FD LIGIA CASANOVA 46.jpg

Na cozinha, móveis Ikea e tampos em ardósia: exaustor Frasa; estante com prateleiras forradas a papel de jornal

Frederic Ducout

Lígia Casanova reside na mesma casa, num edifício pré-pombalino de um bairro antigo de Lisboa, há quase 12 anos. Depois de uma primeira fase, com a decoração assente na cor, deu-se uma transição, que passou pela introdução de tons neutros e pela valorização das madeiras existentes na casa, criando ambientes próximos de uma estética rústica.  Na terceira e mais recente metamorfose, houve uma autêntica subversão de estilo, agora mais contemporâneo, assente numa base cromática branca. Lígia Casanova chama-lhe “minimal vivido”. 

“Costumo dizer que sou a minha pior cliente. Por estar habituada a ver tantas coisas diferentes, por vezes torna-se difícil optar, mas fiz o que faço em qualquer projeto: quando começo a perceber que não está a fluir, paro e espero por um momento de inspiração”, refere a designer, quando questionada acerca das possíveis dificuldades para decidir a decoração da sua própria habitação.

Originalmente, esta era uma casa de quinta, com rés-do-chão, primeiro andar e águas furtadas. Nos primeiros nove anos foi sendo adaptada ao crescimento dos três filhos de Lígia, daí a profusão de cor. “Cinco anos mais tarde modifiquei-a novamente, tornando-a mais neutra, dando primazia à madeira”, recorda, enquanto sintetiza os principais estádios de transformação pelos quais a sua casa já passou. O último deu-se há cerca de dois anos. Já com a participação dos filhos adolescentes, resolveu mudar tudo novamente. Chão e paredes foram pintados de branco; uma das paredes de cada divisão, à exceção dos quartos dos filhos e respetivas casas de banho, ou recebeu uma cor neutra ou foi revestida a papel de parede. No quarto do piso superior, de dimensões generosas, retirou-se espaço à zona de dormir para criar uma casa de banho, aproveitando a prumada da casa de banho do piso inferior.

Cozinha e duas das três casas de banho existentes também foram intervencionadas. Resultado: 180m² (quatro quartos, sala de estar, sala de jantar, escritório, cozinha e quatro casas de banho) num estilo “tranquilo, harmonioso, confortável, acolhedor, luminoso e feliz”. A casa desenvolve-se ao longo de dois pisos. No térreo, a entrada conduz diretamente para a sala de estar (onde se situa a escada de acesso ao piso superior), contígua à sala de jantar, e que dá acesso à cozinha. Da sala de estar acede-se ainda a um corredor, que por sua vez conduz a três quartos, duas casas de banho e a um lavabo social. O piso superior desenvolve-se num mezanino, que alberga um escritório e uma suíte.

De uma forma geral, todo o espaço é preenchido com objetos muito pessoais (livros, telas, coleção de cerâmicas, peças decorativas em papier mâché, recordações de viagem…) e texturas sensoriais (feltro, viscose de seda, linhos). Perpassa uma atmosfera envolvente e delicada, mesmo com três adolescentes e um cão em casa. Alfredo, o Chow Chow de dez anos, é suficientemente educado para não riscar o pavimento (afagado, pintado de branco com três demãos e rematado com três camadas de verniz cera para soalho) com as suas patinhas atrevidas. “Gosto imenso dos objetos que me rodeiam. Alguns acompanham-me ao longo dos anos e são detalhes que adoro. Há um material de que gosto imenso para usar como revestimento: o vinil. Com ele, posso forrar paredes, frigoríficos e até móveis. Comecei por usá-lo na Casa Decor, em 2005, e tenho-o utilizado bastante desde então. O feltro é outro dos meus materiais preferidos”, confidencia. Assim, fica explicada a razão pela qual, na sua casa, até os suportes das bicicletas estão forrados a vinil!

A profusão de livros e telas levantou algumas questões de espaço. “Sou um bocadinho acumuladora e a família é toda viciada em livros [risos]. Por isso mesmo, tive de criar estantes onde fosse possível arrumar todos eles, seja na sala de estar, no escritório, nos quartos e até casas de banho. Com os quadros é igual. Distribuem-se por todas as divisões, inclusive nas casas de banho.”  Ainda no que diz respeito à arrumação, todos os quartos têm closets ou roupeiros. Para as bijutarias e acessórios, Lígia desenhou uma cómoda com gavetas onde tudo está devidamente guardado. Aliás, arrumar tudo em gavetas é um dos seus hábitos, que aplica da cozinha à sala de jantar. A exceção, claro está, são os livros. Na cozinha dedica-lhes um ‘altar’. Trata-se de uma estante na qual os prumos laterais estão pintados à cor da parede de fundo, pelo que as prateleiras, forradas a papel de jornal, parecem suspensas.

Para a sua casa e demais projetos de interiores, Lígia colhe inspiração em viagens, filmes, livros e até na praia, o seu “carregador de baterias”. A Escandinávia e China são as principais fontes de influência, a primeira, pela essência, cor e forma; a segunda, pela cultura e religião.

Mais no portal

Beleza e Saúde

Este óleo promete proteger a pele do rosto do frio

Com a chegada do outono, começamos a ter preocupações diferentes com a nossa pele.

Moda

Não vai acreditar no preço deste casaco

Uma solução cheia de estilo para acrescentar aos seus visuais de outono.

Lifestyle

O novo manifesto da Sport Zone é verdadeiramente inspirador

A marca partilha 5 histórias tocantes, nas quais o desporto é uma fonte de motivação diária.

Beleza e Saúde

Nem imagina o que a canábis pode fazer pela sua pele

Uma nova linha a descobrir.

Moda

Conheça os principais motivos para as mulheres não tirarem partido da imagem

No novo episódio da rubrica Imagem de Sucesso, identifico as razões pelas quais muitas mulheres não se sentem felizes com a aparência e como ultrapassá-las com a ajuda da moda.

Beleza e Saúde

Diz quem sabe: é possível distinguir uma gripe de Covid-19?

Entenda a explicação, segundo um médico virologista.

Beleza e Saúde

Com esta solução, acabaram-se as idas ao cabeleireiro

Testei dois produtos cujos resultados são dignos de profissional. E quem não quer ter um "cabeleireiro" na própria casa?

Beleza e Saúde

10 formas de fortalecer a nossa saúde em menos de um minuto

Confira estas dicas eficazes (e rápidas) que devem fazer parte da sua rotina.

Lifestyle

Falafels de espinafres no forno: de comer e chorar por mais

A nutricionista Rita Pereira partilha esta receita, passo a passo, para uma refeição (ou um snack) vegetariano, saboroso e que só faz bem à saúde.

Celebridades

Emily Ratajkowski acusa fotógrafo de a assediar quando tinha 20 anos

Desde que a modelo revelou a história ao mundo, uma outra celebridade diz ter vivido um episódio semelhante com a mesma pessoa.

Lifestyle

Clube do Livro Finanças de A a Z: "A Poupança no Feminino"

No novo episódio da rubrica Finanças de A a Z estreio um espaço mensal onde vou deixar algumas sugestões de livros úteis para a educação financeira de miúdos e graúdos.

Lifestyle

Livro da semana: "A Quinta" inspira-se nos sacrifícios que mulheres fazem pelos que mais amam

Um livro de Joanne Ramos, publicado pelas Edições Saída de Emergência.