DSC_9079.JPG

epinheir@gmail.com

 – Qual a principal dificuldade das pessoas das pessoas quando se vêem desempregadas?

 É, claramente, combaterem o desespero que se instala após terem esgotado a sua rede de contactos natural. Há um vazio que se apropria da pessoa e que a faz gradualmente fechar-se em si mesma. O envio de CVs e as idas às entrevistas passam a ser um ritual penoso e um pouco sem sentido (nestes tempos em particular) que conduzem a sérios problemas de auto-estima e estados depressivos.

-Como manter a motivação quando se sabe que nestes meses é ainda mais difícil encontrar emprego?

  “A vida ensina-nos a importância de dois movimentos básicos: agarrar e largar. Basta olhar para as mãos de um bebé acabado de nascer e vê-lo a agarrar e a largar o polegar da mãe. O movimento ativo de agarrar, ou tentar ir atrás das oportunidades, precisa do outro que é o de aceitar a espera como um momento necessário. Numa vertente mais ativa a sugestão é aproveitar o tempo para desenvolver mais competências. Não tanto técnicas mas em outras áreas. Para que isto resulte as ações devem ser feitas de forma consciente, tendo em mente o objetivo de encontrar um emprego com determinadas características. Sem essa consciência podemos estar a fazer uma coisa até útil (exemplo: dar grandes passeios em BTT) mas inconsequente. Usando o mesmo exemplo, podemos querer trabalhar uma dificuldade em persistir em tarefas que exigem muito esforço, característica fundamental para o trabalho de topógrafo que ambicionamos e, nesse caso, os tais passeios de BTT vão ajudar-nos a adquirir esses comportamentos e são úteis para manter a motivação na procura desse emprego”.

– Como combater a desmotivação quando já se está à procura de emprego há meses (ou anos) e há a tentação de simplesmente desistir ir para a praia?

 A praia pode ser a melhor receita! Não é o cruzar os braços, mas como disse atrás aceitar o momento de esperar. Com um bom bronzeado e uns passeios determinados à beira-mar pode recuperar-se a autoestima. Uma prancha de surf pode ajudar a desenvolver skills de maior flexibilidade. A longa espera, infelizmente em Portugal é cada vez mais uma realidade, e é uma situação que provoca grande ansiedade e desespero, até podendo avançar para patologias sérias de depressão. Outra boa solução é a pessoa encontrar atividades que gostava de ter feito ou em tempos fez. Podem ser coisas muito simples, mas são habitualmente muito satisfatórias. Recuperar o prazer nessas atividades e fazê-las pensando que é um aproveitamento da oportunidade de estar  nessa situação pode ser altamente transformador.

– Algumas pessoas podem sentir-se culpadas por ir para a praia. Faz sentido oferecer-se umas ‘férias’?

Sim! Sim! Descansar e suspender o problema é meio caminho andado para que se criem as condições e surjam as oportunidades. Não é tirar 3 meses de férias (até pode ser) mas assumir esse tempo possível de férias para recuperar energias, como um tempo vital para o processo. As pessoas tendem a desenvolver muitos mecanismos recriminatórios que não são positivos. De que serve eu passar os dias a ler as mesmas oportunidades de emprego nos jornais e a enviar dezenas de CVs quando já me sinto exaurido e sem esperança que algum deles tenha sucesso? As férias são o momento de parar, recuperar energias e começar de novo.

– Será ou não boa ideia aceitar um trabalho temporário (típico de verão, por exemplo) numa área que não tem nada a ver com aquela em que se procura emprego?

 Um trabalho temporário pode ser extremamente importante até para se ganhar mais autoestima e recuperar o ritmo de trabalho. Por vezes esse “temporário” acaba por se revelar o sonho que a pessoa procurava (quantas vezes). É uma atitude de aceitação e de experimentalismo que é uma das chaves para uma vida preenchida. Num desemprego de alguma duração, aceitar um trabalho assumidamente temporário pode ser o suficiente para inverter um ciclo de medo para um novo ciclo de confiança. Uma vez no ciclo de confiança, então sim as mudanças positivas são muito mais fáceis.

