Tenho um defeito. Conhecem a famosa expressão “não julgues um livro pela capa”? Pois. Para mim, por vezes, é difícil não o fazer. Tomando a frase no sentido literal, quando vou a uma livraria sem saber bem o que quero, é raro pegar num livro cuja capa não me atraia. Não me olhem assim, sei que não sou a única.

Esta semana, voltei a limpar o pó à prateleira de livros cá de casa. O desafio (além da atrocidade que é ter de passar um pano num local cheio de objetos para levantar) foi voltar a pegar naquela obra que eu nunca compraria pela capa, mas que me ensinou uma enorme lição. E, claro, tentar resumi-la aqui.

Chama-se “O Homem em Busca de um Sentido” e conheci-o através do Instagram do Fred Canto e Castro, que criou a Sonder People. Decidi arriscar e, embora o título e capa não fossem o mais apelativos, a história deixou-me curiosa. A premissa é simples: um psicoterapeuta que sobreviveu a Auschwitz explica um método para nos libertarmos do sofrimento.

Após contar a própria história, através do relato detalhado de experiências desumanas num campo de concentração, Viktor E. Frankl passa a explicar a Logoterapia – o nome dado à técnica que desenvolveu para ultrapassar períodos de maior dor. Neste método, “o paciente (…) tem de ouvir coisas que por vezes são muito desagradáveis de ouvir“, começa por explicar.

Frankl diz que a logoterapia, “concentra-se antes no futuro, ou seja, nos significados a serem preenchidos pelo paciente no seu futuro”. E este é um recurso em que a palavra “sentido” é essencial. “De acordo com a logoterapia, este esforço para encontrar um significado na nossa vida é a principal força motivadora do Homem“, garante.

O psicoterapeuta cita um sondagem feita em França que mostrou, entre outros resultados, que: “89 por cento das pessoas questionadas admitiram que os seres humanos precisam de ‘alguma coisa’ por que viver” e que “61 por cento reconheceram que existia alguma coisa, ou alguém, nas suas vidas, por quem estavam mesmo dispostas a morrer“.

Ora, foi precisamente isto que fez com que o autor sobrevivesse a Auschwitz. “A busca de sentido por parte dos seres humanos pode causar tensão interior em vez de equilíbrio“, diz, afirmando que esta tensão é indicativa da saúde mental. Quando estava no campo de concentração, Frankl superava obstáculo atrás de obstáculo com o pensamento de um dia voltar a ver a mulher, bem como de terminar um manuscrito que lhe fora confiscado.

A saúde mental está fundada num certo grau de tensão, aquela tensão entre o que já realizámos e aquilo que ainda queremos alcançar, ou o espaço entre o que somos e aquilo que pretendemos vir a ser“, escreve.

E como encontrar um sentido para a vida?

Viktor explica que não devemos procurar algo muito geral ou abstrato, já que o sentido de vida varia de pessoa para pessoa e a cada instante. “O que importa, por isso, não é o sentido da vida em geral, mas antes o sentido específico da vida para uma pessoa num dado momento”, continua, acrescentando que “a logoterapia encara a responsabilização como sendo a própria essência da existência humana“.

Perto do fim da obra, o psicoterapeuta revela que há três formas de descobrirmos um sentido para a vida: “1) criando uma obra ou praticando uma façanha; 2) vivendo uma experiência ou encontrando alguém; e 3) por meio da atitude que assumimos ante um sofrimento inevitável“. No caso da segunda, destaca o papel do amor, “a única maneira de compreender outro ser humano no fulcro mais íntimo da sua personalidade“.

Finalmente, Frankl aborda a logoterapia enquanto técnica, relatando, por exemplo, o caso de um médico que se conseguiu libertar da sudação excessiva, ou de um jovem com gaguez grave que conseguiu voltar a falar normalmente. Como? Através da intenção paradoxal.

O procedimento consiste numa inversão da atitude do paciente, na medida em que o seu medo é substituído por um desejo paradoxal“, explica.

Ou seja, sua muito? Em vez de ficar ansioso, com receio de o fazer, diga para si mesmo “até agora, só suei cerca de um litro, mas agora vou verter pelo menos uns dez!“. Ao desejar o oposto daquilo que realmente pretende que aconteça, consegue um “autodistanciamento inerente ao sentido de humor“. Porque não há nada como sermos capazes de nos rir de nós próprios.

Qual o livro que mais a surpreendeu ou ensinou? Conte-nos tudo, nas redes sociais, utilizando a hashtag #cartabranca, e identificando a ACTIVA. Até quinta!

Palavras-chave

Mais no portal

Beleza e Saúde

Experimentei um hidratante facial caseiro que só leva um ingrediente

E estou aqui para contar os resultados. Não se deixem enganar pela imagem - garanto que o creme não ficou branco, muito menos tão artístico.

Beleza e Saúde

Esta é a atividade física que nos deixa com mais fome

Estudo concluiu que pessoas que a praticam ingerem mais calorias.

Celebridades

Ariana Grande assume novo namorado

A artista partilhou fotografias bastante explícitas.

Moda

Parfois: a mala do verão a menos de 8 euros

Não há como não adorar os saldos.

Beleza e Saúde

Coronavírus: Casados há 53 anos, morreram de mãos dadas, no mesmo dia

Falamos de um casal do Texas, de 80 e 79 anos, internados por pouco mais de uma semana.

Beleza e Saúde

O mundo é um lugar estranho, portanto experimentei fazer Reiki — e acabei em lágrimas

Aqui, a cura faz-se pelas mãos e, mesmo sem toques, é impossível não nos sentirmos tocados por esta experiência libertadora.

Lifestyle

Livro da semana: "Uma Gaiola de Ouro", uma história que é um grito feminista

Um livro de Camilla Läckberg, publicado pela Suma de Letras.

Inspirações

10 inventoras negras que tornaram as nossas vidas bem mais fáceis

Sem o espírito de inovação e de empreendedorismo de cada uma destas mulheres, estas 10 invenções poderiam nunca ter existido.

Lifestyle

Vídeo viral mostra como picar um dente de alho em 10 segundos

Quer a cozinha seja ou não o seu forte, esta técnica promete facilitar o processo.

Lifestyle

4 dicas de poupança financeira para mulheres empreendedoras

No primeiro episódio da rubrica Finanças de A a Z, deixo algumas sugestões para criar um negócio e potenciar o seu crescimento.

Celebridades

Em tempos de pandemia, foi assim que Khloé Kardashian celebrou o aniversário

O evento teve direito a máscaras personalizadas - mas não só.

Inspirações

Normalizar corpos normais: o movimento que se tornou viral

Pessoas de todo o mundo têm partilhado imagens dos respetivos corpos, de modo a provar que é normal sermos diferentes.

€2,95 por edição 20% desconto  

Papel