Ainda se lembra da primeira edição do Rock in Rio, em 1985?
Tinha de seis para sete anos e só me lembro me perder na obra (clássico!), pôr new wave [gel colorido ou com purpurinas] no cabelo; lembro-me de um jantar em minha casa com os artistas e de brincar com produtos oficiais (viseiras, óculos, etc…) e dos shows da Rita Lee e da Nina Hagen. Muitos anos depois pensei porque me lembrava disso e achei uma explicação – uma tinha o cabelo vermelho fogo e outra cor-de-rosa. Deve ter sido isso.

Que histórias e peripécias marcaram essa estreia?
Este festival já nasceu grande porque as grandes motivações eram mostrar o Rio de Janeiro como destino turístico, uma juventude forte num país que estava a sair da ditadura militar. O Brasil não tinha muita credibilidade na área do entretenimento; os artistas internacionais não iam até lá. O Roberto [Medina, o pai] entendeu que tinha que fazer uma coisa muito impressionante para chamar a atenção internacional para um país do terceiro mundo. O Rock in Rio nasceu com um nível de sofisticação, pensado por um homem que não tinha nada a ver com o mundo do espetáculo. A outra questão para ser muito grande tinha a ver com a necessidade de pagar contas – o preço dos bilhetes era muito baixo por causa do poder de aquisição dos brasileiros.

O RiR só aconteceu por influência do Tancredo Neves, que aliás foi eleito presidente num dos dias do evento [viria a morrer em vésperas de tomar posse]. Durante o processo de construção, houve um período em que o Governo do Estado e a prefeitura do Rio de Janeiro bloquearam as obras porque as guerras foram muitas. Dez anos depois, descobrimos que eles estavam preocupados que o Roberto Medina quisesse ser político. Outra das principais guerras foi com a Igreja. Achavam que juntar tantos jovens não iria dar certo. Tinham um medo enorme da parte comportamental, das drogas e sexo. Mas o Roberto teve o apoio do Roberto Marinho, o homem forte da TV Globo, e da Brahma, o primeiro patrocinador que acreditou e deu o primeiro cheque.

Os Queen tiveram que emprestar a estrutura de iluminação para as bandas todas, caso contrário não seria viável fazer o festival. A primeira vez que se ilumina a plateia (não apenas o palco) foi no Rock in Rio de 85 porque, como publicitário, o Roberto entendia que a razão de ser de tudo aquilo, eram as pessoas que assistiam aos espetáculos.

Houve complicações com o terreno. Mesmo depois de 70 mil camiões de terra terem sido depositados, ainda tinham que abrir clareiras no meio das pessoas para colocar pedras, porque o terreno afundava e brotava água! O Roberto tinha outras opções mas decidiu que tinha que ser ali. Hoje, é o terreno onde está situada a Aldeia Olímpica.

Era muito nova quando começou a trabalhar na organização do festival. Desde então, qual foi a maior lição de gestão que aprendeu?
O valor das pessoas que integram as equipas, saber confiar e delegar nelas. Foi uma lição forçadíssima e imediata. Não tinha outra opção, tive que aprender fazendo, junto com as pessoas que sabiam. A minha parte intuitiva e, de certa maneira, a minha maneira de ser, também facilitaram. O meu pai também não ficava atrás aprovando o que eu fazia. Nessa altura, achei que o meu pai me tinha atirado à jaula dos leões, trancado a porta e quase atirado a chave fora. Uns anos mais tarde, a minha versão mudou: ele fechou-me na jaula dos leões, trancou-a, mas ficou atrás da cortina observando. (risos) Mas foi muito giro. Consegui conquistar o respeito da equipa, apesar de ser tão nova. Tem uma Roberta antes e depois do Rock in Rio. Quem era ela antes? Ninguém.

E como é que se conquista esse respeito aos 22 anos e sendo filha do patrão?
Tem muitas etapas para conquistar até lá. Não partimos do zero, partimos do -100 (risos). Primeiro tens que responder às dívidas que já trazes por seres filha do Roberto, por seres tão nova… O meu pai teve uma vida muito intensa. Perdeu muito dinheiro na primeira edição, ficou doente. É uma história muito feroz. Umas das coisas que eu não entendia era como é que ele estava a fazer tudo de novo. O que me pesava era saber que, se eu fizesse alguma coisa errada, não era para mim que iria sobrar – era ele que seria responsabilizado. Por isso era um nível de responsabilidade muito pesado. Tinha objetivos e desafios, nunca parei para pensar nas dificuldades no caminho. Fui fazendo e vivendo as dificuldades quando elas apareciam. Também era muito nova e não sabia nada – hoje já pensaria nisso, provavelmente.

