Ivan Nteka (@inteka)

Com 35 casos confirmados de contágio pelo novo coronavírus e duas mortes, Angola ainda não regista números dramáticos. Contudo, o governo começou a apostar na prevenção cedo, para que o pesadelo não se torne a realidade de um país marcado pelas grandes desigualdades sociais e económicas.

Lúcia Palma, 32, é portuguesa e vive em Luanda. Neste momento delicado, confessa-nos que tem dificuldades em reconhecer a capital frenética e cheia de vida, que se tornou a sua segunda casa há cinco anos “A cidade tornou-se vazia e fantasma, sem o habitual trânsito caótico. Foi visível o reforço de policiamento, que atualmente tem um papel ativo no sentido de supervisionar as deslocações das pessoas.

A diretora de aquisição de talentos e coach de uma empresa do setor dos recursos humanos explica ainda que, dadas as circunstâncias e os recursos disponíveis, tem sido feito um esforço hercúleo para combater a transmissão comunitária. Uma lição aprendida com a evolução da pandemia noutras nações. “Os supermercados, repartições públicas e outras entidades com atendimento ao público têm limites no número de utentes a atender e restrições no horário de trabalho. As escolas e creches estão fechadas, bem como os restaurantes, bares, ginásios e espaços recreativos”.

Segundo Lúcia, ainda no que à medidas diz respeito, uma das grandes apostas passa pela consciencialização da população. “São sucessivos os apelos para evitar aglomerados. A partir de 27 de abril, passou a ser obrigatório o uso da máscara em espaços públicos”.

Fotografia: Lúcia Palma

Que medidas de distanciamento social estão em vigor em Angola?
Desde 27 de março, vigora em Angola o estado de emergência, que foi já prorrogado por duas vezes, tendo sido estendido na sua última prorrogação até 10 de maio. A declaração de estado de emergência ocorreu em Angola quando ainda não existia havia registo de nenhum caso de COVID- 19. Nesse mesmo dia foram encerradas escolas, repartições públicas, as lojas e espaços comerciais começaram a limitar o número de utentes dentro dos espaços, e começaram os sucessivos apelos para que fosse privilegiado o teletrabalho e que as pessoas se mantivessem em casa. Antes mesmo, da declaração do estado de emergência foram fechadas todas as fronteiras terrestres e aéreas, só sendo permitidos voos de repatriamento ou causas humanitárias.

Considera que tem sido feito um bom trabalho no combate ao surto pandémico?
As medidas de prevenção em Angola começaram a ser tomadas com grande antecipação, tendo em conta os desafios que imperam no sistema de saúde, com escassos recursos técnicos e humanos. As medidas governamentais foram bastante rigorosas e houve, efetivamente, um esforço de consciencialização feito junto das pessoas para terem cuidados com a higienização, evitarem aglomerados de pessoas, através dos meios de comunicação social e outros organismos públicos. Foram ainda criados vários centros de quarentena institucional, e no aeroporto as medidas de entrada e saída de pessoas eram bastante restritivas e rigorosas. 

“Em Angola, a pandemia veio acentuar as desigualdades sociais. Estamos longe de ter um cenário em que todos têm as mesmas oportunidades e, aqui, as diferenças são bem vincadas”.

Getty Images

Angola e o sistema nacional de saúde estão preparados para lidar com uma situação deste calibre?
Infelizmente, apesar do reforço na compra de ventiladores, importação de medicamentos e vinda de médicos de países estrangeiros para cá, acredito que o sistema de saúde não terá meios de sobreviver a esta pandemia. A palavra-chave para a sobrevivência em Angola é a prevenção, uma vez que só em Luanda vivem 10 milhões de pessoas e a maioria não tem acesso a meios de saneamento básico, pelo que a propagação seria muito fácil e rápida. 

Como é que os angolanos estão a encarar a situação? 
É importante contextualizar a realidade da sociedade angolana, marcada pelas grandes desigualdades. Neste sentido, a taxa de analfabetismo é alta e muitas pessoas não têm verdadeira noção do que este vírus significa e das consequências da pandemia. Relativamente àquelas que têm acesso a mais meios e maior instrução, verifica-se uma grande preocupação com o confinamento em casa, aderir ao teletrabalho e manter o distanciamento social obrigatório. 

“Em Luanda, existem vários cortes de energia. Em algumas áreas residenciais que têm geradores, é mais fácil trabalhar à distância. Para outras pessoas que não têm a sorte de viver nestas zonas, o trabalho remoto é um verdadeiro desafio”.

