12376-330-1.jpg

Num vão de escada, a figura do papa João Paulo II em cera, exceutada por especialistas do museu Madame Tussauds

Gavin Jackson

Knightsbrige, Londres. A fachada é de 1830, de traça vitoriana. Lá dentro, o cenário nada tem de conservador. Roland Emmerich, realizador de ascendência germânica, urdiu uma verdadeira rebelião interior. Para tal, apelou à intervenção criativa de John Teall, designer da Flux Interiors. “Foi um desafio absoluto”, lembra Teall, reduzindo a conversa inicial com Emmerich à seguinte frase: “Dá-me um interior que dê um pontapé na moral e faça com que os vizinhos mais coscuvilheiros tenham vontade de chamar a polícia.” Era mesmo o que Teall queria ouvir: “Para mim, a decoração de interiores não é puxar o saco a mulheres de futebolistas… é, sobretudo, uma passagem de energia criativa e artística.” Trabalhar com Emmerich foi, segundo Teall, “uma experiência compensadora”.“O Roland tem uma mente aberta fantástica”, elogia o designer de interiores.

Como seria de esperar de um realizador como Emmerich, expressões políticas e propagandísticas dão o mote à decoração, em grande parte devido a uma viagem a Xangai, onde o realizador encheu a mala de estatuetas kitsch, de Mao a Lenine. Tudo começou com um cartaz de propaganda comunista: “Pintámos toda uma parede a partir deste poster. Gostámos tanto, que decidimos fazer o mesmo noutra e depois noutra e noutra…”A abundância de ‘estrelas vermelhas’, cenários de batalhas políticas e imagens de ditadores (podemos sentar-nos num confortável sofá sobre a cabeça de Saddam ou Stalin) vai para além da inteligência visual. “Não podemos viver com a mente direcionada num único sentido. É por isso que normalmente não gosto do humor no design – depois de olharmos o objeto, a anedota acaba-se numa fração de segundo. O humor só funciona quando se processa algo em ti; quando te agarra, te revolve, desarma e te consegue alimentaro pensamento”, defende o cineasta.

O duplo objetivo de Emmerich e Teall foi o de criar uma casa que, por um lado, fosse convidativa, relaxante e agradável de estar. Por outro, deveria estar apetrechada com temas que tivessem um profundo significado, capaz de inspirar e suscitar reflexões e conversas. É por isso que na casa de banho adjacente ao quarto inglês com um toque de realeza se encontra uma sequência subliminar mostrando Camilla, Duquesa da Cornualha, a ser ‘regada’ por um pénis mitológico. É também por isso que se pode passar a noite na companhia do presidente iraniano Ahmadinejad, fotomanipulado de modo a parecer uma pin-up, a presidir sobre a mesa-de-cabeceira lateral, enquanto um despertador em metal, de contornos fálicos, se evidencia na outra cabeceira. E é também por isso que na sala é mais do que provável perdermo-nos na contemplação das mesas especialmente desenhadas por John Teall, uma para albergar uma maqueta com miniaturas do cenário do homicídio de Kennedy, outra a retratar a infame traição no banco traseiro de um carro protagonizada por Hugh Grant. Outra das mesas é uma réplica da prisão Abu-Ghraib. Após um olhar mais preciso, conseguem vislumbrar-se cenas de tortura que ali tiveram lugar. “A arte a duas dimensões nunca é funcional”, diz Teall, mas se a integrarmos numa mesa onde pousamos o café e a torrada torna-se tridimensional, estimulante e funcional. Uma casa verdaderamente irreverente que, só por si, dá um filme.

Palavras-chave

Assine a ACTIVA

Deixe-se inspirar, assine a ACTIVA, na sua versão em papel ou digital, a partir de €2,00 a edição. Saiba tudo aqui ASSINAR

Mais no portal

Celebridades

Kate regressa ao trabalho com abordagem fresca à tendência da alfaiataria

Depois de uma pausa de verão, a duquesa de Cambridge retomou os deveres oficiais com uma visita a oficias da Força Aérea Real.

Celebridades

Sofia Vergara celebra o trigésimo aniversário do filho com festa animada

A atriz foi mãe aos 19 anos e Manolo Gonzalez Vergara é o seu único filho.

Celebridades

O motivo para Morgan Freeman usar uma luva na mão esquerda

Muitos pensam que o ator teve a mão amputada ou que se trata de uma afirmação de moda, mas não é o caso.

Celebridades

Os artistas lusófonos que já se apresentaram na plataforma internacional ColorsxStudios

Carolina Deslandes fez manchetes recentemente ao apresentar o novo single "Eco", que homenageia a fadista Amália através do refrão de "Grito", neste palco global.

Saúde

Vírus que ataca plantas de feijão-frade pode proteger os pulmões do cancro metástico

A técnica preveniu, ou pelo menos minimizou, a disseminação de tumores malignos e melanoma em ratos-domésticos.

Nas Bancas

A ACTIVA de outubro, com Vera Kolodzig na capa, chega amanhã às bancas!

Uma edição sobre mulheres cujas vozes activas são forças de mudança.

Moda

Como usar cabedal com estilo e elegância

Com o aproximar da nova temporada, é altura de tirar estas peças da gaveta.

Beleza

Cabelos: conheça as tendências fortes da nova temporada

Dos cortes aos penteados, estas são algumas das apostas fortes para os meses de outono e inverno.

Comportamento

Psicóloga recomenda estratégia de 7 passos para deixar um parceiro controlador

Neste tipo de dinâmica, uma pessoa domina ou participa na intimidação do parceiro. Pode acontecer a qualquer pessoa.

Beleza

Cabelos espetados nunca mais! Este acessório veio acabar com o problema da eletricidade estática no nosso cabelo

Há um novo acessório para secador de cabelo que elimina o encrespamento

Saúde

O motivo para o corpo humano libertar vapor após treinos em climas húmidos

Sim, é possível, e a explicação é muito simples.

Mulheres Inspiradoras

“Somos brasileiras antes de sermos mulheres imigrantes”

Prostitutas que roubam maridos e falam “brasileiro”. Os estereótipos construídos ao redor da mulher brasileira são usados para justificar violência, negativas de direitos fundamentais e esvaziar as suas identidades. E estamos em 2021.