RTR3BRCP.jpg

REUTERS

O tempo é de paz e amor, mas quantas vezes não se zanga a família inteira porque ninguém decide onde passar a consoada?

1 – Afinal, onde é que se passa a consoada?

Os pais dela acham que deve ser na casa deles porque é maior e cabem as crianças todas.

Os pais dele acham que deve ser em casa deles porque não é justo que fiquem sempre com o dia 25 que é o Natal de segunda categoria.

E é difícil que não continuem a tratar os respetivos filhos como crianças e a fazer chantagem emocional.

A coisa pode piorar quando ele e ela se separam quando ela o apanhou com a Luisinha da contabilidade, e muitos episódios da telenovela depois, tornou a casar, de maneira que agora além de dois pares de avós há três, e as crianças, para onde é que vão, não é justo que vão para os pais do Rui, embora os adorem, mas também não é justo que o Rui festeje com os pais do Manel, era o que faltava, aHHHHHHHHHH! Socorro!

Como resolver: Dizer que ‘alternam’, além de não soar muito bem, geralmente é utópico porque depois ninguém cumpre o que ficou estabelecido. Enfim, geralmente a coisa tem tendência a resolver-se da maneira mais prática (acabam todos na casa que tem mais crianças ou passam oa véspera num sítio e o natal no outro ou celebram dois natais) embora a situação possa continuar a gerar anti-corpos natalícios por muitos anos.

2 – A quem é que se dá presente?

Ela quer dar presentes só às crianças, ele acha que o Natal é uma festa universal e que os adultos estão mais precisados de um presentinho (quer dizer, já se está a ver sem o écran plasma que estava a pensar sacar aos sogros, com um bocadinho de boa vontade e algumas indiretas a dizer que está farto de ver a Final da Taça num écran do tamanho da bola).

Ainda por cima a família cresceu, e só de crianças há mais do que em toda a Kidzânia, mesmo que se desse presentes só às crianças já era a ruína! Ah, como percebe o Rei Herodes!

Inda por cima, por que raio é são sempre as mulheres que compram todos os presentes? E quando se acabou de decidir que a contenção era a ordem do dia, ele aparece no dia 26 com um BMWX5 porque estava a ressacar um presentinho?

Como resolver: Aqui não há nada a fazer: crise é crise, forretice é forretice, e só mesmo as crianças escapam (às vezes nem as crianças). Se quer muito o écran-plasma, mais vale recorrer ao crowdfunding do que à sogra.

3 – Como aturar um chato

Há famílias encantadoras, em que a avó passou a tarde a fazer bolos, os netos não falam alto, gostam de todos os presentes e agradecem delicadamente, o avô veste-se de Pai Natal e os tios e tias ajudam a pôr a mesa e nunca se pegam uns com os outros.

Infelizmente, a sua família não viu esse filme.

O avô já não se lembra do nome de todos os netos, metade dos netos preferiu ir para outras casas e a outra metade tenta arrancar o pai natal de plástico da varanda, a avó passa o tempo a resmungar que se soubesse tinha ido com as amigas para Jerusalém fazer a Via Dolorosa, que sempre devia ser mais divertido, o primo Roberto pega-se com o tio Acácio porque um acha que o Plano Orçamental deve ser aprovado e o outro acha que andamos todos a reboque da máfia alemã, o Simão pega-se com a Violeta porque ela diz que Simão é nome de macaco e ele diz que Violeta é nome de vaca, e em resumo, o documentário sobre a família ideal nunca pediria permissão para vos filmar. Como é que se atura esta gente?

Como resolver: O mais seguro é pôr toda a gente a fazer qualquer coisa, mas nem sempre há tempo e organização para isto. Se desatarem todos ao estalo, deixe-os lá. Afaste as jarras, frite as azevias, e a meio da refrega pergunte ‘Alguém quer ver uns episódios do Downton Abbey?’ Se ninguém quiser, pelo menos vai pô-los a falar de outra coisa (da escandaleira que foi porem um episódio de natal com os mortos todos que não interessa a ninguém).

4 – Dahhh….

As crianças são os reis do natal, e sabem-no. Aliás, são os reis da vida toda, por isso não é de estranhar que no natal a situação se reforce.