Em todos estes anos, quais foram os concertos mais memoráveis, para si?
O do Bon Jovi em Portugal foi muito incrível. Fiquei impressionada com a energia dele, com as pessoas a cantarem do principio ao fim.

E a edição mais dura de realizar?
2013, no Brasil. Muito intensa. Tivemos muitos problemas com o parque e com a rede de esgoto. Foi um desafio muito intenso.

Qual o seu maior motivo de orgulho, na organização do festival?
Ter feito parte da conceção do sunset, valorizar o espetáculo aos fins de tarde, provocar os encontros.

Quem lhe falta mesmo trazer ao RiR?
Adoraria trazer o Bruno Mars, tanto cá como ao Brasil.

Onde é mais fácil encontrá-la, no recinto do festival?
No meu escritório ou a andar de um lado para o outro a ver como tudo está a correr.

Qual é o período de pico de stresse?
Três meses antes, e na hora de abrir portas (a vontade de que tudo passe depressa e bem é enorme!).

A edição deste ano conta com a novidade do Musical Rock in Rio. O que vamos ver?
Foi um grande sucesso no Brasil. O musical, que na versão original tem quase 3 horas (aqui vamos ver uma versão mais reduzida), conta os 30 anos do festival através da música, inserindo histórias engraçadas de alguns artistas no meio. É sensacional! Queremos trazer essa experiência para o Palco Mundo. Também vai ter um ator e cantor português, que vai trazer a parte da história do RiR Lisboa.

A Ivete Sangalo e os Xutos & Pontapés são presenças assíduas das edições nacionais. Há “artistas da casa”?
São sempre sucesso, são sempre pedidos e estão sempre entre os melhores, por isso sim, estão cá sempre. Artista RiR é artista de massas, que faz vibrar e que as pessoas cantam do princípio ao fim do show.

A sua filha já vai aos festivais?
Sim. Tem três anos e já foi a 4 edições. Na primeira, no Rio, só tinha 10 meses. Adora ver o fogo-de-artifício, anda nos carrosséis; fica na tenda VIP protegida, ao pé da família e a brincar na relva. Ao final da tarde vai embora. Mas, na edição do ano passado, em Las Vegas, não conseguia mandá-la embora, ela não queria!

Gostava que ela continuasse o legado familiar?
Não penso nisso, da mesma forma que espero que ninguém tenha essa expectativa comigo (apesar de terem). É muito pesado, isso. A expectativa é cruel, precisa de ser uma decisão espontânea e autêntica. Gosto de saber que tenho a liberdade de querer fazer o RiR ou não, amanhã, da mesma forma como quero que ela tenha a liberdade de escolher o caminho dela. Se ela quiser, embora lá! Mas… existem vidas mais fáceis, esta tem muito stresse. Não sou partidária de se escolherem vidas fáceis, mas o importante é que as pessoas se apaixonem pelo que fazem, e eu espero que ela tenha essa oportunidade também.

Mais no portal

Mais Notícias

House of the Dragon: Esta é que é uma família disfuncional

House of the Dragon: Esta é que é uma família disfuncional

Bella Hadid surpreende ao desfilar com vestido pintado a spray

Bella Hadid surpreende ao desfilar com vestido pintado a spray

Cozinhas do Mundo

Cozinhas do Mundo

Citroën apresenta Oli, um conceito automóvel “radical, responsável e otimista”

Citroën apresenta Oli, um conceito automóvel “radical, responsável e otimista”

Viver numa economia (de) seca na capa da EXAME de outubro

Viver numa economia (de) seca na capa da EXAME de outubro

Livros: as sugestões de outubro da VISÃO Júnior

Livros: as sugestões de outubro da VISÃO Júnior

Casa Dentro: Não perca, dia 6 de outubro, a conversa com Vítor Sobral

Casa Dentro: Não perca, dia 6 de outubro, a conversa com Vítor Sobral

"Muitas pessoas da Austrália ouvem falar de comida portuguesa e pensam em pastéis e frango". Lusodescendente fez sucesso ao apresentar Bacalhau à Brás no MasterChef australiano

