de chefia e mais responsabilidade. Até o facto de trabalharem fora de casa, terem filhos e a vida familiar em geral para gerir, faz com que acreditem que são capazes de gerir várias coisas simultaneamente".



Carla Lopes, consultora da empresa de recrutamento Galileu Recursos Humanos, tem a mesma convicção, "isso [falta de autoconfiança] é o que se diz, aliás, até convém. Mas no mundo laboral as mulheres são muito autoconfiantes nas tarefas que empreendem, tendo como objectivo primordial alcançar o sucesso num mundo de ‘machos’".





Mito: As mulheres são menos competentes que os homens

Falso



O facto de haver poucas mulheres em cargos de chefia é a desculpa mais utilizada para dar razão a este mito mas a verdade é que, como diz José Manuel Cardeira Seno, responsável nacional da empresa de recrutamento de quadros, Prime Search, tal como os homens, há mulheres competentes e incompetentes, não é uma especialidade feminina: "O facto de a sua entrada no mundo laboral ter sido mais recente leva a que as mulheres tenham de lutar mais para demonstrarem competência e conquistar lugares de chefia. Há alguns anos, o percurso feminino estava direccionado para apoio aos profissionais masculinos, como o secretariado, por exemplo. E era ouro sobre azul para os homens, já que as mulheres têm grandes competências de concentração, são melhores em línguas e informática, e ajudavam o homem, mantendo-se subalternas."



A consultora Carla Lopes afirma que "Há bom e mau em tudo. Regra geral, as mulheres são mais esforçadas e determinadas do que os homens".





Mito: Não conseguem trabalhar sob tensão

Falso



Há quem pense que as mulheres ficam à beira de um ataque de nervos, desatam num pranto perante um problema no trabalho, e soluções nem vê-las.



"As mulheres reagem de forma diferente perante a tensão", diz Margarida Morais, "se me perguntar se choram mais facilmente perante uma contrariedade ou perante a tensão, de terem de arranjar uma forma de desabafar ou expelir essa tensão, acho que sim. Mas acho que resistem muito bem à tensão".





Mito: Não querem de lugares com responsabilidade

Falso



Infelizmente, são ainda poucas as mulheres que ocupam cargos de chefia. E não é só no nosso País, verifica-se esta situação um pouco por todo o mundo. Será que as mulheres não querem cargos com responsabilidade?



"Querer, até querem", revela Carla Lopes, "o problema é encontrá-los. Onde estão esses lugares de responsabilidade? Muitas vezes o problema deve ser colocado na forma inversa: não nas competências das mulheres, mas nas incompetências de alguns homens".



"Acho que isso tem mais a ver com a personalidade da pessoa, que com o facto de ser homem ou mulher", afirma Margarida Morais, "conheço alguns exemplos de mulheres que ocupam cargos de muita responsabilidade e que gostariam até de ocupar outros com mais".





Mito: São inaptas a exercer autoridade

Falso



Mudam-se os tempos, mudam-se as mentalidades… mas aos poucos. Só há bem pouco tempo é que as mulheres deixaram de ter um papel secundário na sociedade por isso, é natural que estejam arreigadas algumas ideias que demorem a perder-se, como esta da pouca afinidade que as mulheres têm em exercer autoridade. Carla Lopes afirma convictamente que é "completamente falso: basta ver quem manda nos tachos e nas panelas, e quem manda comer a sopa lá em casa (risos). No fundo, a autoridade é encarada pelas mulheres como mais uma das suas ‘doces’ virtudes".



"Depende das mulheres…", diz por seu lado Margarida Morais, "o modo como se exerce autoridade é que é diferente de pessoa para pessoa. Posso exercê-la sem que com isso seja autoritária, ou demasiado rígida, e conseguir na mesma que me respeitem. Porque a autoridade também é respeito: se me respeitam, consigo ter autoridade".





Mito: São mais meticulosas

Quase sempre



Ora aqui está uma vantagem que nos trouxe os muitos séculos de ligação ao lar.