Como é ter de sair de casa, em Luanda, em tempos de isolamento?
Saímos de casa com enorme apreensão para um cenário completamente novo e desconhecido, sem a habitual agitação. Às vezes parece que estamos num filme de ficção científica, no qual toda a gente circula na rua com máscaras, mas com o otimismo tão característico dos povos dos países africanos – habituados a viver com tantas contradições sem perder, por um minuto, a alegria.

Numa altura como esta, as saudades de Portugal apertam ainda mais?
As saudades são um status permanente. No início da pandemia, assistimos ao desenrolar dos acontecimentos como se nada nos fosse acontecer por aqui, rezando para que todos os nossos amigos e familiares não fossem afetados. Rapidamente, percebemos que este não ia ser um problema ‘só dos outros’ e, inevitavelmente, questionamos se devemos ficar ou partir.  

Que lição está a aprender com o isolamento?
A humildade de percebermos que temos tanto sem dar valor a isso. Num país como Angola, em que as desigualdades sociais e económicas ficaram ainda mais acentuadas em situações como esta, é importante ter presente que devemos valorizar todas as oportunidades, todas as metas alcançadas, e todas as pessoas de quem gostamos, pois a realidade pode mudar muito rápido.

Palavras-chave

Relacionados

Celebridades

A pandemia deixou Sharam Diniz 'presa' no Brasil: "Sinto que estou num videojogo"

A modelo viu-se obrigada a prolongar a sua estadia no país e ainda não sabe quando poderá regressar a Portugal.

Lifestyle

A quarentena lá fora: "Na Bélgica, a primeira fase de contenção foi infeliz"

Susana Laires vive em Bruxelas e conta-nos como assistiu à evolução da pandemia para números desastrosos.

Lifestyle

A quarentena lá fora: "Na Polónia, a pandemia expôs a fragilidade do sistema de saúde"

Quem o diz é Marta Roszewska, que vive em Varsóvia.

Mais no portal

Moda

10 artigos da Zara que vão arrasar em qualquer destino de férias

Estes visuais prontos a usar prometem fazer furor nos seus dias de descanso.

Comportamento

Como lidar com a frustração sexual?

Existem várias causas para a insatisfação com a vida íntima, que pode afetar a qualidade de vida em geral.

Moda

Saiba como fazer uma mala de férias sem complicações

No episódio de hoje da rubrica Imagem de Sucesso, deixo algumas dicas para escolher os derradeiros essenciais de viagem.

Moda

Encontrámos as Havaianas perfeitas para dar brilho ao verão

Se é fã da famosa marca brasileira e gosta de dar um toque de brilho a tudo o que faz, vai delirar com esta novidade.

Lifestyle

6 dicas para viajar de carro tranquilamente com crianças

"Estou com fome! Quanto chegamos? Preciso de fazer xixi!" Viajar com crianças durante um longo período de tempo pode ser um verdadeiro pesadelo.

Beleza e Saúde

Afinal, o que é uma "depressão de baixo grau"?

Recentemente, Michelle Obama fez um desabafo sobre a sua saúde mental. Entenda o que se passa com a antiga Primeira-dama dos Estados Unidos.

Celebridades

Michelle Obama admite que sofre de uma "depressão de baixo grau"

A pandemia aliada a todo o clima de tensão que se vive nos Estados Unidos afetou a saúde mental da antiga Primeira-dama do país.

Celebridades

Daisy Coleman, de documentário da Netflix sobre abuso sexual, morre aos 23 anos

O caso da jovem, que se tornou uma defensora das vítimas de violação, é retratado numa série documental do serviço de streaming.

Lifestyle

Estes podem ser os motivos para continuarmos a ver filmes para adolescentes

Sim, tenho mais de 30 anos e por vezes vejo (e revejo) filmes com histórias para adolescentes. Mas sei que não sou a única!

Celebridades

O interior do frigorífico de Selena Gomez revela muito sobre a cantora

A estrela norte-americana mostrou o que armazena neste eletrodoméstico, bem como no congelador.

Beleza e Saúde

5 produtos de skincare que testei há um ano e agora fazem parte da minha rotina

O mais barato custa menos de 3 euros.

Moda

Criei 5 visuais diferentes com uma peça de roupa que todas temos no roupeiro

Por vezes - e falo por experiência própria -, só precisamos de um pouco de originalidade para não nos cansarmos daquilo que vestimos.

€2,95 por edição 20% desconto  

Assine já!

Papel