Vasco Palmeirim eleito Personalidade do Ano em Entretenimento

Vasco Palmeirim eleito Personalidade do Ano em Entretenimento

Receita de Tarte de maçã e amêndoa, por Rui Paula

Receita de Tarte de maçã e amêndoa, por Rui Paula

SUV elétrico Polestar 3 é lançado a 12 de outubro

SUV elétrico Polestar 3 é lançado a 12 de outubro

Marina Mota sai da TVI e é a nova estrela da SIC

Marina Mota sai da TVI e é a nova estrela da SIC

Artes e Ofícios: esta semana todos os caminhos vão dar a Oeiras

Artes e Ofícios: esta semana todos os caminhos vão dar a Oeiras

A construção da confiança depende de todos nós

A construção da confiança depende de todos nós

Dos mais arrojados aos mais clássicos: Os 'looks' dos Globos de Ouro

Dos mais arrojados aos mais clássicos: Os 'looks' dos Globos de Ouro

Ministro do Ambiente diz que é preciso aproveitar mais águas residuais

Ministro do Ambiente diz que é preciso aproveitar mais águas residuais

20 peças para um regresso ao escritório em estilo

20 peças para um regresso ao escritório em estilo

VOLT Live: o novo manual para utilizadores de veículos elétricos

VOLT Live: o novo manual para utilizadores de veículos elétricos

Xiaomi ao ataque com o 12T Pro: um topo de gama (a sério) por menos de €1000

Xiaomi ao ataque com o 12T Pro: um topo de gama (a sério) por menos de €1000

A VISÃO Se7e desta semana – edição 1544

A VISÃO Se7e desta semana – edição 1544

Rainha Margarida da Dinamarca emite comunicado após tomar decisão polémica sobre o futuro dos netos

Rainha Margarida da Dinamarca emite comunicado após tomar decisão polémica sobre o futuro dos netos

David Fonseca, em Lisboa e no Porto: Viagem ao interior do artista

David Fonseca, em Lisboa e no Porto: Viagem ao interior do artista

Homeing está de volta com as tendências em design de interiores

Homeing está de volta com as tendências em design de interiores

Dez sugestões de sutiãs em renda

Dez sugestões de sutiãs em renda

Reis Carlos III e Camilla posam ao lado dos príncipes de Gales em fotografia oficial com detalhe invulgar

Reis Carlos III e Camilla posam ao lado dos príncipes de Gales em fotografia oficial com detalhe invulgar

VISÃO Júnior de outubro de 2022

VISÃO Júnior de outubro de 2022

Transforma-te num morcego assustador

Transforma-te num morcego assustador

A diversidade importa

A diversidade importa

Infanta Cristina e Iñaki Urdangarin: 25 anos de um casamento que acabou repentinamente

Infanta Cristina e Iñaki Urdangarin: 25 anos de um casamento que acabou repentinamente

João Mota: O temor do ator na hora do regresso

João Mota: O temor do ator na hora do regresso

ESG Talks: Debater finanças sustentáveis e ecofundos a 12 de Outubro

ESG Talks: Debater finanças sustentáveis e ecofundos a 12 de Outubro

Temperaturas acima dos 30 graus, poeiras e aumento do perigo de incêndio nos próximos dias

Temperaturas acima dos 30 graus, poeiras e aumento do perigo de incêndio nos próximos dias

05 de Outubro: O Presidente é a voz dos portugueses, nós agimos e resolvemos -- Costa

05 de Outubro: O Presidente é a voz dos portugueses, nós agimos e resolvemos -- Costa

Descolonizar o bicentenário da Independência do Brasil

Descolonizar o bicentenário da Independência do Brasil

Inteligência Artificial vs Direitos e Liberdades

Inteligência Artificial vs Direitos e Liberdades

Um bife contra a depressão? Estudo associa consumo de carne bovina a menor risco da doença

Um bife contra a depressão? Estudo associa consumo de carne bovina a menor risco da doença

Imobiliário: Preços de Lisboa ultrapassam os de Madrid, Barcelona e Milão

Imobiliário: Preços de Lisboa ultrapassam os de Madrid, Barcelona e Milão

Os visuais impactantes de Eva Longoria na Semana da Moda em Paris

Os visuais impactantes de Eva Longoria na Semana da Moda em Paris

Viagem fotográfica

Viagem fotográfica "Viver entre o que é deixado para trás"de Mário Cruz em Almada até dezembro

Incompatibilidades de ministros devem cessar logo que há perceção

Incompatibilidades de ministros devem cessar logo que há perceção

Kim Kardashian paga 1,26 milhões de dólares por ter promovido, de forma ilegal, criptomoeda

Kim Kardashian paga 1,26 milhões de dólares por ter promovido, de forma ilegal, criptomoeda

Pó