"Penso que a maioria é, sim", declara a coordenadora de marketing. "Acho que têm tendência para ser mais arrumadas e meticulosas do que os homens. Se calhar, na forma como estruturam o trabalho, os homens tendem a ser desarrumados e desorganizados… mas chegam, provavelmente, aos mesmos resultados".



"As mulheres são quase sempre mais meticulosas e ordenadas, dependendo, acima de tudo, se as tarefas vão de encontro, ou não, às suas realizações pessoais e profissionais", Carla Lopes.





Mito: Não gostam de trabalhar numa equipa masculina

Falso



Ambientes de trabalho estritamente femininos são os preferidos das mulheres? "Antes pelo contrário. A união faz a força, e esta união não é excepção", contraria Carla Lopes.



"Penso que é mais difícil várias mulheres coordenarem-se entre elas, a funcionar numa equipa só feminina, do que uma mulher numa equipa masculina. Nunca tive a experiência de trabalhar numa equipa meramente masculina, mas a ideia que tenho é a de que as mulheres se organizam muito bem a trabalhar com homens", afirma por seu lado a psicóloga e coordenadora de marketing Margarida Morais.





Mito: Para chegarem a cargos de topo têm de agir como os homens

Talvez



Lembra-se de Cybill Shepherd, a actriz que entrava na célebre série de TV dos anos 80 ‘Modelo e Detective’ ao lado de Bruce Willis? Pois é, de loura ela só tinha mesmo a cor de cabelo! Ex-modelo nos anos 70, Cybill ficou farta do machismo no mundo da moda e, como tal, nunca perde uma oportunidade para defender as mulheres: na porta da sua cozinha tem um cartaz com a frase: "A woman has to be twice as good as a man to go half as far" que quer dizer qualquer coisa como "Uma mulher tem de ser duas vezes melhor que um homem para obter metade do reconhecimento". Mas será que temos de nos masculinizar para atingir um cargo de topo?



José Manuel Cardeira Seno, responsável pela Prime Search, acha que "normalmente, por feitio, a mulher não é afirmativa, é feminina, é conciliadora. Os homens, pelo contrário, são descritos como tendo pulso, não se intimidam com situações desagradáveis. Por isso, é esperado que a mulher tenha essa capacidade de vestir a pele do homem, e é natural que a mulher tenha de alterar relativamente a sua atitude e capaz de dar ‘o murro na mesa’. Mas os conceitos sobre a liderança têm vindo a mudar, e já não é fundamental ser autocrático, mas sim ter a capacidade de influenciar e direccionar uma equipa em determinado sentido. São as capacidades próprias e inerentes à mulher, de orientar a família, que hoje fazem a ponte para a vida profissional, com a capacidade de influenciar, de persuadir, de envolver."



Já Margarida Morais tem uma opinião ligeiramente diferente: "Penso que é perfeitamente possível para as mulheres coordenarem a vida profissional sem ser preciso serem um ‘homem’, apenas competentes. É provável que, em alguns sítios, a mulher tenha de ser mais imperativa mas acredito que isso dependa da própria cultura da empresa em que se está inserida. É possível ser mulher, feminina e exercer a sua actividade profissional com determinadas características, sem que isso seja penalizante ou ponha a sua competência em causa".





Fontes:



Margarida Morais, Psicóloga, Coordenadora de Marketing em laboratório internacional da Indústria Farmacêutica



José Manuel Cardeira Seno, Partner da Prime Search (Senior Executive Positions), R. Rodrigues Sampaio, 21, 2.º A, Lisboa, tel. 213521005



Carla Lopes, Consultora da Galileu Recursos Humanos, R. do Salitre, 134, Lisboa, tel. 213878577













Relacionados

Lifestyle

Missão: encontrar trabalho novo

Estar à procura de emprego é em si mesmo um emprego. Isto significa que requer dedicação e disciplina. Antes de mais nada organize-se e depois meta mãos à obra!

Lifestyle

"Fui despedida e agora?"

