Todos conhecemos a história de “Alice no País das Maravilhas”. Quer seja pelo livro de Lewis Carroll, publicado em 1865, quer pelas muitas adaptações que tem sido feitas desde então. Alice é sempre apresentada como a menina curiosa, símbolo da infância ingénua que explora um mundo completamente novo. Quem ouve falar da experiência imersiva que está instalada em Cabo Ruivo, Lisboa, pode pensar que vai deparar-se com uma peça inspirada neste mundo de fantasia. Por um lado terá razão, mas por outro estará completamente enganado. Confuso? Vou explicar.

“Alice – O Outro Lado da História” vai à origem. Vai ao como o livro foi escrito, à inspiração, à polémica criada, aos rumores escandalosos, às consequências terríveis. Vai à verdadeira Alice, aquela que inspirou a menina que, numa tarde aborrecida, decidiu seguir um coelho branco. Essa menina é Alice Liddell.

A experiência imersiva

Quando vi a apresentação deste experiência fiquei curiosa e algo confusa. Sou fã confessa da história de “Alice no País das Maravilhas”, mas não entendi bem o conceito que era apresentado. Tinha de ir ver com os meus próprios olhos. Quando sai, percebi que chamar a este espetáculo “peça” não é suficiente. Pois é mais do que isso.

Podemos dividir esta experiência em duas partes. A primeira sobre o que aconteceu a Alice Liddell após a publicação e sucesso do livro de Lewis Carroll, e a segunda sobre o antes. A troca temporal agora pode ser confusa, mas faz sentido para a construção desta narrativa. 

Na primeira parte apenas entram, no máximo, duas pessoas de cada vez em espaços intervalados por cinco minutos. É o Chapeleiro Louco que faz as introduções e explica as regras. Diz-me para seguir um caminho branco, numa alusão ao coelho que Alice seguiu para o País das Maravilhas. Mas avisa que não é a fantasia que vou encontrar, que aquele caminho vai ser duro e penoso. Avisa-me para parar em certas estações, de onde receberei ordens para continuar a avançar. Assim faço. Começo o percurso.

O ambiente que rodeia transmite logo a sensação de desconforto e frieza. Sou recebida pela primeira atriz, que marca o tom para o restante percurso. Aqui, sou convidada a interagir, a entrar na pele de uma personagem. A cada estação em que paro, sou interpelada pelos atores que fazem parte desta experiência. É um percurso com momentos mais pesados do que outros, mas em que cada passo, ainda que dado dentro de um hospício, remete para uma situação da história que encantou gerações. Curioso como estes dois mundos se cruzam. Esta fase é mais intimista e talvez peque apenas por não durar mais tempo ou ter mais estações. 

A segunda parte da experiência remete para Oxford. Aqui, encontro um grande cenário pelo qual sou convidada a andar enquanto acompanho os atores que encenam as origens do livro. É um momento quase hipnotizante. Este grupo de profissionais representa e a salta pelo cenário ao mesmo tempo que, em certos momentos, se dirige ao público. Isto sempre sem sair de personagem e transmitindo na perfeição as diferentes emoções do momento. Uma atuação que é feita em loop, sem parar, de forma a que todos os que vão chegando consigam ficar a par de toda a história. 

Apenas tive pena que, no final, não tivesse tido a oportunidade de aplaudir todos os profissionais envolvidos nesta experiência. É sem dúvida uma produção que merece reconhecimento. Pelo trabalho, dedicação, originalidade, cenários, textos, profissionais e pela forma como se adaptou aos tempos de pandemia. Que bom é ver algo assim no nosso país!

As regras de segurança

Perante a atual pandemia, surge a curiosidade sobre como estão a ser cumpridas as normas de segurança nesta experiência tão diferente. Felizmente, a produtora P35 respondeu bem a este desafio. As entradas no espaço são feitas de cinco a cinco minutos, sendo que no máximo entram duas pessoas de cada vez. Isto cria distanciamento. O uso de máscara de proteção individual é obrigatório em todos os espaços, sendo que os atores que criam maior proximidade connosco também a usam. Logo ao início é pedido que seja feita a desinfeção das mãos, gesto que se irá repetir ao longo da experiência, graças aos muitos dispensadores existentes no local. Em momento algum me senti desconfortável ou que  algo não estava a ser cumprido corretamente. 

Os bilhetes estão disponíveis nos locais habituais. 

Palavras-chave

Mais no portal

Beleza e Saúde

COVID-19: usar duas máscaras protege-nos mais?

Algumas pessoas adotaram este método. Mas será que é necessário?

Lifestyle

Assine 9 revistas por apenas €9,90 por mês e garanta boa informação, em sua casa

Beleza e Saúde

Esperam-se menos nascimentos em 2021

Entenda o motivo.

Imagem de Sucesso

O fator essencial para construir uma Imagem de Sucesso em 2021

No novo episódio da rubrica Imagem de Sucesso, explico-vos como podem comunicar de forma assertiva através da vossa imagem e, assim, conquistar objetivos no novo ano.

Comportamento

Este truque curioso pode aliviar o stress durante o confinamento

Só precisa de um telemóvel ou computador - e deixá-lo fazer magia.

Moda

A psicologia por trás das cores românticas que vão estar em alta na primavera

Não só explicamos a origem da popularidade, como deixamos algumas sugestões de visuais para os dias mais quentes.

Beleza e Saúde

Pode haver uma inesperada cura para a acne

Pelo menos, para um dos tipos do problema. Saiba qual.

Moda

Revelado o próximo nome da alta-costura que irá colaborar com a H&M

Todos os anos, a gigante sueca lança uma coleção de edição limitada, que é fruto da colaboração com um estilista ou marca de renome.

Beleza e Saúde

3 acessórios para o cabelo que as mulheres nórdicas adoram

Estas sugestões são perfeitas para ter sempre no nécessaire e transformam qualquer visual num instante.

Beleza e Saúde

Saiba como manter um estilo de vida saudável em regime de teletrabalho

Aqui ficam seis sugestões para continuar a cuidar da sua saúde física e mental no novo confinamento.

15 Perguntas A...

Tânia Ribas de Oliveira: "O meu estilo é casual, confortável e descontraído"

Lançámos questionários com 15 perguntas a várias celebridades sobre temas como, por exemplo, estilo pessoal e rotinas de beleza. A apresentadora da RTP foi a primeira a aceitar o desafio.