RTSJGRH.jpg

© Toru Hanai / Reuters

Mesmo que não tenhamos nunca visto um Pokémon à nossa frente no meio da rua do costume, já toda a gente ouviu falar nele. É divertido, pró-activo, tira os ‘gamers’ de casa, transforma os ‘geeks’ em pessoas sociáveis, cria ocasiões para o convívio, e recorda a criança que fomos ou a criança há sempre em nós. Desvantagem: a desatenção ao mundo real e a acumulação de gente. Os ‘caçadores’ já foram confundidos com ladrões, já morreram afogados ou atropelados, já atraíram pessoas para as roubarem. Em Portugal o povo é pacífico e ainda não aconteceram desastres de maior, e planeia-se mesmo actividades como passear cães sem dono (reais) enquanto se procuram bonecos virtuais.

Não parece a ameaça apocalíptica que os seus detractores pintam. De qualquer maneira, o Pokémon Go pode ser um bom pretexto para pensar sobre o tipo de sociedade em que nos estamos a tornar. Muito disto é especulação? Sem dúvida. Mas mal não faz se nos habituarmos a reflectir sobre o que se passa. Por isso, falámos com o psicólogo António Norton, que nos ajudou a perceber melhor que tipo de mundo estamos a criar (ou não).

Já vivemos cada vez mais no mundo virtual?

Pois vivemos, e isto vai tendo custos cada vez maiores. Por isso é que é importante refletirmos um pouco sobre o que está a acontecer. Esclareço que isto é apenas a minha opinião, mas é inegável que somos cada vez mais ‘homo virtualis’. E isto é progressivo. Vivemos metade da nossa vida na dimensão real e outra na dimensão virtual. Vamo-nos adaptando a uma intrusão virtual que é muito apelativa e muito viciante.

E isso é bom ou mau?

Claro que tem dimensões positivas, e outras menos positivas. Ou seja: há alturas em que temos de estar no aqui e agora real. Seria impensável que eu estivesse com um paciente e ao mesmo tempo a pôr mensagens ou ‘likes’ e a apanhar Pokémons. No mundo virtual, a nossa capacidade de atenção reduz-se. É como se não estivéssemos inteiramente presentes, e não estamos na posse das nossas capacidades para reagir aos desafios da realidade. Isso não significa apenas que vamos a atravessar a estrada e podemos ser atropelados. Tem consequências ao nível da forma como vivemos a vida e como nos tornamos pessoas. Por exemplo, se eu combino com uns amigos jogar paintball, nós vamos para um campo específico, e durante algum tempo restrito todos nós estamos ali. Acaba aquele tempo e vamos à nossa vida. Com os Pokémons, o campo de batalha estende-se ao mundo inteiro. E portanto, estas pessoas interferem na minha realidade. Se têm acidentes de carro, estão a invadir o meu mundo.

Mas não se trata apenas de uma brincadeira, uma forma de fantasia inocente?

Não é tão inocente como parece, porque existe ainda a questão da alienação. Claro que todos nós humanos precisamos de fugir à realidade. Isso é saudável, e a arte, num certo sentido, também é isto. O problema é quando essa fuga à realidade se transforma num objectivo de vida. Que dimensões da minha vida é que estão a ficar para trás, é que estão desnutridas, quando a minha vida é a virtual? Viver é difícil. E por vezes é aliciante que a vida seja mais simples e mais compensadora, porque no Pokémon Go o reforço é imediato. Se eu tiver à minha frente o meu companheiro ou companheira, com quem as coisas não estão bem, e eu em vez de enfrentar os meus problemas prefiro ir caçar Pokémons, então não estou a lidar bem com a minha vida.

Mas esta alienação não é de hoje, pois não? Antes dos Pokémons já havia viciados em jogos, já havia gente a mandar SMSs enquanto guiava, por exemplo…

Claro que isto não é de hoje. Já tive pacientes a dizerem-me que a vida sexual não estava boa, e em vez de falarem com o outro, estavam preocupados com a reserva de cereais do Farmville, lembra-se? Isto não é inocente, isto não é só um jogo, e isto não nasceu com os Pokémons. Quando as pessoas morrem a tirar selfies dentro de carros, o que é que está a acontecer? É como se as pessoas não se permitissem estar no aqui e agora e precisassem de uma dimensão de constante recompensa. Isto é muito perigoso. Porque é uma droga, e estamos a criar uma geração que vive disso. A vida não é feita de contínuas recompensas. Então eu vou estar aqui a ouvir o meu pai chagar-me a cabeça por causa das notas, ou vou tirar selfies?