 – E valerá a pena apostar nas substituições de pessoas para férias (pelo mesmo motivo)?

Neste caso a pessoa vai temporariamente fazer algo para o qual tem competências e motivação natural. Pode ser de facto uma nova oportunidade de recuperar a sua auto-estima e uma vez no ativo abrirem-se novos cenários durante esse período. 

– Qual é o principal erro que os desempregados tendem a cometer?

 Deixar de sonhar. Esse é “o” erro. Sem sonho torna-se difícil traçar um rumo, conquistar, persistir, energizar, celebrar e construir e sonhar mais ainda. O sonho “comanda a vida” já dizia o António Gedeão e é fundamental que uma pessoa numa situação de desemprego não cometa o erro de deixar de sonhar. Este é o combustível que alimenta tudo. Para uma pessoa desempregada é também “a” oportunidade de entender o seu propósito de vida e mudar de rumo se o que levou até aí não o levava a lugar nenhum.

 – Que estratégia aconselha a quem está a procurar emprego? O que faz a diferença?

 Um empregador quer mais do que uma pessoa competente para a função. Quer alguém que faça a diferença, até (e acima de tudo) nas pequenas coisas. Alguém que tenha energia, capacidade de persistência e resiliência, que saiba pensar, esperar, colaborar e com uma atitude construtiva. A estratégia passa por mostrar quem se é para além da função e dos conhecimentos técnicos.

– A baixa autoestima pode dificultar muito essa procura. Que conselhos dá a quem se encontra nesta situação?

 Sonhar novamente! Reavaliar o rumo. Investir em si. Combater a tentação de se fechar sobre si próprio. Estar com amigos. Aproveitar o tempo para hobbies. Fazer trabalho de voluntariado. Tratar da sua saúde. Apaixonar-se pelas coisas boas que lhe acontecem. Aceitar o tempo para desfrutar. Procurar oportunidades para agir. 

Palavras-chave

Relacionados

Lifestyle

Português cria plataforma de emprego global

Está farta de enviar currículos e tem as mãos negras de tanto folhear as secções de emprego dos jornais? A plataforma Workub, criada por Álvaro Sardinha, pode ajudar.

Mais no portal

Comportamento

4 formas de salvar o planeta entre quatro paredes

A sustentabilidade chegou ao sexo.

Moda

Parfois: 5 colares perfeitos para o verão

Cor não lhes falta!

Comportamento

Os 10 países mais ecológicos do mundo ficam na Europa - mas Portugal não é um deles

Veja em que posição estamos e o que podemos aprender com as nações que dão o exemplo.

Moda

Conheça cinco marcas de moda que estão a mobilizar-se pelo planeta

O resultado são estas coleções, que aliam estilo a consciência ambiental.

Beleza

As novidades de beleza para um estilo de vida mais sustentável e consciente

Para celebrar o Dia da Terra, assinalado anualmente a 22 de abril.

Lifestyle

O segredo de Vanessa Martins para poupar até 5 litros de água por dia em casa

Um pequeno gesto com grandes repercussões.

Mulheres Inspiradoras

Quatro ambientalistas portuguesas que tem mesmo de conhecer

Aqui ficam alguns exemplos de mulheres que renovam diariamente o compromisso de conservação e preservação ambiental.

Saúde

Grávida? Entenda a importância da gestão da ansiedade e do exercício físico

Uma fase de várias mudanças que exige um grande sentido de adaptação.

Moda

Roupa interior e de banho criada a pensar em mulheres que passaram por uma mastectomia

A Mango estreia-se neste tipo de underwear e swimwear específicos, sendo que todos as lucros da venda desta coleção serão doados à associação teta & teta.

#VozActiva

Madalena Brandão: "Ser mãe é uma aprendizagem constante"

No #VozActiva deste mês, a nossa protagonista de capa fala sobre a jornada que é a maternidade. Uma conversa a não perder!

Nas Bancas

A sua Activa ao alcance de um click

Abril águas mil e aquela preguiça de correr debaixo de chuva até ao quiosque para comprar a Activa mais recente? Não stresse. Basta assinar a ACTIVA digital e tem acesso a tudo, sem se molhar.