179693002.jpg

Getty Images/Wavebreak Media

Há quem goste de muita coisa, de pouca, e de nada. Mas no Facebook gostamos principalmente que gostem de nós: e há 10 anos que somos, quase todos, em maior ou menor grau, viciados em ‘likes’. 
“Somos todos humanos e gostamos de receber atenção”, reconhece Andrew Keen, autor do livro ‘Digital Vertigo’ (Vertigem Digital). “As redes sociais são a cocaína da era digital e estamos todos viciados”, alerta Keen, que admite ser ele próprio dependente.
A palavra vício não é só uma maneira de dizer: um estudo da Universidade de Harvard mostra por que é que não conseguimos desapegar-nos do nosso ‘quintal’ e de dizer ao mundo que almoçámos esparguete com almôndegas. Para o cérebro, contar aos outros qualquer coisa sobre nós é altamente aditivo. Ou seja, dá-nos uma poderosa sensação de prazer, que aumenta conforme o tamanho da audiência. 
Isto também explica certos comportamentos estranhos, como os ladrões que postam fotos de si próprios durante o próprio ato de roubar, por exemplo, ou os adolescentes que matam e depois dizem ‘foi fantástico aparecer na CNN’. 
Ou seja, o que nos atrai não é o Facebook ele próprio: é a quantidade de oportunidades para a autopromoção que oferece, e aquilo que pode fazer aumentar a nossa autoestima: sim, há quem esteja melhor do que nós, mas também há quem esteja pior. 
“Podemos postar o que estamos a pensar, fotos nossas, dar a nossa opinião, exibir a opinião dos outros”, resume o psicólogo Hudson Brewer, da Universidade do Massachusetts Medical School, na secção ‘Vícios e recuperação’ do jornal ‘Huffington Post’. “Junte-se à receita um pouco de reforço intermitente (nunca sabemos quando virá o próximo ‘like’, que é aliás o mesmo esquema dos casinos) e temos uma fórmula imbatível.”

Podem destruir-nos… ou animar-nos a vida
Mas o que é que um simples ‘like’ pode fazer de nós? Ao que parece, seres vazios: “Muita gente não sabe estar só”, nota a psicóloga Clara Soares. “A certa altura, tornamo-nos tão públicos que não resta mais nada para partilhar, não temos nada dentro de nós que não seja uma montra, pronto a consumir. A certa altura, estamos constantemente a fazer encenações e nem sabemos bem do quê.”
A cultura dos ‘likes’ corresponde em espelho à nossa adoração por ‘reality shows’: “E depois vê-se como é que as pessoas descompensam quando saem”, nota Clara. “O síndroma do ecrã é muito descompensador, porque fora do olhar dos outros não sobra nada. Vive-se do espelho. Vive-se da adrenalina que dá, e quando a ‘droga’ acaba vem a ressaca.” 
Ou seja, estou a pôr aquilo que sou fora de mim? “Claro. Está a compensar com o olhar do outro aquilo que não sabe se está lá, como um bebé que precisa do olhar da mãe para saber quem é. O mundo funciona como a mãe, e quando o mundo retira o olhar, não somos nada, e a situação deixa de ser sustentável.”
Portanto, ficar viciado em ‘likes’ pode ser um problema. Mas atire a primeira pedra quem nunca ficou mais animada e se sentiu melhor graças a um simples ‘like’… 


Ficamos mais ou menos sós no Facebook?
As duas coisas, conforme o usamos. Ou seja: há estudos que provam as duas coisas: que o Facebook nos pode tornar mais solitários (se só andamos por lá como um fantasma a cuscar as vidas dos outros e a sentirmo-nos mal por comparação) e menos (se andamos a comentar, a partilhar, a conversar e a fazer novas amizades). Portanto, usem o Facebook… para se tornarem  mais felizes. 

Relacionados

Lifestyle

Tem uma relação saudável com o Facebook?

Esta rede social pode trazer-nos muitos benefícios mas também pode ter um lado negro, que é preciso evitar. Eis 8 atitudes das pessoas que têm uma relação saudável com ela.

Lifestyle

Quanto tempo lhe custa uma hora no Facebook?

Um estudo recente contabilizou o tempo que passamos online e quanto é que isso nos custa, a nível de trabalho, lazer e família.

Lifestyle

As 15 Pessoas mais irritantes do Facebook

Do que não pára de nos adicionar a vários grupos ao que só posta anjinhos ou pores-do-sol, há gente que só nos faz perder tempo.

Lifestyle

Facebook aumenta a nossa auto-estima

Redes sociais incentivam o narcisismo e melhoram a autoestima.

Mais no portal

Beleza e Saúde

Diz quem sabe: os alimentos e o Feng Shui

Entenda esta relação, que pode ajudar-nos a entender quais os tipos de alimentos que devemos privilegiar.

Moda

Este truque de styling é uma arma secreta para parecer mais alta

No novo episódio da rubrica Imagem de Sucesso, partilho um segredo simples que alonga as pernas de uma forma natural.

Lifestyle

ACTIVA de outubro: olhar para dentro

Já nas bancas.

Beleza e Saúde

7 sinais que podem indicar que já esteve infetado com covid-19

Sabe identificar os avisos que o seu organismo lhe dá?

Lifestyle

Experimentei um pequeno-almoço com menos de 200 calorias

Três ingredientes fazem desta uma receita saborosa e muito fácil de preparar (até no microondas).

Celebridades

Será que já nasceu a bebé de Gigi Hadid?

Eis os motivos que têm feito os fãs acreditar que sim.

Celebridades

Júlia Palha mostra como o soutien certo pode elevar a autoestima

A embaixadora da Intimissimi revela como escolhe soutiens, qual a sua peça preferida e como usar uma lingerie para deixar um visual sensual e divertido

Moda

10 malas à prova de chuva

Quando a meteorologia é incerta, há que fazer escolhas seguras.

Celebridades

Michelle Obama lembra quando o irmão foi acusado de roubar a própria bicicleta

O incidente ocorreu com dois agentes da polícia de Chicago.

Celebridades

A surpreendente origem do nome "Beyoncé"

A mãe da artista revelou um facto inesperado acerca da filha.

Celebridades

Cardi B e Offset vão divorciar-se

Foi a artista quem avançou com os documentos.

Beleza e Saúde

As três grandes tendências de cabelos para as estações mais frias

A Schwarzkopf Professional lança uma nova coleção para reiventar os seus fios.