Depois de guiar os leitores com a ‘Bússola para Navegadores Emocionais’ (2008), explicar a ‘Inocência Radical’ (2009), fazer ‘Uma Mochila para o Universo’ (2012) e pôr ‘O Mundo nas Suas Mãos’ (2014), Elsa Punset ensina agora a arte de fazer grandes mudanças em passos mínimos com ‘O Livro das Pequenas Revoluções’ .

Editada pela Planeta, a obra é interativa e propõe uma jornada rumo ao autoconhecimento através de 250 exercícios práticos. Além disso, conta com imagens e frases inspiradoras, e é possível escrever nas suas páginas, tornando-a uma espécie de workshop para a mudança.

De passagem por Lisboa no âmbito da apresentação do livro, a jornalista, autora e especialista em inteligência emocional encontrou-se connosco no Hotel Flórida para falar sobre o poder (subestimado) da mente.

O que é o ‘O Livro das Pequenas Revoluções’?

Toda a gente encara a mudança com dificuldade. Todos gostaríamos de mudar coisas nas nossas vidas – mudar de país, as pessoas com quem trabalhamos, o nosso trabalho, a forma como reagimos às coisas – mas não sabemos como fazê-lo.
Este livro é quase como um workshop. É uma jornada pessoal e permite perceber que a mudança em passos pequenos é muitos mais fácil. Não é suposto lê-lo da primeira à última página. Podemos procurar aquilo de que precisamos, inventar outros rituais e adaptá-los às nossas necessidades – daí a possibilidade de escrever nas páginas.

Porquê pequenas revoluções?

Quando pensamos em mudança, pensamos em revoluções. E as revoluções são muito bruscas porque agitam tudo demasiado depressa. Esta seria a definição típica do conceito.
Eu queria pensar numa abordagem diferente, ou seja, numa mudança tão pequena que nem se dá por ela até estar completa. É a isso que chamo uma pequena revolução: passos muito pequenos a nível das habilidades sociais e emocionais, e dos hábitos, que resultam numa grande mudança geral.

Estamos a falar de um tipo de mudança que nos é desconhecido?

Nós estamos habituados à mudança em passos pequenos com o corpo físico. O século XX ensinou-nos que se cuidarmos do nosso corpo – se fizermos exercício, dormirmos bem e tivermos uma alimentação regrada – todos os dias, pouco a pouco, ele fica muito agradecido e a saúde melhora bastante. Ainda não aprendemos a fazer isso com a mente.

Diria que nós, enquanto sociedade, subestimamos o poder do cérebro?

Completamente. Não só o subestimamos como não o compreendemos. Isso acontece porque, durante séculos, transmitiram-nos que não podemos treinar a inteligência, a não ser certos aspetos da inteligência cognitiva como, por exemplo, as habilidades linguísticas e matemáticas.
Nas últimas duas décadas, mudámos completamente a forma de entender a inteligência graças à neurociência e à tecnologia, que permitiu ter acesso ao cérebro e perceber que ele é bastante flexível e que não distingue as emoções da racionalidade. Elas estão ligadas e temos de educar e entender as nossas emoções para mudar algo racional.

Qual é o impacto das emoções negativas nos nossos cérebros?

É muito forte porque se trata de um cérebro que está programado para a sobrevivência e não para a felicidade. Está programado pra detetar a negatividade e memorizá-la. É por isso que somos uma espécie que tende a ficar tão perturbada, stressada e triste, e a memorizar coisas penosas.

O que gostaria que os leitores sentissem ao terminar o livro?

Costumo dizer que não é um livro que se termina, é um livro que se tem. Quando as pessoas se familiarizarem com esta obra, gostaria que soubessem que podem enfrentar praticamente qualquer problema e que não somos passivos. Sim, porque tendemos a ser passivos com tudo o que diz respeito à saúde mental e emocional. Não entendemos o poder que há no simples ato de mudar a nossa perspetiva sobre algo. Portanto, espero que este livro dê esse poder às pessoas.

Mais no portal

Comportamento

As nossas posições sexuais favoritas revelam muito sobre nós

Aquilo de que gostamos entre quatro paredes está intrinsecamente ligado ao tipo de pessoa que somos.

Moda

Estes vestidos da Mango são a cara do verão

Curtos ou longos, de cores mais discretas ou em tons mais arrojados, todos eles condizem na perfeição com a estação quente.

Moda

Os tons naturais e terracota vão dominar neste verão

Este shopping promete fazer as delícias das fãs de uma estética mais minimalista.

Lifestyle

No Spot by Fortaleza do Guincho, há pratos deliciosos e uma vista incrível para o mar

Uma sugestão agradável para aproveitar os dias de calor.

Beleza e Saúde

Diz quem sabe: Estratégias para manter o foco numa perda de peso

São 10 e prometem ajudar a manter aquilo que realmente importa em perspetiva

Beleza e Saúde

Ginásio fechado? Dê a volta à situação com este circuito de treino em casa

Mais um dia, mais um circuito de exercícios preparado por Susana Carromeu, personal trainer do CrossFit Cais.

Beleza e Saúde

"No-Makeup Makeup": Maquilhagem fácil e rápida para o dia-a-dia

Hoje estreia mais uma rubrica em Activa.pt. A Beauty Spot será um espaço destinado a tudo o que diz respeito ao mundo da beleza, com dicas simples e práticas que se adaptam à rotina de cada mulher.

Lifestyle

Fomos conhecer um hotel com selo Clean&Safe e isto é o que temos para lhe contar

O que mudou e o que permanece igual nos hotéis em Portugal? Fomos até Évora para tentar descobrir.

Moda

Eis a blusa capaz de dar um toque de classe a qualquer visual

À venda por quase metade do preço original.

Comportamento

Como ser feliz para sempre em apenas quatro passos

Neste artigo da rubrica Sucesso Pessoal e Profissional, falo sobre como podemos tomar as rédeas da nossa própria felicidade.

Comportamento

Assisti a "365 dias" e achei o filme muito problemático

Aqui estão os motivos.

Celebridades

As cenas bizarras que estão a intrigar os fãs de "Gossip Girl"

Quem se lembra da série protagonizada por Blake Lively e Leighton Meester?

€2,95 por edição 20% desconto  

Assine já!

Papel