Há quem diga que o jogo tirou os ‘gamers’ de casa…

É verdade. Mas de que forma usufruem a cidade? Eles vêem a cidade através de um écran. Eles vêem pessoas, mas também bonecos, porque para eles a realidade tem de ser mais do que a realidade, como se a vida por si só não fosse suficientemente estimulante. E esta intrusão da realidade virtual vai acontecer cada vez mais. Os meus filhos vão brincar com bonecas virtuais em vez de bonecas físicas. Qual é a diferença? Toda! Toda a diferença do mundo! Nada suplanta a dimensão real de uma coisa, de uma pessoa, nunca! É como dizer que se prefere fazer amor com uma boneca virtual!

Bem, se for ao Japão já é isso que acontece…

Precisamente. Mas pense lá, de onde é que vem o Pokémon, os Tamagotchis, e muitos desenhos animados? Isto é muito interessante. Porque estamos a falar de uma cultura altamente avançada, mas altamente alienada, uma cultura tecnologicamente brutal feita de gente que vai para cabines individuais cantar. E não é à-toa que eles são tecnologicamente tão evoluídos: é que o avanço relacional é muito pobre. E portanto têm de fabricar compensações e estratégias para lidar com essa falta. Portanto, nós não podemos dizer que o Pokémon é só um jogo que agora está na berra e daqui a uns tempos vai desaparecer. Temos de reflectir sobre o mundo que temos e o mundo que queremos. E para reflectir é preciso parar. Porque se estamos continuamente com um pé aqui e outro pé noutro mundo, estamos em constante fragmentação, nunca estamos em sítio nenhum.

Daí depois contra-estratégias como o Mindfulness, que tentam chamar as pessoas à realidade, ao aqui-e-agora, ao presente, à atenção…

Claro que sim. Essas forças contrárias, que tentam trabalhar o momento presente, são importantes, mas serão o bastante?

Há limites para a fragmentação?

Não sei. Nós humanos somos extraordinariamente inteligentes, temos uma capacidade enorme para a transcendência, e não sei qual é o limite do virtual. Temos é de perceber que estamos cada vez mais sozinhos, mais isolados, mais solitários, e estamos a construir estratégias para lidar com isso que não nos ajudam enquanto seres humanos.

As pessoas acreditam que estão a preencher os seus vazios?

Quando provavelmente não estão. E esta dimensão de alienação torna-se cada vez mais totalitária. Há muitas pessoas que saem do trabalho, vão para casa e ficam em casa a jogar. E é isto que fazem na vida. Guiar é tão chato que temos é de mandar selfies. Passear é tão chato que tem de haver bonecos. E depois temos as consequências que se sabe. Por isso é tão importante que as pessoas estejam disponíveis para reflectir sobre isto. Não se trata de criticar. Trata-se de tentar entender. Até posso eu mesmo achar divertido apanhar Pokémons, mas esse não deve ser o objetivo da minha vida. E não tenho dúvidas nenhumas de que há por aí muita gente neste momento a apanhar aviões para ir caçar Pokemons.

Mais no portal

Mais Notícias

PCP vai levar ao parlamento projeto de lei de alteração do estatuto do SNS

PCP vai levar ao parlamento projeto de lei de alteração do estatuto do SNS

Nissan mostra protótipo do conceito elétrico Max-Out

Nissan mostra protótipo do conceito elétrico Max-Out

Parecer final dá luz verde à mina de lítio em Montalegre

Parecer final dá luz verde à mina de lítio em Montalegre

IL propõe criação de certificado de incapacidade recorrente e intermitente

IL propõe criação de certificado de incapacidade recorrente e intermitente

Grávida novamente, Laura Figueiredo comenta 'palpites' sobre o sexo do segundo filho

Grávida novamente, Laura Figueiredo comenta 'palpites' sobre o sexo do segundo filho

Escritórios: Quando trabalhar em casa é um prazer

Escritórios: Quando trabalhar em casa é um prazer

Resgate de PPR para crédito à habitação sem limite de valor e de data de subscrição

Resgate de PPR para crédito à habitação sem limite de valor e de data de subscrição

Mamma mia! 12 novos restaurantes italianos de Lisboa e Porto

Mamma mia! 12 novos restaurantes italianos de Lisboa e Porto

Homem do Leme: Anna

Homem do Leme: Anna

Paixão pela tauromaquia leva Victoria Federica de Marichalar a receber prémio:

Paixão pela tauromaquia leva Victoria Federica de Marichalar a receber prémio: "É uma bonita herança que recebi da minha família"

"Achávamos que era uma relação saudável". Bárbara Branco sobre José Condessa

O que tem de especial a nova arma dos EUA para a Ucrânia e porque pode ser decisiva

O que tem de especial a nova arma dos EUA para a Ucrânia e porque pode ser decisiva

Agenda para pais e filhos: o que fazer em fevereiro com os seus filhos

Agenda para pais e filhos: o que fazer em fevereiro com os seus filhos

VISÃO Se7e - Com as mãos na massa: A moda da cerâmica e os novos restaurantes italianos

VISÃO Se7e - Com as mãos na massa: A moda da cerâmica e os novos restaurantes italianos

Esta é a história de Luana, a adolescente de Leiria que esteve 8 meses desaparecida depois de ter sido levada para Évora por um homem de 48 anos

Esta é a história de Luana, a adolescente de Leiria que esteve 8 meses desaparecida depois de ter sido levada para Évora por um homem de 48 anos

Georgina vai às compras

Georgina vai às compras

Fairly Normal: um pé no surf e outro na sala de reuniões

Fairly Normal: um pé no surf e outro na sala de reuniões

A corrida aos metais raros: porque estão no centro de uma nova e milionária batalha mundial

A corrida aos metais raros: porque estão no centro de uma nova e milionária batalha mundial

Quem trabalha na televisão?

Quem trabalha na televisão?

7 ideias para o primeiro fim de semana de fevereiro, no Porto

7 ideias para o primeiro fim de semana de fevereiro, no Porto

Maior avião elétrico e a hidrogénio voa durante dez minutos no Reino Unido

Maior avião elétrico e a hidrogénio voa durante dez minutos no Reino Unido

Teams Premium: Microsoft já integra ChatGPT

Teams Premium: Microsoft já integra ChatGPT

Cabaz de bens alimentares essenciais custa 30% do salário mínimo

Cabaz de bens alimentares essenciais custa 30% do salário mínimo

Ministro da Saúde garante que nenhuma maternidade vai ser fechada

Ministro da Saúde garante que nenhuma maternidade vai ser fechada

Intergift, em Espanha, abriu portas com Portugal bem representado

Intergift, em Espanha, abriu portas com Portugal bem representado

Perímetro abdominal: Mario Kart de Super Nintendo World não é para todos

Perímetro abdominal: Mario Kart de Super Nintendo World não é para todos

VOLT Live: o efeito da descida dos preços dos Tesla

VOLT Live: o efeito da descida dos preços dos Tesla

Schiaparelli leva

Schiaparelli leva "O Inferno" de Dante à Semana da Alta Costura de Paris

Velcro, uma ideia que colou

Velcro, uma ideia que colou

Catarina Furtado despediu-se dos cabelos compridos

Catarina Furtado despediu-se dos cabelos compridos

Quando a arte desaparece

Quando a arte desaparece

Um passeio na floresta de W. B. Yeats

Um passeio na floresta de W. B. Yeats

Portugal em EXAME: Venha discutir a economia, a 16 de Fevereiro

Portugal em EXAME: Venha discutir a economia, a 16 de Fevereiro

Número de casas à venda em Portugal cai para mínimos de 15 anos

Número de casas à venda em Portugal cai para mínimos de 15 anos

Cartazes de apelo ao voto

Cartazes de apelo ao voto

APA diz que empresa tem 6 meses para reformular projeto da mina de lítio em Montalegre

APA diz que empresa tem 6 meses para reformular projeto da mina de lítio em Montalegre

Análise em vídeo ao primeiro 100% elétrico da Toyota, o BZ4X

Análise em vídeo ao primeiro 100% elétrico da Toyota, o BZ4X

Moda: Esquiar com estilo

Moda: Esquiar com estilo

Harry e Meghan juntos pela primeira vez desde o lançamento do livro

Harry e Meghan juntos pela primeira vez desde o lançamento do livro

Laura Figueiredo mostra barriga de grávida: “Para quem diz que está pequena…”

Laura Figueiredo mostra barriga de grávida: “Para quem diz que está pequena…”

Uma vénia ao ovo

Uma vénia ao ovo

CARAS Decoração de fevereiro: conforto é o novo luxo

CARAS Decoração de fevereiro: conforto é o novo luxo