iStock_000019495830_Small.jpg

*artigo publicado originalmente em abril de 2015

“O currículo é uma ferramenta de marketing pessoal que tem de transcrever quem sou e provocar em quem está a lê-lo vontade de me conhecer”, lembra a especialista em gestão de recursos humanos, Laura Acciaioli. É preciso abandonar a ideia de que ele é um documento mais ou menos estanque, que vamos atualizando de vez em quando com mais uma experiência de trabalho. Ele tem de se adaptar ao tipo de funções que quer seguir, à profissional que quer ser – não àquela que foi.

– “Fazer um currículo é contar uma história”, lembra Laura. “Não pode ter uma estrutura pouco lógica, erros de português ou andar a saltar de assunto em assunto.” De preferência, não deve ter mais de duas páginas – a menos que tenha uma experiência profissional mesmo muito sumarenta.

– Os modelos padronizados nem sempre são os melhores. “A maior parte dos currículos que tenho visto vêm no modelo de Europass. Não é o meu preferido porque torna as pessoas todas iguais e formatadas.” Até pode parecer uma vantagem, mas para Laura não é. “Um profissional de RH vê 200 ou 300 currículos e quando aparecem todos no mesmo formato é meio caminho andado para os começar a ler todos na diagonal.”

– Dê-lhe o tom certo. “Somos mais conservadores neste aspeto mas, conforme o tipo de empresas ou funções a que a nos candidatamos, o currículo pode ser escrito de forma mais ou menos descontraída e criativa.”

– Cative nas primeiras linhas. Faça com que a pessoa que lê o currículo queira saber mais sobre si e chamá–la para a entrevista. Em menos de 10 linhas, para além de dizer o que faz, diga mais sobre quem é como pessoa, aconselha Acciaioli. “No início do documento, faço um resumo pessoal, um parágrafo ou dois que descrevem o candidato e que têm que agarrar o leitor. Mais do que as habilitações ou experiência de trabalho de um candidato, as empresas procuram pessoas que se encaixem na equipa. Tipicamente, os motivos que levam um colaborador a sair prendem-se com incompatibilidades com a chefia ou colegas, ou incapacidade de se adaptarem ao tipo de cultura. Neste parágrafo inicial posso dizer que gosto de trabalhar em estruturas mais rígidas ou mais flexíveis; se gosto de tarefas de rotina ou se prefiro ter sempre novos projetos, se trabalho melhor sozinha ou em equipa. Há pessoas que escolhem fazer isto no início para não perderem tempo com entrevistas de emprego em empresas onde não se encaixam.” Pode abster-se de o fazer, se prefere ser chamada por todo o tipo de empregadores.

– Que mais-valia dei às empresas onde trabalhei? Dar esta perspetiva valoriza qualquer currículo, mas a maioria das pessoas não o faz, observa Laura. “Na descrição de cada experiência profissional deveríamos quantificar a mais-valia que representámos para essa empresa. O que é que eu fiz que levou a empresa a ganhar ou poupar dinheiro, que simplificou e economizou tempo, em termos de processos de trabalho?” Tarefas ou iniciativas que não lhe parecem importantes podem fazer toda a diferença.
“Há dias fiz um currículo para uma rapariga de 20 e tal anos. Quando lhe perguntei quais as mais-valias que tinha dado à empresa onde tinha colaborado antes, disse que não tinha nada de grande valor. Uma das realizações que lhe pus no currículo foi o registo de entrada de correio que ela criou e que poupou horas de pesquisas. Este tipo de coisas, das mais simples às estratégias que se refletem em milhões de euros, têm que lá estar.”

– Você não é só aquilo em que trabalha. Cada vez mais, os empregadores têm em conta os interesses extralaborais dos candidatos. Depois da experiência profissional e habilitações, fale de alguns dos seus outros interesses. Mostram-na como uma pessoa ativa e empenhada. “Experiências de voluntariado contam muito, sobretudo para quem procura trabalho lá fora.”

Relacionados

Lifestyle

O curioso mundo de Gracinha Viterbo

É uma das designers de interiores portuguesas mais conceituadas e na sua vida profissional não há espaço para a rotina, tem 4 filhos e estilo para dar e vender. A ACTIVA conversou com ela no seu mais recente espaço, onde a imaginação se deixa levar.

Lifestyle

Rodrigo Guedes de Carvalho: profissão de fé

Depois de apresentar o seu quinto livro, 'O Pianista de Hotel', o jornalista contou-nos como se vive uma ‘vida dupla’.

Lifestyle

As cinco regras de Oprah Winfrey para uma vida melhor

Estas são algumas das filosofias que ajudam a apresentadora a ser a melhor versão de si mesma.

Mais no portal

Imagem de Sucesso

Estas dicas vão facilitar a escolha das suas próximas calças de ganga

Do corte às lavagens, saiba que modelos mais favorecem as mulheres.

Beleza

Descubra qual é o melhor Gua sha para si

Uma ferramenta de beleza que se tornou indispensável na rotina de beleza de muitas mulheres.

Saúde

Ter plantas em casa aumenta a felicidade e a esperança de vida

Estes são apenas dois dos muitos benefícios comprovados pela ciência de apostar na botânica de interiores.

Moda

Que sapatos usar com calças de ganga flare? Temos a resposta

Inspire-se nestes 12 "looks" de influencers internacionais.

Beleza

Este truque deixa as sobrancelhas no lugar de uma vez por todas

É simples, prático e surpreendentemente acessível. A melhor parte? Só vai precisar de duas coisas para ter sobrancelhas de sonho.

Comportamento

As mulheres usam quatro técnicas específicas para aumentar o prazer durante o sexo

Um estudo recente pretende disponibilizar uma linguagem clara e que empodere as mulheres para tornarem o ato sexual mais satisfatório.

Saúde

A pandemia trouxe maus hábitos que sugam a energia do corpo

Saiba como corrigi-los e ganhar qualidade de vida.

Beleza

Estas fotografias provam que o lob é tão versátil quanto elegante

Por isso mesmo, é um dos cortes preferidos das influencers neste momento.

Comportamento

O que acontece quando uma mulher tem um orgasmo?

O cérebro, mais especificamente o lobo frontal, fica a todo o vapor!

Beleza

Os motivos para ser uma boa ideia investir numa bruma facial

Um produto de beleza bastante útil nos dias quentes, cujos benefícios vão muito além da hidratação.