iStock-1138158664.jpg

StefaNikolic

As redes sociais são faca de dois gumes.

Se, por um lado, estas plataformas podem ter um impacto positivo, por exemplo, nos hábitos alimentares dos utilizadores, por outro lado, também são associadas à depressão e ansiedade, bem como a uma imagem corporal pouco saudável. Com isto em mente, o grupo de fitness FitRated levou a cabo um estudo no qual inquiriu mil pessoas sobre o uso que fazem das redes sociais, de modo a perceber melhor como os seus hábitos podem afetar a imagem corporal, autoestima e comportamentos relacionados com saúde.

Uma das conclusões mais interessantes é que as pessoas que passam mais de três horas por dia no Facebook, Instagram, etc. têm uma maior probabilidade de acreditar que a aparência física é extremamente importante, estar pouco satisfeitos com o seu aspeto e ter uma baixa autoestima.

social-media-impact-self-image.png

Os utilizadores ávidos das redes sociais têm uma autoestima mais baixa

D.R.

As pessoas que tiram muitas selfies (três ou mais num mês) também têm uma maior probabilidade de acreditar que a aparência física é extremamente importante. Contudo, essa crença não se traduz necessariamente numa autoestima mais baixa. Na verdade, estes utilizadores são os mais propensos a ter uma autoestima alta e a e estar satisfeitos com sua aparência, no geral. Resumindo: se gosta de tirar autorretratos, provavelmente gosta do seu aspeto.

Por fim, o inquérito analisou as coisas que os respondentes queriam mudar nos seus corpos, com base na sua utilização das redes sociais. O top 2 é comum a todos: a barriga e o peso. Depois disso, as respostas variam. Os indivíduos que passam mais tempo diariamente nas redes sociais querem muito mudar as suas pernas e dentes, enquanto os utilizadores moderados estão mais preocupados com o cabelo.

social-media-body-change.png

Os utilizadores que tiram muitas selfies estão mais satiseitas com a aparência física

D.R.

É difícil explicar o que motiva estas diferenças, mas o inquérito deixou uma coisa clara: o tempo que passamos nas redes sociais e a tirar selfies tem um impacto (positivo ou negativo) em como nos sentimos em relação aos nossos corpos e aparência.

Já nas bancas!

Assine a ACTIVA e receba dois coffrets da Rituals Assine já

Relacionados

Conhece a história por trás do termo 'It Girl'?

Não nasceu com Kendall Jenner - ou qualquer outra mulher da sua fam...

Podcast: Madalena Abecasis revela onde e como vai passar as suas férias de verão

A "tia" que nos faz rir é capa da edição da ACTIVA de julho, numa e...

O making of da produção de Cuca Roseta para a ACTIVA (em companhia muito especial)

Diz que o lado negativo do fado não a atrai e defende que não é pre...

Mais no portal

Brilho, brilho e mais brilho: o derradeiro shopping de réveillon

Esqueça o minimalisto. No ano novo, mais é mais.

Se não sabe o que calçar na noite da passagem de ano, estas sugestões são para si

Qual é o seu estilo?

Estes são os 10 filmes mais populares de 2019

Consegue adivinhar qual é o primeiro da lista?

5 pantufas fofinhas para aquecer o seu inverno

Não precisa de passar a estação com os pés frios com estas opções!

Por que 11 de dezembro é considerado o dia mais fértil do ano

A constatação é numérica!

Este movimento defende que não precisa de amar o seu corpo para o aceitar

Conheça o "body neutrality".

Restaurante da Semana: Visconti ou quando a 'dolce vita' se mudou para o Chiado

O Visconti mora no Chiado e tem uma carta deliciosa, bem ao estilo ...

A evolução dos visuais da Mulher-Maravilha ao longo dos anos

Uma heroína feminista para alguns e um símbolo de opressão para out...

Quem são as cinco únicas mulheres negras a vencerem o Miss Universo

O concurso demorou 25 anos para coroar Janelle Commissiong, a prime...

10 peças para rechear o seu armário com a cor de 2020

O azul clássico foi a escolha da Pantone.

Veja a receita destas bolachas de Natal saudáveis

A nutricionista Catarina Sofia Correia partilha esta receita delici...

ASSINE 1 ANO (12 edições) POR 30€ E RECEBA 30€ EM OFERTAS

Assine Já!