As crianças estão no meio da sala a desembrulhar presentes e a família ao lado olha… Passam de um embrulho para outro à velocidade da luz, e parece que nada daquilo os faz verdadeiramente felizes…

Quando aos adolescentes, passam o serão emburrados e debruçados sobre o gameboy sem trocar palavra com ninguém. Às vezes são os únicos a ter presentes, e mesmo assim nem se dignam agradecer… Como é que se combate aquela ideia de que tudo lhes é devido? E como é que se inclui um cego-surdo-e-mudo num serão de família?

Como resolver: Mais uma vez, põe-se o surdo-mudo a fritar qualquer coisa. Se mesmo assim continuar surdo-mudo, pelo menos terá sido útil à sociedade, o que já não é dizer pouco.  Quanto às crianças, tem bom remédio: não lhes dê tanta coisa.

5 – Mas eu odeio isto!

Ela passou o ano inteiro a apontar para a montra da ourivesaria ou da perfumaria e a dizer ‘eu quero aquilo’. Nada.

Ele estava de auriculares (verdadeiros ou metafóricos) e aí por volta de dia 24 de Dezembro à tarde leva as mãos à cabeça e lembra-se que ainda não comprou a única prenda que tem mesmo de comprar sob pena de greve de sexo nos próximos 10 anos.

Entra numa loja qualquer e estende a mão e compra qualquer coisa tipo o primeiro perfume que encontra, um livro sobre vinhos (para ele próprio), uma caixa de chocolates (que ela não pode comer), uma camisola que não é o número dela e além disso é às bolas, um saco de água quente com o Noddy, um despertador sem pilhas, uma chávena de café quando ela não bebe café, ou um ramo de gipsófilas que empestam a casa.

Ela protesta que não era nada daquilo que queria, ele diz que não tem telepatia, ela diz que para o ano escreve uma carta ao pai Natal, ele diz que as mulheres são todas umas complicadas e nem o Pai Natal as entende, ela diz que os homens são todos uns egoístas, ele vai jogar playstation, ela vai para o Internet Dating Service ou para o cotasmaduras.com, onde também não anda ninguém a não ser trolhas americanos com mais de 345 quilos que deviam ir ao ‘Biggest Looser’ . E pronto. 

Como resolver: Se ele não pensa muito no assunto é porque não está mesmo interessado em si. Tem um ano para arranjar outro Pai Natal e ser feliz. Se lhe sai ao lado mas esforçou-se, diga “ó querido, que fofinho, gosto taaaaaaanto!” mesmo que vá a correr doar aquilo aos Emaús. A intenção é que conta, diziam as nossas avós e tinham razão, e o amor está muitíssimo mais acima que a sinceridade.

6 – Quando o natal é uma seca

O mini-natal nem sempre dá briga, mas quem sobreviveu relembra-os sempre como os Natais mais tristes da sua vida.

São aqueles típicos do pai-mãe-filho adolescente. Os avós morreram ou estão longe, irmãos não há, primos idem, e os tios andam nas suas vidinhas, e há 3 (ou 2…) pessoas à mesa.

Se pensarmos bem, é uma cópia (enfim, se não contarmos o burro, a vaca e o anjo)…) da Sagrada Família, mas para a nossa cultura, viciada em famílias quilométricas de irmãos sorridentes e avós de avental de folhos carregando perus e bacalhaus como nos anúncios de azeite, parece-nos sempre pouco.

Passam o serão a ver a Júlia Pinheiro ou a Teresa Guilherme naquelas emissões que foram filmadas com três semanas de antecedência com toda a gente a fingir que era Natal, tudo a comer em silêncio ou a fingir que se estão a divertir imenso quando afinal ninguém sequer gosta de bacalhau.

Ter um natal de 3 pessoas (ou 2…) parece que falhámos na vida, que ninguém nos ama, que a nossa família é mesmo pequenininha, e que a culpa é nossa… Quando a criança se levanta e diz que vai ter com os amigos, ou que vai para o quarto ver quem anda a plantar bacalhaus no Farmville, quem pode culpá-lo?

