iStock_23899761_SMALL.jpg

Andreas Rodriguez

São popularmente conhecidas como ‘barrigas de aluguer’, mas a expressão nem é correcta face à Lei nacional, uma vez que não pode haver transação comercial e dinheiro envolvido numa situação semelhante. Mas o diploma que viabiliza a gestação de substituição foi ontem, dia 20, aprovado pelo Parlamento, com os votos a favor do BE, PS (que teve 2 votos contra), PAN e PEV e ainda 20 votos favoráveis do PSD. CDS e PCP votaram contra. A restante bancada social democrata dividiu-se entre uma maioria de votos contra e 8 abstenções, como noticia o Expresso.

Marcelo Rebelo de Sousa tinha vetado o documento em junho, apontando alguns vazios legais para os quais o parecer do Conselho Nacional de Ética e para as Ciências da Vida tinha chamado à atenção. O BE introduziu, então, alterações que detalhassem mais o contrato entre a gestante e o casal beneficário – passa a ficar escrito, por exemplo, a quem cabe a decisão de abortar em caso de malformação do feto ou de risco de vida para a gestante.

Durante o debate, como refere ainda o Expresso, representantes do CDS e PCP justificaram o seu voto contra por acharem que, mesmo depois das alterações, algumas questões ainda levantavam dúvidas éticas e não estão devidamente enquadradas do ponto de vista legal.

Um dos primeiros pareceres favoráveis a esta lei foi apresentado, no início do ano, pelo Conselho Nacional de Procriação Medicamente Assistida, desde que fossem observadas algumas condições essenciais:
# A mulher infértil pode ter ovários e não ter útero, ou não ter os dois órgãos mas tem que existir um diagnóstico clínico claro da impossibilidade de levar uma gravidez em frente.
# A mãe de substituição renuncia legalmente aos direitos e poderes próprios da maternidade. Já tem que ter pelo menos um filho
biológico seu.
# A maternidade de substituição não pode ser um negócio pago, evitando as ‘barrigas de aluguer’.

Para a edição de maio da ACTIVA, onde publicámos um artigo sobre a nova lei da procriação medicamente assistida e a gestação de substituição, falámos com Joana Freire, representante da Associação Portuguesa de Fertilidade, organismo que se bate há muito tempo para esta lei veja a luz do dia. “É um passo que precisa de ser dado a nível de evolução social. O projeto da gestação de substituição já existe há anos; tem estado na gaveta mas o ano passado conseguimos mexer-nos para o projeto ser votado. Parece-nos que esta proposta que o Bloco de Esquerda apresenta é muito bem consolidada.”
Como explica Joana, a lei da gestação de substituição beneficia “mulheres sem útero mas com ovários funcionais – por isso o material genético é todo do casal – e outras que não têm útero nem ovários e que, por isso, têm de recorrer a material genético de uma dadora. No meu caso, por exemplo, se for legalizada e eu alguma vez recorrer à gestação de substituição, uma das hipóteses é ser a minha irmã a gestante. Quando descobri que não podia ter filhos, falaram-me da hipótese de ser a minha mãe a gerar a criança, mas isso tornou-se impossível porque ela retirou o útero posteriormente.”
A aprovação da lei termina com “situações desagradáveis, em que os casais têm que ir para o estrangeiro como criminosos”, revela ainda. “Isto é um negócio lá fora e existem muitas burocracias para trazer as crianças.” Nos EUA, a maternidade de substituição é legal em alguns estados, e paga. “Os valores são altíssimos e não é qualquer casal que o consegue. A Índia já foi um destino de maternidade de substituição bastante pretendido, mas o controlo tem ficado cada vez mais apertado. O fenómeno tem vindo a crescer nos países de leste da Europa. No Reino Unido também é legal, mas apenas para residentes. Há muitos riscos envolvidos. As pessoas podem até ser presas porque cá é ilegal. Muitas vezes, a forma de contornar passa por o pai registar a criança e, mesmo que os óvulos sejam seus, a mãe tem que adotar os próprios filhos.”

Mais no portal

Comportamento

As nossas posições sexuais favoritas revelam muito sobre nós

Aquilo de que gostamos entre quatro paredes está intrinsecamente ligado ao tipo de pessoa que somos.

Moda

Estes vestidos da Mango são a cara do verão

Curtos ou longos, de cores mais discretas ou em tons mais arrojados, todos eles condizem na perfeição com a estação quente.

Moda

Os tons naturais e terracota vão dominar neste verão

Este shopping promete fazer as delícias das fãs de uma estética mais minimalista.

Lifestyle

No Spot by Fortaleza do Guincho, há pratos deliciosos e uma vista incrível para o mar

Uma sugestão agradável para aproveitar os dias de calor.

Beleza e Saúde

Diz quem sabe: Estratégias para manter o foco numa perda de peso

São 10 e prometem ajudar a manter aquilo que realmente importa em perspetiva

Beleza e Saúde

Ginásio fechado? Dê a volta à situação com este circuito de treino em casa

Mais um dia, mais um circuito de exercícios preparado por Susana Carromeu, personal trainer do CrossFit Cais.

Beleza e Saúde

"No-Makeup Makeup": Maquilhagem fácil e rápida para o dia-a-dia

Hoje estreia mais uma rubrica em Activa.pt. A Beauty Spot será um espaço destinado a tudo o que diz respeito ao mundo da beleza, com dicas simples e práticas que se adaptam à rotina de cada mulher.

Lifestyle

Fomos conhecer um hotel com selo Clean&Safe e isto é o que temos para lhe contar

O que mudou e o que permanece igual nos hotéis em Portugal? Fomos até Évora para tentar descobrir.

Moda

Eis a blusa capaz de dar um toque de classe a qualquer visual

À venda por quase metade do preço original.

Comportamento

Como ser feliz para sempre em apenas quatro passos

Neste artigo da rubrica Sucesso Pessoal e Profissional, falo sobre como podemos tomar as rédeas da nossa própria felicidade.

Comportamento

Assisti a "365 dias" e achei o filme muito problemático

Aqui estão os motivos.

Celebridades

As cenas bizarras que estão a intrigar os fãs de "Gossip Girl"

Quem se lembra da série protagonizada por Blake Lively e Leighton Meester?

€2,95 por edição 20% desconto  

Assine já!

Papel