Saiba aquilo a que tem direito e veja como tornar mais eficaz a sua procura de novo emprego

Lifestyle

Como fazer um bom curriculum vitae

Há segredos na forma de organizar o seu currículo que lhe permitem ter mais sucesso junto de potenciais empregadores. Por exemplo, a informação deve ser dada de forma clara e ordenada, para que seja fácil de ler. Não poupe na qualidade do envelope e do papel, porque os pormenores fazem a diferença

Lifestyle

Como subir na vida depressa e bem!

Se quer subir alguns degraus na hierarquia da sua empresa, há regras elementares que não deve perder de vista. Neste aspecto os homens ganham-nos, muitas vezes, aos pontos. Aprenda com eles e com os conselhos da dr.ª Ana Afonso, especialista em psicologia do trabalho.

Lifestyle

Reinvente a sua vida profissional

Ideias inspiradoras para quem quer começar uma nova fase profissional, seja ela como empresária ou no seu emprego de sempre. Espírito empreendedor, determinação e competitividade são as armas de que precisa.

Lifestyle

Apaixone-se pelo seu trabalho…

…ou deixe-o para sempre. Não há lugar para meias tintas nesta relação. Em todo o caso, damos-lhe umas dicas para reavivar a chama… Bárbara Bettencourt

Lifestyle

Está a pensar montar um negócio?

Se pensa estabelecer-se por conta própria, há algumas questões que deve ponderar antes de escolher o sector a que vai dedicar-se.

Lifestyle

Como ganhar tempo no trabalho e aumentar a produtividade

Se tem maus hábitos na gestão do tempo ou falta de autodisciplina, é no trabalho que eles se vão manifestar de forma mais visível. A boa notícia é que é possível prender a ser mais eficaz. Primeiro passo: ver onde anda a perder tempo.

Lifestyle

Cinco atitudes que prejudicam a sua carreira

Determinados comportamentos no local de trabalho podem prejudicar a sua ascensão profissional e até pôr em causa o seu emprego. Saiba quais são e registe os conselhos da psicóloga Ana Afonso que ajudam a corrigir estas condutas menos favoráveis.

Lifestyle

Agressividade no local de trabalho: como lidar

Chefes prepotentes, colegas insuportáveis… Quem nunca se sentiu agredida no sítio onde trabalha? Em nome do bom ambiente e da produtividade, coloque um ponto final na situação.

Mais no portal

Moda

Fomos espreitar as propostas da Primark e estes são os nossos 10 acessórios preferidos

Os acessórios must-have para os dias de calor

Moda

Quem disse que não há lugar para fatos num armário de primavera?

Dos tons neutros aos mais vibrantes; das silhuetas justas às oversized, é impossível resistir a estes 10 conjuntos coordenados.

Beleza

Cabelos: três tendências inspiradas nas Deusas do Olimpo

Confira as sugestões Jean Louis David.

Lifestyle

Aos fins de semana, há 'brunch' na Doca de Santo

Com vista para o Tejo.

Moda

Uns ténis para quem não tem medo de brilhar debaixo dos holofotes

Os novos ténis da marca Puma em colaboração com Dua Lipa

Celebridades

Harry aterra no Reino Unido sem Meghan e reencontra-se com o irmão

A propósito do funeral do avô, Philip.

Moda

Estas cinco combinações de cores são a definição de luxo

Quer dar mais cor ao seu guarda-roupa? Então, inspire-se nestes visuais que encontram equilíbrio em apostas inesperadas.

Moda

Parfois: 10 artigos imperdíveis em promoção

Confira as sugestões que selecionámos.

Saúde

Um beijo, três consequências para a saúde oral

O Dia do Beijo celebra-se anualmente a 13 de abril, e Portugal não foge aos festejos. Aqui ficam três consequências (boas e más) deste gesto de carinho na saúde oral.

Body Shaper

A receita caseira que combate três grandes preocupações estéticas das mulheres

No novo episódio da rubrica Body Shaper, partilho uma massagem que ajuda a eliminar a celulite, a má circulação e a retenção de líquidos.

Saúde

CDC declara racismo ameaça à saúde pública

A agência americana focou-se no impacto deste a nível físico e emocional.