Como resolver: Não é o número de pessoas que faz um natal, mas o espírito. Se só uma pessoa tem espírito, tente convidar outras para juntar à festa. Se mesmo assim forem pouquinhos, faça o que pode. Se mesmo assim a chama não pegar, olhe, festeje para dentro. Ou deite os outros pela janela.

7 – Qual cara metade?

Passámos um mês a comprar presentes. A decidir onde é que se vai. E o que é que se come. E o que é que se dá à Mimi que tem tudo e ao pobre do sem-abrigo da esquina que não tem nada (podiam casar-se os dois e seriam felizes).

E há mais trabalho porque o chefe é contra o Natal, diz que é uma armadilha capitalista para nos sacar carcanhol e ele é um espírito livre, e como é um espírito livre mantém-nos algemados ao computador a mourejar noite fora.

Quando se consegue escapar há filas quilométricas na estrada porque toda a gente vai para o Corte Inglês todas as noites, devem andar a ter casos com as garrafas de marrasquino do Club del Gourmet, e depois há a festa de natal da criança a que, como de costume, só vai a mãe, aliás é a mãe que vai a tudo e que planeia tudo e compra tudo, o pai limita-se a receber o presente a dizer ‘mas tu sabes perfeitamente que o tweed me pica no pescoço’. Em resumo, já não vê a sua cara metade há 55 dias, e quando o vê está tão furiosa que explode “Para o ano, passo o Natal em Belém!” ao que ele responde “Caxias é mais bonito nesta época do ano”. Muito engraçadinho. Há de ver os termos do divórcio.

Como resolver: Mais uma vez, podia-se dizer ‘tirem algum tempo para namorar’, mas mais uma vez é o tipo de coisa que ninguém faz. Olhe, respire fundo, mantenha a cabeça fria, arranje um gel de banho que cheire bem (nunca subestime a importância de começar bem o dia), tome vitamina C, compre um presentinho para si própria e pense que o stresse é normal. É Natal. Há de passar. Feliz natal.

Tempos difíceis exigem a melhor informação

Tempos difíceis exigem a melhor informação É por isso que a Trust in News decidiu oferecer um pack mensal de revistas digitais a um preço simbólico: €9,90 por 9 revistas: VISÃO, VISÃO História, VISÃO Júnior, VISÃO Saúde, Jornal de Letras, Exame, Courrier Internacional,  ACTIVA e Exame Informática. Para ler no seu smartphone, tablet ou computador, facilmente e em sua casa. Está garantida uma boa leitura para toda a família! #euleioemcasa Saiba mais

Mais no portal

Moda

15 calças leves para usar nas idas à praia

Ou nas noites de calor.

Lifestyle

Diz quem sabe: eis a técnica que a ajudará a alcançar os seus objetivos

Um método simples e bastante útil.

Lifestyle

Duas estreias Netflix para assistir no fim de semana

Uma comédia e uma série para juntar a família no sofá.

Beleza e Saúde

Os segredos de Naomi Campbell para ter a pele e o corpo dos sonhos aos 50 anos

A supermodelo recorre a estes truques!

Beleza e Saúde

O segredo da pele de Priyanka Chopra é esta máscara caseira de três ingredientes

Uma receita com produtos que vai encontrar na dispensa!

Beleza e Saúde

Testei - e rendi-me - a este hidratante de farmácia

Pele radicalmente mais hidratada em poucos dias.

Lifestyle

Passatempo Jordan Dia da Criança: temos 6 kits para oferecer

Participe no passatempo Jordan “dentinhos lindinhos”.

Celebridades

Este vestido de Kate é sustentável e feminista

E ainda está disponível para compra online!

Beleza e Saúde

Esta é a ordem correta para aplicar todos os seus produtos de skincare

Não basta misturar tudo!

Moda

Saiba como tudo aquilo que não diz pode revelar muito sobre si

Explicamos tudo neste episódio da rubrica Imagem de Sucesso.

Vídeos

Como Kady encontrou a sua voz e passou a usá-la para empoderar outras mulheres

"FLAN" é o nome do novo single da artista. Um tema afrosoul que vive das misturas de ritmos africanos com influência do Soul e R&B norte-americanos.

€2,95 por edição 20% desconto  

Papel